Cientistas agora dizem que os OVNIs devem ser estudados com rigor científico

Tempo de leitura: 4 min.
Cientistas dizem que os OVNIs devem ser estudados com rigor científico

Você não precisa ser um caçador de alienígenas para estar curioso sobre os eventos OVNI recentes.

A Marinha dos Estados Unidos admitiu recentemente que, de fato, objetos com comportamento estranho capturados em vídeo por pilotos de jato ao longo dos anos são genuínos. Existem relatos de testemunhas oculares não apenas de pilotos, mas também de operadores de radar e técnicos.

Em agosto, a Marinha estabeleceu uma Força-Tarefa de Fenômenos Aéreos Não Identificados para investigar a natureza e a origem desses avistamentos estranhos e determinar se eles poderiam representar uma ameaça à segurança nacional dos EUA.

Os UAPs (nome dado por eles aos OVNIs) recentemente observados têm supostamente acelerações que variam de quase 100 Gs a milhares de Gs – muito mais altas do que um piloto humano poderia sobreviver. Não há perturbação do ar visível. Eles não produzem estrondos sônicos. Estas e outras esquisitices chamaram a atenção daqueles que acreditam na existência de OVNIs.

Mas também há um apelo crescente para que esse fenômeno seja estudado cientificamente – até mesmo usando satélites para estar à procura de possíveis eventos futuros com OVNIs.

Philippe Ailleris é controlador de projetos do Centro de Tecnologia e Pesquisa Espacial da Agência Espacial Europeia na Holanda. Ele também é a principal força por trás do Unidentified Aerospace Phenomena Observations Reporting Scheme, um projeto para facilitar a coleta de relatórios de OVNIs por astrônomos amadores e profissionais.

Há uma necessidade para o estudo científico dos OVNIs/UAPs e um requisito para reunir evidências confiáveis, algo que não poderia ser tão facilmente ignorado pela ciência, disse Ailleris ao Space.com.

É necessário trazer dados objetivos e de alta qualidade aos cientistas, disse Ailleris. “Ninguém sabe onde e quando um UAP pode potencialmente aparecer, daí a dificuldade da pesquisa científica neste domínio.’

Nos últimos anos, assistimos a avanços rápidos nas tecnologias de informação e comunicação – por exemplo, ferramentas e software abertos, computação em nuvem e inteligência artificial com máquina e aprendizado profundo, disse Ailleris. Essas ferramentas oferecem aos cientistas novas possibilidades de coletar, armazenar, manipular e transmitir dados.

Ailleris aponta para outra ferramenta potente.

Ele disse:

A localização dos satélites acima de nossas cabeças é a chance perfeita para detectar algo potencialmente.

Trabalhando no setor espacial, ocorreu a Ailleris que os satélites civis de observação da Terra poderiam ser usados ​​para procurar OVNIs. Uma via é usar imagens gratuitas coletadas pelos satélites Copernicus da União Europeia, um programa de observação da Terra coordenado e gerenciado pela Comissão Europeia em parceria com a ESA.

Além disso, há cada vez mais espaçonaves de varredura da Terra sendo lançadas para tomar o pulso do nosso globo. Esse trabalho não está mais limitado aos principais países ou potências, disse Ailleris; atores privados também entraram no cenário da visão do planeta.

Ailleris informou:

Esta evolução estimulará ideias com visão de futuro em diferentes domínios, incluindo tópicos controversos. E por que não o campo de pesquisa UAP?

Trabalhando com Ailleris para empregar imagens de satélite para detectar e monitorar UAPs está Kevin Knuth, um ex-cientista do Centro de Pesquisa Ames da NASA no Vale do Silício da Califórnia. Ele agora é professor associado de física na Universidade de Albany, em Nova York.

Knuth disse, referindo-se aos avistamentos de OVNIs relatados por pilotos e operadores de radar baseados no porta-aviões USS Nimitz:

Estamos estudando o uso de satélites para monitorar a região do oceano ao sul da Ilha Catalina onde ocorreram os encontros de 2004 com Nimitz.

Essa área também será alvo de uma expedição UAP em 2021 UAP realizada por Knuth e outros pesquisadores. O objetivo do passeio é “fornecer evidências científicas inatacáveis ​​de que os objetos UAP são reais, os objetos UAP são localizáveis ​​e os objetos UAP são conhecíveis”, de acordo com o site do projeto, que é chamado UAPx.

