Algo estranho ocorre em Marte durante um eclipse solar

Tempo de leitura: 3 min.
Algo estranho ocorre em Marte durante um eclipse solar
Um trânsito de Fobos visto pelo jipe-sonda Curiosity em 2019. (NASA / JPL-Caltech / MSSS)

As luas de Marte não são exatamente como a lua da Terra. Fobos, a maior das duas, está muito mais perto de seu planeta; em comparação com a órbita de 27 dias da Lua, Fobos gira em torno de Marte alinhado ao equador do planeta três vezes a cada dia marciano (um dia em Marte é conhecido como “sol”).

Os eclipses solares, portanto, são muito mais frequentes do que aqueles aqui na Terra. Fobos passa em frente do Sol, mas nunca o cobre inteiramente para um eclipse anular ou parcial em algum lugar de Marte na maioria dos sóis. Como Fobos está se movendo muito rápido, ele nunca transita por mais de 30 segundos.

Mas, mesmo durante esse breve período, a sonda Mars InSight registrou algo peculiar acontecendo.

Para a surpresa dos cientistas, durante os eclipses de Fobos, o sismômetro da sonda – o instrumento que registra os movimentos do solo para monitorar a possível atividade de terremoto – se inclina, apenas um pouquinho infinitesimal, para um lado.

Pesquisadores do Instituto de Geofísica da ETH Zurique estavam estudando dados da Mars InSight para ver se alguns dos efeitos dos eclipses aqui na Terra também ocorrem em Marte.

O sismólogo Simon Stähler, da ETH Zurich explicou:

Quando a Terra passa por um eclipse solar, os instrumentos podem detectar um declínio na temperatura e rajadas de vento rápidas, à medida que a atmosfera esfria em um determinado lugar e o ar foge daquele loca.

A InSight está equipado com sensores de temperatura e vento – mas eles não registraram nenhuma mudança na atmosfera durante os trânsitos de Fobos. Turbulência atmosférica, temperatura atmosférica e pressão barométrica permaneceram praticamente consistentes com um sol normal.

As células solares, no entanto, registraram os trânsitos. Na verdade, seria muito curioso se não o fizessem, já que Fobos pode bloquear até 40 por cento da luz do Sol – então foi reconfortante saber que algo saiu conforme o planejado.

Stähler disse:

Quando Fobos está na frente do Sol, menos luz solar atinge as células solares e estas, por sua vez, produzem menos eletricidade. O declínio na exposição à luz causado pela sombra de Fobos pode ser medido.

Mas essa foi a extensão do ‘esperado’. Porque tanto o magnetômetro quanto o sismômetro concordaram com leituras estranhas – o sismômetro com sua inclinação inesperada.

Na verdade, a estranheza com o magnetômetro – usado para monitorar o campo magnético na superfície marciana – era muito fácil de descobrir. Dois componentes mostraram uma diminuição muito semelhante à diminuição da corrente do painel solar. Portanto, os cientistas deduziram que a causa provável era a diminuição da corrente.

Stähler informou:

Mas não esperávamos essa leitura do sismômetro; é um sinal incomum. Imagine uma moeda de 5 francos; agora, empurre dois átomos de prata sob uma borda. É dessa inclinação que estamos falando: 10 ^ -8.

Não parece ser um falso positivo; o sinal é gravado por três trânsitos, fraco, mas real. A equipe esperava que pudesse ser uma resposta sísmica à atração da maré gravitacional daquela lua quando ela passou por cima.

No entanto, quando eles compararam com outras leituras de atividade sísmica de Marte, o sinal não tinha nenhuma semelhança com a atividade sísmica anterior.

Outra possibilidade é que a corda que conecta o sismômetro ao módulo de pouso tenha se contraído. No entanto, isso teria produzido uma inclinação na direção oposta ao que foi observado.

E uma mudança na temperatura atmosférica poderia ter introduzido uma mudança de densidade que empurrou o sismômetro, mas, como já discutimos, nenhuma mudança foi detectada.

Mas houve mais um sinal. Um radiômetro infravermelho registrou uma ligeira queda na temperatura da superfície durante o trânsito mais longo, seguido por um período de cerca de um minuto e meio enquanto o solo aquecia de volta à sua temperatura anterior ao trânsito.

Essa, acredita a equipe, é a causa mais provável da estranha leitura.

O sismólogo Martin van Driel, da ETH Zurich, disse:

Durante um eclipse, o solo esfria. Ele se deforma de forma desigual, o que inclina o instrumento.

Um efeito semelhante foi observado em 1997, no Observatório da Floresta Negra, na Alemanha.

Um técnico se esqueceu de desligar a luz ao sair da abóbada do sismômetro, resultando em ruído elevado em dados de longo período, pois o calor da lâmpada expandiu o granito no qual o sismômetro repousava.

Uma série de experimentos com fontes de calor artificiais se seguiram, demonstrando que os sismômetros reagem quase instantaneamente às mudanças de calor no pilar sísmico.

A equipe repetiu sua própria versão desse experimento e descobriu que foi capaz de obter um sinal consistente com a inclinação do sismômetro InSight.

Esta informação pode ser usada para entender melhor Fobos e Marte, disseram os pesquisadores.

Por um lado, a localização da InSight é mapeada com muita precisão. Saber quando um eclipse de Fobos começa e termina naquele local poderia ajudar os cientistas a restringirem sua órbita com mais precisão.

E isso, por sua vez, pode nos ajudar a entender o que está reservado para o futuro de Fobos.

A órbita daquela lua está declinando a uma taxa de 1,8 centímetros por ano, diminuindo à medida que avança; eventualmente, preveem os cientistas, ele chegará tão perto de Marte que as forças das marés gravitacionais destruirão Fobos, transformando-o em um anel de destroços ao redor de Marte.

Se a desaceleração pode ser caracterizada, isso pode nos dizer quão elástico e quente é o interior do planeta – ou quão inelástico e frio. E isso, por sua vez, pode lançar alguma luz sobre a história da formação de Marte.

A pesquisa foi publicada na Geophysical Research Letters.

(Fonte)


E para quem não sabe, Fobos é considerado por muitos pesquisadores como sendo uma lua artificial, pois ela não apresenta características consideradas “normais”.

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site.

Clique aqui para apoiar através do site Apoia.se, ou use o botão abaixo:


*Agora você também pode doar através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:

(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.