Imagens de radar podem estar mostrando mais água em Marte – chances de vida aumentam?

Tempo de leitura: 3 min.
Imagens de radar podem estar mostrando mais água em Marte - chances de vida
Um lago encontrado que estava escondido sob o gelo marciano poderia suportar a vida. Agora mais lagos foram encontrados ao seu redor. Crédito: ESA

Novos dados de uma sonda orbitando Marte parecem apoiar a afirmação de 2018 de que um lago fica a cerca de 1,5 km abaixo do gelo perto do pólo sul. Uma análise dos dados adicionais, por alguns dos mesmos pesquisadores que relataram a descoberta do lago, também sugere a existência de vários outros reservatórios circundando o reservatório principal, um estudo divulgado online em 28 de setembro na Nature Astronomy afirma.

Se existir, o lago central se estende por cerca de 600 quilômetros quadrados. Para não congelar, a água teria que ser extremamente salgada, possivelmente tornando-se semelhante aos lagos subglaciais da Antártica.

Roberto Orosei, cientista planetário do Instituto Nacional de Astrofísica de Bolonha, Itália, que também liderou o relatório de 2018, informou:

Esta área é a coisa mais próxima de ‘habitável’ em Marte que foi encontrada até agora.

Ali Bramson, um cientista planetário da Purdue University em West Lafayette, Indiana, concorda que “algo estranho está acontecendo neste local”. Mas, diz ela, “existem algumas limitações para o instrumento e os dados…. Eu não sei se é [100%].”

Orosei e seus colegas sondaram o gelo usando radar a bordo da sonda orbital Mars Express da Agência Espacial Europeia. Pequenas rajadas de ondas de rádio refletem no gelo, mas algumas penetram mais fundo e ricocheteiam no fundo do gelo, enviando de volta um segundo eco. O brilho e a nitidez desse segundo reflexo podem revelar detalhes sobre o terreno subjacente.

O possível lago foi originalmente encontrado usando dados de radar coletados de maio de 2012 a dezembro de 2015. Agora, em dados coletados de 2010 a 2019, a equipe encontrou mais uma vez regiões sob o gelo que são altamente reflexivas e muito planas. Eles dizem que suas descobertas não apenas confirmam indícios anteriores de um grande lago enterrado, mas também revelam um punhado de lagoas menores circundando o corpo principal de água e separadas por faixas de terra seca.

“Na Terra, não haveria debate” que uma reflexão de radar plana e brilhante seria água líquida, diz Orosei. Essas mesmas técnicas de análise foram usadas perto de casa para mapear lagos subglaciais na Antártica e na Groenlândia.

Embora muito sobre essas supostas lagoas permaneça desconhecido, uma coisa é certa: este novo relatório está fadado a gerar controvérsia.

Isaac Smith, um cientista planetário do Planetary Science Institute, com sede em Ontário, Canadá, disse:

A comunidade é muito polarizada. Estou no campo que tende a acreditar. Eles fizeram o dever de casa.

Uma questão gira em torno de como a água pode permanecer líquida. “Não há como aquecer a água líquida o suficiente, mesmo jogando um monte de sais”, diz o cientista planetário Michael Sori, também em Purdue.

Em 2019, ele e Bramson calcularam que a temperatura do gelo – cerca de –70 ° Celsius – é fria demais até para os sais derreterem. Eles argumentam que alguma fonte local de calor geotérmico é necessária, como uma câmara de magma abaixo da superfície, para manter um lago. Isso, por sua vez, levou a outras questões sobre se Marte contemporâneo poderia fornecer o calor necessário.

Smith – assim como os autores do artigo – acha que isso não é um problema. Recentemente, há 50.000 anos, diz Smith, o pólo sul marciano era mais quente porque a inclinação do planeta (e, portanto, suas estações) muda constantemente. Temperaturas mais altas podem ter se propagado através do gelo para criar bolsas de líquido salgado. Alternativamente, as lagoas podem ter existido antes da formação da capa de gelo. De qualquer forma, em concentrações muito altas de sal, uma vez que a água derreteu, é difícil fazer com que ela congele novamente. “A temperatura de fusão é diferente da temperatura de congelamento”, diz ele.

Mesmo assim, esse líquido pode ser diferente de qualquer um com o qual a maioria dos terráqueos está familiarizada.

Bramson disse:

Algumas salmouras super-resfriadas nessas baixas temperaturas ainda são consideradas líquidas, mas se transformam em um vidro estranho.

Resolver essas questões provavelmente exigirá mais do que radar. Vários fatores, como a composição e propriedades físicas do gelo, podem alterar o destino do segundo eco do fundo do gelo, diz Bramson. Os dados de sismologia, gravidade e topografia podem ajudar muito a revelar o que se esconde sob o gelo.

Se alguma coisa poderia sobreviver nessas águas é uma questão em aberto.

Orosei disse:

Não sabemos exatamente o que há nesta água. Não sabemos a concentração de sais, que podem ser mortais para a vida.

Ele ainda espculou, caso a vida tenha evoluído em Marte:

Esses lagos poderiam ter fornecido uma Arca de Noé que poderia ter permitido que a vida sobrevivesse mesmo nas condições atuais.

(Fonte)


É muito possível que mesmo hoje Marte abrigue vida. Porém, um dos maiores obstáculos para o avanço da ciência, além dos dogmas nela implantados, é a vaidade humana: “Se não fui eu quem descobriu, então vou combater a descoberta até o fim, ao invés de, com muita neutralidade, ajudar nos estudos para determinação da verdade.

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.