Um denunciante da NASA e bases alienígenas na Lua

Tempo de leitura: 5 min.
Um denunciante da NASA e bases alienígenas na Lua
Ken Johnston

Na década de 1960 e no início dos anos 70, o programa espacial dos EUA estava profundamente envolvido no estudo da superfície lunar, lançando seu famoso e histórico programa Apolo, também chamado de Projeto Apolo, conduzido pela National Aeronautics and Space Administration (NASA). O ambicioso programa, que durou de 1961 a 1972, foi notável por pousar os primeiros seres humanos na Lua em 1969, com os astronautas Neil Armstrong e Buzz Aldrin fazendo pousos na superfície lunar com seu Módulo Lunar Apolo, e haveria mais cinco Missões Apolo que também levariam astronautas americanos à Lua.

O programa também estabeleceu alguns outros marcos importantes no voo espacial, estimulou o crescimento em várias áreas da tecnologia que tiveram efeitos de longo alcance além das viagens espaciais e, com as muitas fotos e amostras da superfície lunar que foram tiradas, ele nos apresentou uma quantidade de informações sem precedentes sobre nosso vizinho celestial mais próximo.

No entanto, há muito há muitos mistérios e conspirações em torno do programa Apolo e da Lua também, e um deles é o suposto treinador de astronautas e guardião de fotos lunares, que afirma ter havido muitos casos de fotos mostrando uma presença alienígena na Lua, bem como os esforços da NASA para encobrir tudo.

Entre as dezenas de pessoas que fizeram todo o programa funcionar estava o engenheiro aeroespacial, piloto e treinador de astronautas Ken Johnston, que segundo ele foi um dos quatro Pilotos Civis Consultores de Astronautas que ajudaram a treinar astronautas para a missão Apolo 11. Contratado pela Grumman Aircraft Corp., uma das principais funções de Johnston na época era o desenvolvimento e o treinamento da cabine e dos instrumentos, bem como testar o módulo da missão lunar nas câmaras de vácuo, a fim de se certificar de que estavam seguros para o voo, no processo ajudando a treinar os astronautas em como pousá-los.

Johnston supostamente mais tarde assumiria outras funções, como trabalhar no Laboratório de Recebimento Lunar, que lidava com o processamento e análise de várias amostras retiradas da Lua, bem como fotografias. Johnston diz que lidou com as fotos de cinco das missões Apolo, que foram armazenadas, catalogadas e frequentemente enviadas a cientistas para serem estudadas e analisadas. Na verdade, Johnston afirma que era o Diretor do Departamento de Controle de Dados e Fotos e, portanto, tinha acesso a todos os dados fotográficos enviados da Lua para a Terra, incluindo fotos, filmes e slides. É com seu trabalho aqui que começam as conspirações e estranhezas.

Quando o programa Apolo começou a diminuir e as amostras foram em sua maioria classificadas e cuidadas, Johnston ficou surpreso quando seu superior, Bud Laskawa, disse-lhe para destruir tudo o que restava do arquivo de fotos, e ênfase especial foi dada em garantir que uma coleção de impressões brilhantes de 8 por 10 nunca vissem a luz do dia. Ele afirma que a razão para isso foi que muitas das fotos tinham anomalias estranhas que a NASA não queria que o público visse, e que eles estavam muito interessados ​​em manter segredo, a tal ponto que, de acordo com Johnston, as fotos frequentemente seriam alteradas para encobrir qualquer coisa estranha nelas, com extensa manipulação e adulteração feita nelas para esconder o que ele diz serem evidências de algum tipo de estruturas não humanas na superfície lunar.

Ele falou sobre tudo isso em uma entrevista com o pesquisador indiano Parvathi Benu:

Assim que concluímos as três primeiras missões, fui encarregado de fotografar e documentar suas localizações exatas. Um dia, meu chefe me mandou destruir essas imagens. Eu o lembrei que o governo havia pago por elas e que deveriam ser tornadas públicas, ao que ele respondeu: “Não. Livre-se disso. Eu não me importo com o que você pensa.”

Era porque havia elementos nas fotos que eram inexplicáveis. Você pode ver as anomalias lunares também. Parece que algo foi borrado. Muito antes do Photoshop, eles pintavam as coisas. Uma vez, quando entrei no laboratório fotográfico, vi uma mulher pintando algo. Ela se autodenominou “stripper” e disse que foi paga para isso. Isso realmente me chateou, pois eu era responsável por manter um registro das coisas. Acho que é por isso que me chamam de denunciante.

Johnston acabaria desafiando suas ordens e mantendo um conjunto dessas fotos para si mesmo como parte de seu portfólio pessoal e como evidência do que havia testemunhado. Ele ficou com essas fotos por anos, mantendo-as em segredo e com medo de apresentá-las ou mostrá-las a qualquer outra pessoa até 1995, quando Johnston assistiu a uma palestra do polêmico pesquisador Richard Hoagland. Após o seminário, Johnston supostamente abordou Hoagland com seu conjunto de fotos, e os dois olharam-nas juntos. De acordo com Hoagland, as fotos eram muito intrigantes e definitivamente mostravam evidências de uma presença alienígena na Lua. Hoagland também afirmou que teve permissão para fazer digitalizações das impressões, o que ele diz ter permitido a ele descobrir mais detalhes sobre a análise, e ele escreveria sobre as fotos no livro de 2007 Dark Mission, dizendo:

Ao escanear as impressões inestimáveis ​​da Apolo 14 de Ken, descobri que o computador podia “ver” o que o olho humano não podia – detalhes geométricos incríveis nas áreas totalmente escuras, como o céu lunar. A sensibilidade da moderna tecnologia de imagem CCD, mesmo em scanners de imagem disponíveis comercialmente, juntamente com os incríveis recursos de aprimoramento de software comercial de última geração – como o Photoshop da Adobe – revelou o detalhe invisível enterrado nessas camadas supostamente pretas, destas emulsões de trinta anos, para finalmente serem reveladas – uma “democratização” da tecnologia que nenhum censor da NASA poderia ter previsto em mais de trinta anos.

