Cientistas obtêm fotos de fósseis provavelmente de outro planeta

Tempo de leitura: 3 min.

Notícias sobre a possibilidade de vida em outros planetas não param de chegar! Veja mais essa:

Cientistas obtêm fotos de fósseis provavelmente de outro planeta
O meteorito Orgueil é exibido no ‘Museum d’histoire naturelle’ em Paris, França, em 17 de outubro de 2017.
AFP / Francois Guillot

Um grupo de cientistas russos tirou fotos detalhadas de microorganismos fossilizados, inclusive algas marinhas, que só poderiam ter se originado de outro planeta e estavam dentro de um meteorito que pode ser mais antigo que a própria Terra.

Os pesquisadores conseguiram fotos de alta resolução das bactérias fossilizadas preservadas dentro do meteorito Orgueil, encontrado na França em 1864. O maior dos raros grupos de condritos CI, esse corpo celeste há muito tempo cativou o interesse dos cientistas devido às altas concentrações de mercúrio e xenônio isotopicamente anômalo que não é típico de meteoritos desse tipo.

No entanto, agora, os cientistas do Instituto de Paleontologia da Academia Russa de Ciências e do Instituto Conjunto de Pesquisa Nuclear (JINR) – um dos principais centros de pesquisa do mundo no campo da física nuclear – dizem ter obtido evidências “indiscutíveis” de vida existente em outro planeta, que poderia ser mais antigo que a Terra.

Aleksey Rozanov, diretor de pesquisa do Centro de Astrobiologia JINR, disse à agência de notícias RIA Novosti:

As imagens que fizemos são interpretadas de forma clara. Não se pode discutir a respeito delas agora.

Os cientistas planejam lançar um álbum com todas as fotos em novembro. No entanto, eles já compartilharam algumas imagens com RIA:

Rozanov admitiu que seu grupo não foi o primeiro a encontrar vestígios de vida no meteorito Orgueil. Todas as evidências descobertas anteriormente, porém, foram “mal interpretadas”, pois os cientistas simplesmente se recusaram a acreditar que fossem verdade.

O meteorito Orgueil repetidamente se encontrou no centro das especulações sobre vestígios de vida extraterrestre supostamente encontrados nele. Em algum momento de 1965, uma cápsula de semente foi encontrada em um de seus fragmentos. No entanto, todo o assunto foi rapidamente revelado como uma farsa.

Mais tarde, um astrobiólogo renomado da NASA, Richard Hoover, afirmou que encontrou fósseis no meteorito, mas a NASA se distanciou de suas afirmações na época, citando a falta de revisões por pares. Agora, de acordo com a RIA, Hoover se juntou à equipe russa para provar que o objeto celeste contém, de fato, restos fossilizados de bactérias.

Os fósseis foram estudados detalhadamente com a ajuda de um microscópio eletrônico de alta resolução, que permitiu aos pesquisadores descobrirem várias espécies de bactérias preservadas dentro da rocha espacial. Os fósseis de microorganismos foram encontrados dentro do meteorito e não em sua superfície, observam os cientistas, acrescentando que não poderiam ter chegado lá depois que ele já tivesse caído na Terra.

Algumas das descobertas mais marcantes incluem fósseis das chamadas bactérias magnéticas. Eles dependem de um campo magnético planetário para se orientar no ambiente e geralmente são encontrados em ambientes aquáticos como pântanos, mares ou lagos. Mais recentemente, o grupo também encontrou vestígios de uma alga marinha unicelular no meteorito Orgueil, juntamente com microorganismos semelhantes a algumas espécies de ameba.

Essas descobertas mostram que tais microrganismos só poderiam se originar em outro planeta que tem um campo magnético e é pelo menos parcialmente coberto por água líquida, explicou um colega do laboratório de radiobiologia JINR, Mikhail Kapralov.

Não se sabe exatamente a idade do meteorito Orgueil, mas os cientistas acreditam que ele pode muito bem ser mais antigo que a Terra ou provavelmente até mesmo mais velho que o próprio sistema solar.

A notícia chega apenas um dia depois de uma equipe internacional de pesquisadores anunciar a descoberta do gás fosfina nas nuvens acima de Vênus. A fosfina é considerada uma bioassinatura chave, uma vez que é conhecida por ser produzida apenas por certas bactérias e não pode ser o resultado de alguns processos químicos ou físicos que não envolvam formas de vida. Os cientistas concluíram que existe uma “possibilidade” de que “possa ​​haver algo vivendo nas nuvens de Vênus”.

(Fonte)


Não sei o que dizer, exceto que esperemos que a próxima notícia seja: “Encontramos fósseis de animais grandes em Marte”… e a partir daí, coisas ainda mais impressionantes.

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site.

Clique aqui para apoiar através do site Apoia.se, ou use o botão abaixo:


*Agora você também pode doar através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:

(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.