O primeiro registro de OVNI do mundo ocorreu há 780.000 anos?

Tempo de leitura: 4 min.
O primeiro registro de OVNI do mundo ocorreu há 780.000 anos?
Crédito da ilustração: Curiosmos


Existem muitos casos famosos de Objetos Voadores Não Identificados (OVNIs) nas últimas décadas, mas todos nós nos perguntamos quando este misterioso fenômeno aéreo realmente começou.

Existem muitos casos famosos de Objetos Voadores Não Identificados (OVNIs) nas últimas décadas, mas todos nós nos perguntamos quando este misterioso fenômeno aéreo realmente começou. Quando foi o primeiro avistamento de OVNIs?

A maioria das pessoas deve ter ouvido falar do avistamento do disco voador Kenneth Arnold em 1947 ou do acidente da nave em Roswell no mesmo ano. Desde então, uma longa lista de incidentes com OVNIs ganhou as manchetes globais, desde a estranha história de Travis Walton sendo transportado a bordo de um veículo alienígena até os pilotos navais dos EUA que capturaram um objeto em forma de tic-tac hipersônico em seus sistemas de câmeras.

Objetos voadores não identificados (OVNIs) e fenômenos aéreos não identificados (de sigla em inglês, UAPs) estão cada vez mais dominando nossas manchetes. O Departamento de Defesa dos EUA começou a envolver outras nações, como o Japão, para formar uma rede aliada de monitoramento dos céus em busca de visitantes anômalos. Um ex-profissional de defesa que trabalhou no programa OVNI do governo dos Estados Unidos (AATIP), Luis Elizondo, até mesmo se referiu às potenciais raízes antigas desse fenômeno em um programa popular do History Channel. Até que ponto esses encontros e manifestações vão na história do nosso planeta?

A resposta pode ser chocante para todos

Parece que o primeiro objeto anômalo em nossos céus foi testemunhado não por humanos modernos, mas por nossos ancestrais evolucionários, hominídeos arcaicos chamados Homo erectus, cerca de 780.000 anos atrás!

Em uma série de estudos da NASA, foi descoberto que cerca de 780.000 anos atrás, um estranho objeto chegou das profundezas do espaço. Este corpo tinha quilômetros de diâmetro e deveria estar viajando a velocidades bem acima de 32.000 quilômetros por hora, típico de grandes corpos naturais viajando através do sistema solar (alguns se movem muitas vezes mais rápido). Quando um grande corpo despenca em direção à Terra a essas velocidades colossais, há dois resultados possíveis, ou o objeto será acelerado pela gravidade do nosso planeta ou terá um impacto na superfície. Esse segundo cenário é cataclísmico por natureza.

Porém, nos estudos da NASA o que se revelou foi que o objeto estacionou em órbita, como se pudesse desacelerar de alguma forma. Embora alguns corpos rochosos extremamente pequenos, do tamanho de um carro, possam acabar orbitando temporariamente a Terra, nosso planeta não é suficientemente massivo para ter tal efeito em algo nas faixas de diâmetro de vários quilômetros. Júpiter e Saturno, por exemplo, exercem atração gravitacional surpreendente e são conhecidos por desviar cometas velozes, mas isso não acontece com os pequenos mundos rochosos do sistema solar interno.

A estranheza não para por aí

Após um período desconhecido em órbita, o bizarro visitante passou por um longo processo de superaquecimento ou autoderretimento, reduzindo-o a vidro. Bolhas de vidro líquido congelado choveram em uma enorme faixa da Terra, da Antártica ao sul da China. A análise química dos detritos recuperados revela que o que quer que fosse, antes era talvez 75% de cristal de quartzo, um material central para nossas tecnologias de processamento de informações, junto com uma quantidade significativa de alumínio, ferro, óxido de cálcio, óxido de magnésio, óxido de potássio e vários oligoelementos. Curiosamente, muitos deles são compostos com propriedades potencialmente relevantes para o projeto de espaçonaves.

O primeiro registro de OVNI do mundo ocorreu há 780.000 anos?
Vasto campo de tectita da Australásia

Nenhum visitante cósmico natural conhecido, sejam cometas, meteoros ou asteroides, é composto de mais de 60% de sílica. Em mais de um estudo, os cientistas sugerem que o objeto contém traços de isótopos apontando para uma origem interestelar, potencialmente tornando este o primeiro visitante registrado cientificamente em nosso sistema solar.

