O que está por trás da nova força-tarefa de OVNIs do Pentágono?

Tempo de leitura: 2 min.
O que está por trás da nova força-tarefa de OVNIs do Pentágono?
Um “avançadíssimo” disco voador da China, que foi mostrado num show de aviação no ano passado. Os EUA têm medo disso?

A decisão do Departamento de Defesa dos EUA de criar uma nova força-tarefa de OVNIs é menos sobre alienígenas e mais sobre rivalidade entre superpotências na Terra, de acordo com um especialista em segurança.

Na semana passada, o Pentágono anunciou que estava criando a Força-Tarefa de Fenômenos Aéreos Não Identificados (de sigla em inglês, UAPTF) para “detectar, analisar e catalogar OVNIs que poderiam representar uma ameaça à segurança nacional dos EUA”.

A notícia desencadeou uma onda de especulações sobre alienígenas em discos voadores.
Mas Malcolm Davis, analista sênior do Australian Strategic Policy Institute, disse ao Nine.com.au que a nova unidade está mais preocupada com a ameaça de tecnologias avançadas de nações que procuram desafiar os EUA.

Oficiais militares dos EUA há muito expressam preocupação com o aparecimento de aeronaves não identificadas que sobrevoaram bases militares dos EUA, colocando em risco os jatos militares. Não há consenso sobre sua origem, com alguns acreditando que podem ser drones potencialmente operados por adversários terrestres que buscam reunir inteligência em vez de extraterrestres.

Davis disse:

Os Estados Unidos estão claramente levando as coisas a sério. Eles querem controlar o assunto.

Davis acha que esses objetos podem ser duas coisas: um ‘projeto negro’ ultrassecreto desenvolvido pelos militares dos EUA ou tecnologia avançada construída por uma nação adversária como a Rússia ou a China.

Ele disse:

Pode ser um projeto negro dos EUA que os militares estão testando em torno da Área 51 em Nevada. Ao oficializar essa nova unidade, isso ofereceria uma maneira de enterrar o projeto em segredo oficial.

Mas ele disse que os EUA deveriam se preocupar se a origem da aeronave não identificada for uma potência rival:

Pode ser um drone avançado desenvolvido pela China ou Rússia. Se for esse tipo de tecnologia, os EUA têm motivos reais para se preocupar.

Vídeos curtos filmados pelos caças de combate do Departamento de Defesa da Marinha dos EUA encontrando OVNIs revelaram sua velocidade relâmpago e capacidade de manobra. As imagens pareciam mostrar objetos voadores não identificados se movendo rapidamente enquanto eram gravados por câmeras infravermelhas. Dois dos vídeos contêm pilotos da Marinha dos EUA reagindo com admiração a respeito da rapidez com que os objetos se movem. Uma voz especula que poderia ser um drone.
A velocidade dos objetos parecia ser muito maior do que os avançados aviões de guerra dos Estados Unidos e disparou alarmes no Pentágono.

Davis ainda disse:

Esses objetos foram relatados por figuras confiáveis, incluindo pilotos militares. Os militares dos EUA estavam corretos ao levar a ameaça a sério.

O Dr. Davis disse que a aeronave não identificada parecia ser capaz de padrões de voo “não aerodinâmicos”.

(Fonte)

Naves que descem da beira do espaço até centímetros acima do mar em 2 ou 3 segundos são de tecnologia humana dos EUA, da Rússia ou da China?

Acho que Davis está muito mal informado. Será que conto para ele que OVNIs têm sido relatados desde muito antes que a China, a Rússia ou os Estados Unidos existiam?

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.