A equipe UAPx inclui veteranos militares e físicos, bem como cientistas pesquisadores e observadores treinados que usarão equipamento especializado para observar qualquer suposto OVNI/UAP.

Knuth disse ao Space.com:

Esperamos detectar UAPs, determinar suas características, padrões de voo e quaisquer padrões de atividade que nos permitam estudá-los de maneira mais eficaz. Além de monitorar uma região para os UAPs, também estamos estudando o uso de satélites para obter confirmação independente de avistamentos de UAPs proeminentes e para obter informações quantificáveis ​​sobre esses UAPs.

Jacob Haqq-Misra, astrobiólogo do Blue Marble Space Institute of Science em Seattle, Washington, disse:

Eu certamente acho que os UAPs merecem ser estudados, assim como faríamos com qualquer outro problema na ciência.

Em agosto, Haqq-Misra ajudou a organizar um workshop interdisciplinar patrocinado pela NASA, denominado TechnoClimes 2020, que buscou priorizar e orientar futuros estudos teóricos e observacionais de “tecnossignaturas” não radiofônicas – isto é, manifestações observacionais de tecnologia, particularmente aquelas que poderiam ser detectadas por meios astronômicos ou outros.

Haqq-Misra disse que seu conhecimento sobre os UAPs vem do domínio público, como os vídeos da Marinha liberados recentemente e os comentários do Departamento de Defesa. Por outro lado, ele não conduziu nenhuma de suas próprias investigações sobre o problema.

Ele disse:

Eu também permaneço agnóstico quanto a qualquer hipótese particular que possa explicar os UAPs, pelo menos até que tenhamos mais dados a considerar. A hipótese da inteligência não humana é popular, mas não tenho necessariamente qualquer indicação de que seja mais provável do que qualquer outra hipótese neste momento.

Logotipo da expedição UAPx, que envolve veteranos militares, físicos, além de cientistas pesquisadores e observadores treinados. Eles desejam fornecer evidências científicas inatacáveis ​​de que os objetos UAP são reais, localizáveis ​​e conhecíveis. (Crédito da imagem: DOD / Marinha dos EUA)

Ravi Kopparapu é um cientista planetário do Goddard Space Flight Center da NASA em Greenbelt, Maryland, que estuda a habitabilidade planetária, modelagem climática e química no contexto da caracterização da atmosfera de exoplanetas. Ele vê os fenômenos UAP/OVNI como um problema cientificamente interessante, impulsionado em parte por observações que parecem desafiar as leis da física.

Dito isso, Kopparapu falou que teme trazer o termo ‘extraterrestre’ para a conversa.

Ele disse:

Isso porque não há absolutamente nenhuma evidência concreta de que eu saiba que indique que eles sejam extraterrestres.

Há um problema fundamental que temos agora para estudar cientificamente os UAPs. Não temos uma coleta de dados adequada sobre esse fenômeno que possa ser compartilhada entre os cientistas interessados ​​para verificar as afirmações e filtrar eventos verdadeiramente inexplicáveis.

Além disso, todo o tópico UAP foi muito difamado por ser associado com ETs, acrescentou Kopparapu. Essa associação impede uma investigação científica completa pela comunidade científica, ele sente, essencialmente por causa de um tabu em torno das alegações sobre ETs.

Ele continuou:

Eu acho que as pessoas pensam imediatamente em ‘alienígenas’ quando ouvem OVNIs/UAPs, e eu quero que os cientistas não caiam nisso. Seja estritamente agnóstico e não deixe que ideias preconcebidas atrapalhem os julgamentos. Tenha a mente aberta. Considere isso como um problema de ciência. Se acabar que elas têm explicações mundanas, que seja.

Kopparapu e seus colegas estão propondo uma abordagem agnóstica e completamente imparcial para estudar os OVNIs/UAPs.

Ele disse:

Deixe os dados nos levarem ao que eles são.

Colaboração: Adalberto Dorneles

(Fonte)


O OVNI Hoje já havia publicado uma matéria aqui em julho a respeito dessa iniciativa desses mesmo cientistas, que foi apresentada no site scientificamerican.com. Talvez agora o space.com queira reiterar este fato, já que o documentário recém liberado, The Phenomenon, talvez tenha aguçado um pouco mais a curiosidade do público em geral.

Seja como for, já passou da hora da ciência dar a devida atenção a este fenômeno, o qual é real e parece estar conosco por toda a nossa história.

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.