Hoagland iria então expor e dar muitas palestras sobre essas fotos, alegando que havia encontrado nelas todos os tipos de anomalias que nunca haviam sido descobertas antes, mas tem havido um certo ceticismo em relação a essas afirmações ousadas. Um trecho do rational wiki apontou um dos problemas com essas varreduras e as afirmações de Hoagland da seguinte forma:

É claro que a digitalização não pode revelar “detalhes invisíveis” se realmente for invisível. Hoagland fez carreira alardeando o fato de que seus scans da coleção de Ken Johnston mostram coisas que os scans “oficiais” não mostram. Mas, claro, ele está comparando, por um lado, uma imagem digitalizada profissionalmente de um negativo original ou internegativo feito em uma sala limpa – e, por outro lado, uma fotoimpressão armazenada em um fichário por 23 anos, depois puxada e digitalizada no scanner do escritório de Hoagland, cujo vidro está claramente contaminado. Para uso como slides do Powerpoint ™, Hoagland normalmente aumenta o brilho – um procedimento garantido para revelar qualquer contaminação do scanner onde quer que a imagem esteja preta.

As varreduras foram descartadas por céticos como meramente mostrando imperfeições e artefatos na superfície de varredura, como manchas ou fibras. Independentemente do que as varreduras de Hoagland mostrassem, elas eram responsáveis ​​por tornar públicas as fotos de Johnston, e o próprio Johnston começaria a ser mais aberto com sua coleção original, liberando-as ao público gratuitamente em 2015 e doando a coleção para o Roswell International UFO Research Center and Museu. Aqueles que viram as fotos por si próprios afirmam ter visto todos os tipos de coisas estranhas nelas, incluindo antenas parabólicas, estátuas, ruínas, edifícios e até mesmo uma base alienígena lunar com luzes e estruturas visíveis.

Nesse ínterim, Johnston viajou e deu muitas palestras sobre o que ele chama de acobertamento da NASA, bem como conduziu várias entrevistas. Uma das afirmações mais conhecidas e controversas de Johnston é que havia fotos da missão Apolo 14 que supostamente mostravam uma base alienígena em Tsiolkovsky, uma enorme cratera na parte de trás da Lua. Johnston afirma que, quando viu as fotos pela primeira vez, pôde ver luzes e um aglomerado pentagonal de cúpulas mostrando que era claramente algum tipo de instalação, mas que no dia seguinte tudo havia sido alterado para apagá-lo. De acordo com ele, tinha sido essencialmente apagado. Esta afirmação também se tornou controversa, porque de acordo com os registros da NASA, a Apolo 14 nunca voou sobre Tsiolkovsky e nunca foi fotografada, embora Johnston negue isso.

Mesmo em face de críticas tão duras, Ken Johnston se tornou quase lendário como um “denunciante da NASA” e campeão da divulgação, e ao longo dos anos suas alegações foram ficando cada vez mais à margem, como a de que existem bases em Marte e que ele sofreu uma regressão hipnótica para saber que, na verdade, foram os alienígenas que lhe disseram para desafiar a NASA e apresentar suas estranhas descobertas. Isso, compreensivelmente, trouxe muita atenção para ele, tanto por ufólogos/ovniólogos e teóricos da conspiração, quanto por céticos, que constantemente desafiaram as alegações de Johnston.

Uma das bandeiras vermelhas que surgiu é que Johnston tem afirmado cada vez mais que é um astronauta de verdade, o que é falso, e descobriu-se que ele frequentemente se representava erroneamente e exagerava suas credenciais, às vezes também se rotulando como um ex-“chefe treinador da NASA ”. Tudo isso o colocou em apuros com a NASA e o Departamento de Estado. Ele também fez outras afirmações extravagantes que foram vistas pelos céticos como questionáveis ​​na melhor das hipóteses, como a de que ele tem um diploma de “Doutor em Metafísica”, e seu colega Bret Sheppard, que muitas vezes o acompanha em palestras, também foi uma figura controversa dentro do campo OVNI.

De sua parte, Johnston lutou continuamente contra seus críticos e insistiu que tudo era real.

Ficamos nos perguntando: há algo nisso? Ken Johnston é real ou é uma fraude? Isso é real ou uma farsa? Ele se tornou calorosamente discutido e debatido, e mostra que a Lua provavelmente atrairá histórias como essa por algum tempo.

(Fonte)


Ao bem da verdade, essa questão de delatar supostas atividades ocultas da NASA ou de qualquer outra agência que lida com informações delicadas é algo muito complicado. Provavelmente Johnston é um farsante, mas será que totalmente?

Já falamos sobre Ken Johnston aqui no OVNI Hoje em algumas ocasiões. Para acessar um artigo anterior sobre suas alegações e fotos, acesse este link:

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.