“O Cosmos IA” – Algoritmos Inteligentes começam a processar o Universo

Tempo de leitura: 3 min.
“O Cosmos IA" - Algoritmos Inteligentes começam a processar o Universo
AI=Artificial Intelligence Crédito: The Daily Galaxy

Em junho de 2020, a NASA anunciou que sistemas de computadores inteligentes serão instalados em sondas espaciais para direcionar a busca por vida em planetas e luas distantes, começando com a missão 2022/23 ESA ExoMars, antes de passar para luas como a Europa de Júpiter, e Encélado e Titã de Saturno.

A pesquisadora da NASA, Victoria Da Poian, disse:

Este é um passo visionário na exploração espacial. Significa que, com o tempo, teremos mudado da ideia de que os humanos estão envolvidos com quase tudo no espaço para a ideia de que os computadores são equipados com sistemas inteligentes e são treinados para tomar algumas decisões, e são capazes de transmitir com prioridade as informações mais interessantes ou urgentes.

Diz Eric Lyness, líder de software no Laboratório de Ambientes Planetários do Goddard Space Flight Center da NASA, disse:

Quando coletados pela primeira vez, os dados produzidos pelo Analisador de Molécula Orgânica de Marte (MOMA), instrumento de busca de vida do tamanho de uma torradeira não dirão “Encontrei vida aqui”, mas nos darão probabilidades que precisarão ser analisadas. Ainda precisaremos de humanos para interpretar as descobertas, mas o primeiro filtro será o sistema de Inteligência Artificial (IA).

Classificando Galáxias

Se a inteligência artificial pode pesquisar por vida alienígena, ela deve ser capaz de distinguir “galáxias com padrões espirais” de “galáxias sem padrões espirais”, disse Ken-ichi Tadaki, do Observatório Astronômico Nacional do Japão (NAOJ), que propôs a ideia de que o uso de dados de treinamento preparados por humanos permitiu à IA classificar com sucesso as morfologias das galáxias com uma precisão de 97,5%. Em seguida, aplicando a Inteligência Artificial (IA) treinada ao conjunto de dados completo, identificou espirais em cerca de 80.000 galáxias.

O grupo de pesquisa NAOJ aplicou uma técnica de aprendizado profundo, um tipo de IA, para classificar galáxias em um grande conjunto de dados de imagens obtidas com o telescópio Subaru. Graças à sua alta sensibilidade, até 560.000 galáxias foram detectadas nas imagens. Seria extremamente difícil processar visualmente esse grande número de galáxias uma a uma com olhos humanos para classificação morfológica. A IA permitiu que a equipe realizasse o processamento sem intervenção humana.

“Para encontrar galáxias raras e muito fracas, dados de campo amplo e profundos obtidos com o telescópio Subaru foram indispensáveis”, disse o Dr. Takashi Kojima, sobre o Big Data capturado em junho e o poder do aprendizado de máquina que levou à descoberta de uma galáxia com uma abundância de oxigênio extremamente baixa de 1,6% de abundância solar, quebrando o recorde anterior de menor abundância de oxigênio. A abundância de oxigênio medida sugere que a maioria das estrelas nesta galáxia foi formada muito recentemente.

As técnicas de processamento automatizado para extração e julgamento de recursos com algoritmos de aprendizado profundo foram desenvolvidas rapidamente desde 2012. Agora, elas geralmente ultrapassam os humanos em termos de precisão e são usadas para veículos autônomos, câmeras de segurança e muitas outras aplicações.

Agora que esta técnica se provou eficaz, ela pode ser estendida para classificar galáxias em classes mais detalhadas, treinando a IA com base em um número substancial de galáxias classificadas por humanos.

NAOJ está executando um projeto de ciência cidadã chamada ‘GALAXY CRUISE‘, onde os cidadãos examinam imagens de galáxias tiradas com o telescópio Subaru em busca de características que sugiram que a galáxia está colidindo ou se fundindo com outra galáxia.

O professor associado do NAOJ, Masayuki Tanaka, disse:

O Programa Estratégico Subaru é um Big Data enorme contendo um número quase incontável de galáxias. Cientificamente, é muito interessante lidar com esses grandes volumes de dados com a colaboração de cidadãos astrônomos e máquinas.

Ao empregar o aprendizado profundo além das classificações feitas por cientistas cidadãos no GALAXY CRUISE, é provável que possamos encontrar um grande número de galáxias em colisão e fusão.

Um primeiro passo da ‘IA’ para o Homo Sapiens?

Susan Schneider, professora associada de ciência cognitiva e filosofia da Universidade de Connecticut, que escreveu sobre a interseção do SETI e a IA, disse:

Atualmente existe uma revolução da IA ​​e vemos a inteligência artificial ficando cada vez mais inteligente a cada dia. Isso sugere que algo semelhante pode estar acontecendo em outros pontos do universo. Uma vez que uma sociedade cria a tecnologia que poderia colocá-los em contato com o cosmos, eles estão a apenas algumas centenas de anos de mudar seu próprio paradigma de biologia para IA.

Como sugere o astrônomo do SETI Institute Seth Shostak, olhar para o longe em nossos planetas futuros é volátil, sujeito a erupções e terremotos e aos efeitos de uma estrela que envelhece.

Ele diz:

As máquinas não vão necessariamente ficar em um planeta. Os planetas são perigosos para as máquinas.

(Fonte)


Qualquer deslize de nossa parte, e nós, os criadores, poderemos ser eliminados pelas criaturas.

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.