Eles nos enganarão de novo? (Opinião sobre o desacobertamento dos OVNIs)

Tempo de leitura: 4 min.

Billy Cox que escreve para o um blog no Herald Tribune, dá sua opinião sobre o que anda ocorrendo a respeito do “provável” desacobertamento dos OVNIs:

Eles nos enganarão de novo? (Opinião sobre o desacobertamento dos OVNIs)
“Para fins beligerantes, o século XIV, assim como o XX, comandou uma tecnologia mais sofisticada do que a capacidade mental e moral que orientava seu uso” – Barbara Tuchman, A Distant Mirror / CREDITO: livescience.com

Um fino raio de luz apareceu em um artigo recente do New Yorker durante uma discussão com a historiadora médica aposentada da Johns Hopkins, Gianna Pomata. O tópico era pandemias, com foco na peste bubônica do século XIV que aniquilou incontáveis ​​milhões na Europa.

O remédio para a aflição, há 700 anos, era a medicina ‘escolástica’, na qual a análise empírica se limitava a culpar forças mais abstratas. O corpo docente da Universidade de Paris disse que a praga transmitida por pulgas e vermes foi desencadeada por “uma conjunção tripla de Saturno, Júpiter e Marte no quadragésimo grau de Aquário”.

A prolongada Peste Negra e a futilidade de mitigá-la com soluções contemporâneas produziram o que Pomata chamou de “um acelerador da renovação mental”, que não só arrancou a medicina da astrologia, mas também semeou uma revolução na astronomia, na exploração marítima e no florescimento artístico conhecido como Renascimento.

A busca por paralelos entre o renascimento de ideias que reinventaram o mundo sete séculos atrás e o que pode acontecer do outro lado da COVID-19 parece claramente distorcida e cruel. A doença, morte e corrupção incessantes preenchendo o vácuo da liderança americana [e mundial, diga-se de passagem – n3m3] transformaram nossas normas institucionais em vidro, e qualquer analogia histórica tenderia mais para Roma do que Florença. No entanto, algo familiar e radical está acontecendo. E está emanando de uma fome de empirismo.

O último sapato caiu na semana passada, quando um cientista planetário da NASA-Goddard se juntou a um astrobiólogo do Instituto de Ciência Espacial Blue Marble para impulsionar uma discussão que está germinando há quase três anos. Escrevendo para a Scientific American – aos 175 anos, o periódico mais antigo da ciência popular nos EUA – Ravi Kopparapu e Jacob Haqq-Misra fizeram lobby para uma investigação completa sobre OVNIs. Ao defender um caminho a seguir, eles se voltaram para o passado, como Pomata fez no New Yorker.

Pomata saudou o poeta italiano Petrarca em suas ruminações sobre a Renascença, porque foi Petrarca que familiarizou seus contemporâneos com a obra anterior de Cícero. Em meio a uma república em crise, o político/filósofo romano havia sido seu maior orador e Petrarca resgatou suas palavras da obscuridade. O trabalho de Cícero provou ser uma leitura obrigatória durante o Iluminismo, e um de seus livros foi parar na mesa de cabeceira ao lado da cama do presidente Washington. Disse Pomata das cartas de Cícero a figuras públicas da antiguidade: “Isto pode ser como se alguém hoje não gostasse do estado atual da América e quisesse conversar com Thomas Jefferson ou Martin Luther King”.

Aqui está um trecho, mas não muito – os colaboradores da Scientific American fizeram a mesma coisa. Eles apelaram ao legado de um ícone destemido e insatisfeito do século XX em sua tentativa de “trazer o fenômeno para a ciência convencional”. Kopparapu e Haqq-Misra criticaram a “inadequação dos métodos” empregados pela Universidade do Colorado para o infame acobertamento, que deu à Força Aérea dos Estados Unidos uma desculpa para encerrar seu projeto de OVNIs em 1969. E eles lançaram um novo chamado às armas invocando o trabalho de físico atmosférico James McDonald.

Eles nos enganarão de novo? (Opinião sobre o desacobertamento dos OVNIs)
Estou convencido de que as observações recorrentes de cidadãos confiáveis, aqui e no exterior, nos últimos 20 anos, não podem ser deixadas de lado como bobagens, mas precisam ser levadas muito a sério como evidência de que está acontecendo algum fenômeno que simplesmente não entendemos.” -James McDonald, depoimento no Congresso 1968 / CRÉDITO: youtube

Em um discurso que deveria ser obrigatório para os membros do Comitê de Inteligência do Senado encarregados de avaliar quaisquer dados que o Pentágono escolha compartilhar sobre OVNIs em dezembro, McDonald fez um discurso de 40 minutos contra a competência e a sinceridade da Força Aérea – USAF. Sua proposta de 1969, ‘Science in Default‘, é notável não apenas por seu comando meticuloso dos detalhes do caso, mas por sua intensa urgência sobre o abuso de recursos e lógica do estudo do Colorado. Seu apelo anterior por uma audiência cuidadosa no Comitê de Ciência e Astronáutica da Câmara se perdeu na violência épica de 1968.