É graças à análise detalhada dos fragmentos semelhantes a vidro, chamados tectita australita, que aprendemos muito sobre esse inexplicável antigo viajante do além. Ainda hoje, depois de um século de investigações, ninguém sabe ao certo o que era, de onde veio ou como acabou em órbita antes de explodir, tornando este corpo fonte o primeiro Objeto Voador Não Identificado registrado.

O primeiro registro de OVNI do mundo ocorreu há 780.000 anos?
Botão de Tectita Autralita formado durante a entrada atmosférica.

Alguns pesquisadores tentaram explicar o mistério invocando um enorme impacto de asteroide em algum lugar do sudeste da Ásia, enquanto outros afirmaram que deve ter sido o resultado de um pedaço da Lua que veio em nossa direção. Essas hipóteses têm sido debatidas por décadas, e embora cada uma tenha méritos convincentes, infelizmente, ambas falham em explicar as evidências observadas.

A hipótese lunar tinha a vantagem de explicar como uma substância parecida com vidro poderia cair sobre nós do espaço. Se um asteroide impactou a superfície lunar e explodiu uma grande quantidade de rocha derretida, é possível que parte do material tetita resultante possa vir em nossa direção. Essa ideia acabou caindo em desgraça depois que se descobriu que a Lua não era feita do tipo de material que caberia com os detritos australita.

A hipótese do impacto terrestre ofereceu o ponto convincente de que o vidro continha compostos que poderiam se encaixar em alguns xistos mistos na Terra. Será que um objeto em movimento rápido poderia nos atingir com força o suficiente no lugar certo para explicar o enorme campo de destroços e a peculiar formação de vidro? Embora esse modelo continue popular, a resposta é não.

Está muito claro nos estudos da NASA que os chamados botões de australita se formaram no espaço durante um período de aquecimento prolongado antes de gradualmente entrarem na atmosfera. Não apenas não eles contêm virtualmente nenhuma água, mas também contêm bolhas de vácuo.

Talvez o mais problemático de tudo seja que, de acordo com as observações, com referência à bem aceita lei de Stokes para a força de atrito em líquidos, o vidro de tectita deve ter sido aquecido de uma maneira particular que removeu a maioria das bolhas e deixou um ambiente muito homogêneo no material. Em um impacto, a liberação de energia é extremamente poderosa, mas também de curta duração. Este rápido aquecimento e resfriamento criaria vidro com muitas bolhas e o material não seria homogêneo. Algumas peças deveriam ter inclusões de rocha parcialmente derretida ou elementos diferentes da variada composição geológica do local de impacto. Em suma, o aquecimento prolongado e o refino do material de origem para australitas simplesmente não podem ser atribuídos a um evento de impacto sem quebrar as leis físicas bem estabelecidas.

Se isso não foi um pedaço da Lua se partindo ou qualquer objeto natural conhecido atingindo nosso planeta, o que diabos poderia ter sido?

Incrivelmente, muitos de nossos astrobiólogos e astrônomos expressam em suas expectativas de que um dia nosso mundo será visitado por inteligência artificial alienígena pós-biológica, seres extraterrestres existentes na forma de enormes redes móveis de sílica. Será que uma dessas entidades hiperavançadas já fez uma visita à Terra com nossos distantes ancestrais Homo erectus observando sua vasta rede de sílica orbitando acima de suas cabeças no céu noturno?

O processo de aquecimento anômalo que levou a esse material de tectita australita altamente refinado e homogêneo pode muito bem ter sido o resultado de uma falha crítica em qualquer tecnologia exótica que permitiu que essa inteligência alienígena se movesse por nossa galáxia.

Além disso, é intrigante o fato de que, 780.000 anos atrás, nosso planeta passou por sua última reversão geomagnética completa registrada. A mudança total dos pólos magnéticos norte e sul. Poderia esta profunda mudança de energia planetária de alguma forma estar ligada ao primeiro OVNI registrado no mundo e quaisquer eventos que levaram à sua destruição?

(Fonte)


n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.