Como COVID-19 está preparando a humanidade para o primeiro contato

Tempo de leitura: 3 min.
Como COVID-19 está preparando a humanidade para o primeiro contato


Quando a primeira mensagem de uma inteligência alienígena chegar, nossa experiência com COVID-19 pode nos ajudar a planejar uma reação adequada, dizem os pesquisadores.

Imagine o seguinte cenário: um radiotelescópio remoto detecta um sinal repetido de uma estrela semelhante ao Sol a algumas dezenas de anos-luz da Terra. Nos próximos dias, outros radiotelescópios repetem e confirmam a observação.

O sinal tem um alto conteúdo de informação que não pode ser produzida por nenhum processo natural conhecido. Com muita empolgação os cientistas concluem que o sinal é evidência de uma inteligência em outra parte do universo.

Em meio à alegria, confusão e preocupação globais, surgem questões-chave sobre o papel dos cientistas e políticos, a natureza dos conselhos que devem ser dados e quem deve estar envolvido na decisão de como responder.

Há poucos precedentes para guiar a humanidade. Mas hoje, Peter Hatfield e Leah Trueblood, da University of Oxford, dizem que nossa experiência com a pandemia COVID-19 está nos preparando, pelo menos em alguns aspectos, para o primeiro contato.

Os pesquisadores destacam que a pandemia tem muitas semelhanças com um evento de primeiro contato, principalmente no que diz respeito ao envolvimento de cientistas, ao escrutínio a que são submetidos e à interação com os políticos. Claro, existem muitas diferenças também, mas os pesquisadores dizem que esta oportunidade inesperada pode ajudar a desenvolver planos para lidar com um Primeiro Contato no futuro.

Hatfield e Trueblood começam estudando uma variedade de esforços anteriores para criar mensagens para um público extraterrestre. Alguns deles estavam longe de ser democráticos ou inclusivos. Um dos primeiros exemplos foram as mensagens transmitidas do Sistema Solar pela espaçonave Pioneer da NASA na década de 1970. Eles assumiram a forma de placas presas à espaçonave.

Hatfield e Trueblood disseram:

[Estas mensagens] foram essencialmente desenvolvidas apenas por Carl Sagan, Frank Drake e Linda Salzman Sagan ao longo de três semanas.

Algumas mensagens posteriores foram mais inclusivas. Em 2008, uma mensagem transmitida para o Gliese 581c, um exoplaneta o qual acredita-se possa hospedar vida, consistia em fotos, desenhos e mensagens de texto reunidas em um site de mídia social. Em 2016, a Agência Espacial Europeia transmitiu 3775 mensagens de pessoas de todo o mundo, para a Estrela Polar.

Mas todos esses foram esforços especulativos. Uma resposta a uma mensagem inequívoca de outra civilização atrairia muito mais atenção global. Mas quem deve redigir tal mensagem?

Mensagem para as estrelas

Uma maneira de descobrir é perguntando. Então, Hatfield e Trueblood pesquisaram uma nação inteira, ou pelo menos uma amostra representativa de uma. Eles usaram uma agência de votação para fazerem a 2.000 pessoas no Reino Unido a seguinte pergunta com 5 opções de resposta.

Imagine um cenário no qual os cientistas recebem uma mensagem inequívoca de extraterrestres (formas de vida alienígenas) em um planeta distante. Das seguintes opções, qual seria sua preferência em termos de como a resposta da humanidade a esta mensagem deve ser determinada?

1. Equipe de cientistas … 39%

2. Por representantes eleitos … 15%

3. Por um referendo mundial … 11%

4. Por uma assembleia de cidadãos adultos selecionados aleatoriamente … 11%

5. Não sei … 23%

Os resultados sugerem uma preferência por uma resposta baseada na ciência, pelo menos no Reino Unido. E isso levanta questões sobre como tal resposta poderia funcionar e como seria recebida pelo público.

É por isso que Hatfield e Trueblood dizem que há lições a serem aprendidas com a atual pandemia.

Eles dizem:

Sugerimos que existem algumas semelhanças entre a crise do COVID-19 e um evento de primeiro contato.

Os pesquisadores dizem que ambas as situações são de natureza fundamentalmente científica, ambas têm impacto social, econômico e político significativo, ambas afetam todos os humanos na Terra e ambas são ameaças “externas” que colocam os humanos do mesmo lado, em contraste com uma guerra mundial, por exemplo.

Os cientistas desempenharam um papel fundamental na resposta ao COVID-19, mas geralmente ficaram em segundo plano para os políticos. Talvez um evento de primeiro contato tivesse o mesmo resultado.

A alternativa de que os cientistas assumem a liderança foi uma opção para o COVID-19.

Os pesquisadores dizem:

Os políticos poderiam , no início da crise, ter passado completamente o julgamento sobre quando os bloqueios seriam impostos e levantados a um órgão independente.

Mas é difícil imaginar como isso teria funcionado.

Mesmo em suas funções de consultoria, os cientistas envolvidos foram submetidos a um nível de escrutínio sem precedentes. Os pesquisadores também apontam que, enquanto alguns cientistas atuavam como assessores do governo, outros criavam fontes alternativas de aconselhamento, muitas vezes em conflito com as recomendações oficiais.

Isso forçou o público a enfrentar a desagradável realidade de que os cientistas nem sempre concordam e podem até estar em conflito. Quando isso acontece, a ciência pode se tornar perigosamente politizada.

Não é difícil pensar que um conjunto semelhante de circunstâncias surgirá durante um evento de primeiro contato. E isso levanta questões sobre a viabilidade de uma resposta baseada na ciência.

Ameaça Existencial

A questão mais controversa provavelmente será se devemos responder. Não há garantia de que uma civilização alienígena será amigável; pode representar uma ameaça existencial para a humanidade. Por outro lado, o contato pode trazer enormes benefícios culturais, econômicos e tecnológicos para a humanidade.

Hatfield e Trueblood concluem de tudo isso que é fundamental que quem acaba gerenciando um evento de primeiro contato deve ter legitimidade pública.

Eles dizem, acrescentando que o ideal seria um representante eleito publicamente que já possui experiência com ciência:

Uma forma possível de acreditarmos que isso poderia ser alcançado é tendo a tomada de decisões conduzida por uma equipe de cientistas nomeados por diferentes jurisdições (em vez de estados-nação) com amplas oportunidades de consulta.

Esses tipos de indivíduos são poucos e distantes entre si. O Primeiro Contato será um grande evento para a humanidade, que unifica a humanidade de algumas formas e a divide em outras. Nossa resposta e a maneira como ela é tratada influenciarão nosso futuro de maneiras difíceis de imaginar.

Nossa experiência com COVID-19 deve nos ajudar a planejar.

(Fonte)


Para mim, o Primeiro Contato “unirá” a humanidade exatamente da mesma forma que a “pandemia” nos uniu, ou seja, mais polarização, discórdia e desunião. É a natureza humana. Nossa experiência com COVID-19 só serviu para nos mostrar o quão frágeis somos estruturalmente.

Mas, como sempre, digo, posso estar errado.

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.