Meio século de tempo perdido. E estaremos todos mergulhados em estupidez se deixarmos o destino de nossa investigação exclusivamente nas mãos dos comerciantes de cavalos no Capitólio. Relatórios arquivados no Pentágono podem ser úteis, mas Kopparapu e Haqq-Misra defendem pesquisas agressivas e em tempo real na esperança de discernir padrões de linha de base que possam ser preditivos.

A boa notícia: a coleta de dados já está em andamento, desde a inicialização do Sky Hub usando plataformas portáteis baseadas em IA até o sofisticado aplicativo móvel da To The Stars Academy chamado SCOUT (Signature Collection Of UAP Tracker). Você acha que a cultura da mídia não está evoluindo também? Considere estas vergonhosas bombas das últimas semanas:

Em junho, o diretor executivo da MUFON, Jan Harzan, foi preso por agentes por solicitar sexo a uma adolescente imaginária de 13 anos de idade. Em julho, o Washington Examiner delatou o guru do ‘Embaixador do Universo’, Steven Greer, por aparentemente encenar uma queda de sinalizadores mar a leste de Vero Beach em 2015; Greer convenceu seus embaixadores em treinamento de que eles estavam vendo OVNIs se tornarem OSNIs. Por último, mas não menos importante, também no mês passado: Trump atacou sua base novamente elogiando uma médica de Houston que nega usar máscaras e uma pastora conspiradora do Ministério do Poder de Fogo, a qual afirma que medicamentos sem nome estão sendo contaminados com DNA alienígena.

Não muito tempo atrás, a “classe de mensageiros” teria convertido esses eventos em piadas de e mais razões para a) criticar o fenômeno OVNI e b) insultar qualquer um crédulo o suficiente para seguir as evidências. Felizmente, as evidências da magnitude de O Grande Tabu estão se tornando tão persuasivas que essas apresentações secundárias estão sendo vistas pelo que realmente são – distrações sem relação com o arco de história maior.

A atualização de 23 de julho do New York Times sobre a Força-Tarefa Fenômeno Aéreo Não Identificado da Marinha, com aquelas citações de “veículos de fora do mundo não feitos nesta Terra” bombando, foi criticada e aplaudida pelo que fez e não disse. Correções? Sim, e daí, é uma história complicada, o Times a dominou, e ninguém é perfeito. Este é um jogo de polegadas, não jardas. E cada vez que o NYT publica, a bola vai um pouco mais longe no campo. As recompensas já são evidentes:

Longe agora estão os olhos revirados durante as atualizações desta nova fronteira, os trocadilhos simplistas. Não há mais razão para tocarem a trilha sonora da série Arquivos X. CNN, ABC, NBC, CBS, USA Today– a mídia legada, está finalmente começando a jogar direito. Entre isso e a série ‘Unidentified‘ do History Channel, que tem como alvo legisladores e veteranos militares, um processo está em andamento.

Os velhos costumes se apegam firmemente, e sempre haverá uma reação. “Os seres humanos são uma espécie mentirosa e auto-ilusória”, protesta o colunista do Wall Street Journal e membro do conselho editorial Holman Jenkins Jr. (que erroneamente declarou que os OVNIs evitam corredores civis de tráfego aéreo). “Estamos passando por um ataque particular de ambos agora.” Está correto. Mas Jenkins e outros de sua persuasão estão olhando pelo lado errado do telescópio.

A urna eleitoral pode ou não determinar a duração de nossa nova era das trevas. A ciência sozinha não abrirá caminho entre os destroços. Mas as exortações da Scientific American estão do lado certo da história. Talvez, com alguma sorte, seremos derrotados, mas lutando:

Nós entendemos até certo ponto a natureza das explosões de raios gama, supernovas e ondas gravitacionais. Como? Porque não descartamos os fenômenos ou as pessoas que os observaram.

Nós os estudamos.

(Fonte)


Talvez o assunto esteja mesmo sendo levado um pouco mais a sério, mas somente nos EUA, pelo que me consta. Precisamos de mais fatos e provas concretas para prosseguirmos…

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.