Um aviso da história: o Evento Carrington não foi único

Tempo de leitura: 3 min.
Um aviso da história: o Evento Carrington não foi único
Desenhos da mancha solar de Carrington por Richard Carrington, em 1º de setembro de 1859 e (inserção) Heinrich Schwabe em 27 de agosto de 1859. [Ref]

Em 1 de setembro de 1859, a tempestade solar mais feroz da história oficial registrada engolfou nosso planeta. Foi o “Evento Carrington”, em homenagem ao cientista britânico Richard Carrington, que testemunhou a ejeção solar que a iniciou. A tempestade abalou o campo magnético da Terra, gerou auroras em Cuba, nas Bahamas e no Havaí, incendiou estações de telégrafo e se inscreveu nos livros de história como a Maior Tempestadde Solar já registrada.

Mas, às vezes, o que você lê nos livros de história está errado.

Hisashi Hayakawa, da Universidade de Nagoya, no Japão, cujo estudo recente sobre tempestades solares descobriu outros eventos de intensidade comparável, informou:

O Evento Carrington não foi o único. Embora o evento Carrington tenha sido considerado uma catástrofe que ocorre uma vez a cada século, as observações históricas nos avisam que isto pode ocorrer com muito mais frequência.

Para gerações de meteorologistas espaciais que aprenderam na escola que o Evento Carrington foi único, esses são pensamentos inquietantes. A tecnologia moderna é muito mais vulnerável às tempestades solares do que os telégrafos do século XIX. Pense no GPS, na Internet e nas redes elétricas transcontinentais que podem transmitir tempestades geomagnéticas de costa a costa em questão de minutos. Um evento moderno como o de Carrington poderia causar quedas de energia generalizadas, juntamente com interrupções na navegação, viagens aéreas, bancos e todas as formas de comunicação digital.

Muitos estudos anteriores de supertempestades solares apoiaram-se fortemente nos relatos do hemisfério ocidental, omitindo dados do hemisfério oriental. Esta percepção distorcida do Evento Carrington, destacando sua importância, faz com que outras supertempestades sejam ignoradas.

Um bom exemplo é a grande tempestade de meados de setembro de 1770, quando auroras vermelhas extremamente brilhantes cobriram o Japão e partes da China. O próprio Capitão Cook viu a exibição perto da Ilha de Timor, ao sul da Indonésia. Hayakawa e seus colegas encontraram recentemente desenhos da manchas solares instigantes, e ela tem o dobro do tamanho do grupo de manchas solares de Carrington. Pinturas, diários e outros registros recém-descobertos, especialmente da China, retratam algumas das auroras de latitude mais baixa de todos os tempos, espalhadas por um período de 9 dias.

Um aviso da história: o Evento Carrington não foi único
Esboço de uma testemunha ocular de auroras vermelhas sobre o Japão em meados de setembro de 1770. [Ref]

Hayakawa e colegas escreveram em 2017 no Astrophysical Journal Letter:

Concluímos que a tempestade magnética de 1770 era comparável ao Evento Carrington, pelo menos em termos de visibilidade auroral. Além disso, a duração da atividade da tempestade foi muito mais longa do que o normal.

A equipe de Hayakawa investigou a história de outras tempestades também, examinando diários japoneses, registros do governo chinês e coreano, arquivos do Observatório Central Russo e diários de bordo de navios no mar – todos ajudando a formar uma imagem mais completa dos eventos.

Eles descobriram que as supertempestades em fevereiro de 1872 e maio de 1921 também foram comparáveis ​​ao Evento Carrington, com amplitudes magnéticas semelhantes e auroras generalizadas. Mais duas tempestades estão atingindo os calcanhares de Carrington: O apagão de Quebec em 13 de março de 1989 e uma tempestade sem nome em 25 de setembro de 1909 tiveram apenas um fator de aproximadamente 2 de menor intensidade. (Verifique a Tabela 1 do artigo de Hayakawa et al. 2019 para obter detalhes.)

Contextualizar o Evento Carrington tornou-se um nicho ocupado na pesquisa do clima espacial. Uma equipe liderada por Jeff Love do USGS confirmou recentemente a quase igualdade do Evento Carrington com a supertempestade de maio de 1921. E a equipe de Hayakawa acaba de descobrir novos registros de auroras extremas na América do Sul.

Estamos atrasados ​​para outro evento Carrington? Talvez. Na verdade, podemos ter se safado de um pouco tempo atrás.

Em julho de 2012, a NASA e as espaçonaves europeias assistiram a uma tempestade solar extrema irromper do Sol e por pouco impactar a Terra.

Daniel Baker, da Universidade do Colorado, anunciou em um seminário do clima espacial da NOAA, 2 anos depois:

Se tivesse acontecido, ainda estaríamos juntando os cacos. Pode ter sido mais forte do que o próprio Evento Carrington.

Livros de história, vamos começar a reescrever.

(Fonte)


Você já imaginou no mundo de hoje, onde dependemos pela maior parte da Internet para a condução dos negócios, comunicação, navegação, ensino, saúde, etc.? Se um evento similar ocorresse hoje em dia ao ponto de “apagar” a Internet, seria um caos mundial muito maior do que a “pandemia” do momento.

E ainda tem gente lutando para tornar toda a moeda mundial em criptomoeda. É muita confiança num sistema que pode apagar de um minuto para o outro devido a algo que é somente uma questão de tempo para nos atingir, como tempestades solares, ou até mesmo sabotagens por “forças do mal”.

E, não querendo ser o “bicho do mal agouro”, não custa lembrar que duas das maiores tempestades solares que atingiram a Terra ocorreram exatamente no mês de setembro e, para complementar, estamos em setembro de… 2020! 🤣 (risada de vilão, embora eu esteja longe de ser um.)

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site.

Clique aqui para apoiar através do site Apoia.se, ou use o botão abaixo:


*Agora você também pode doar através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:

(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.