Existe “vyda” em Marte? Novo conceito amplia busca por organismos estranhos

Tempo de leitura: 2 min.
Existe "vyda" em Marte? Novo conceito amplia busca por organismos estranhos
Engenheiros e técnicos inserem 39 tubos de amostra na “barriga” do veículo espacial, no Kennedy Space Center, Flórida, maio de 2020. Foto: NASA / JPL-CALTECH / AFP / Getty Images

Quando o veículo espacial Perseverance decolou do Cabo Canaveral, na Flórida, como programado na quinta-feira, foi a primeira missão da NASA à superfície do planeta vermelho, com o objetivo principal de encontrar sinais de vidas passadas.

Para os astrobiólogos, essa busca por vida além da Terra isto pode ser comparado a um jogo de dardos. Atingir o alvo seria encontrar “a vida como a conhecemos”. Em outras palavras, vida baseada em uma biologia análoga à encontrada na Terra. Mas como qualquer jogador de dardos sabe, o alvo é muito pequeno, difícil de acertar e nem mesmo a maior área de pontuação do tabuleiro.

É por isso que novas pesquisas apoiadas pelo programa de astrobiologia da NASA desenvolveram uma definição nova e mais ampla de vida – uma definição que encapsula a vida na Terra, mas também a possibilidade de “vida não como a conhecemos” em outras partes do quadro. Eles chamam isso de lyfe (vyda).

Não existe uma definição de vida universalmente concordada. Mas a NASA tem uma boa descrição de trabalho: “um sistema químico auto-sustentável capaz da evolução darwiniana”.

Todos os organismos vivos na Terra absorvem, usam e alteram e depois liberam energia de uma forma menos útil como lixo. Todos usam os mesmos 20 aminoácidos para produzir proteínas. Todos usam moléculas de RNA e DNA para armazenar informações genéticas.

Pesando pouco mais de uma tonelada, o veículo espacial Perseverance pousará na cratera Jezero, uma área que acredita-se antes ter sido inundada com água e, portanto, um candidato promissor a sinais de vidas passadas.

Acompanhado por um helicóptero drone para explorar locais, o Perseverance identificará, coletará e armazenará amostras de rocha e solo. Essas amostras serão coletadas e devolvidas à Terra por uma missão futura. Os cientistas estarão procurando certas bioassinaturas que possam indicar evidências de vidas passadas. Se a vida como a conhecemos já existiu em Marte, há uma boa chance de que ela seja descoberta pelo Perseverance.

Mas a vida terrestre representa apenas um exemplo de biologia. Apesar da diversidade de vida em nosso planeta, parece que todo organismo vivo pode ser rastreado até um ancestral comum. Além da Terra, a vida pode ter emergido de maneira diferente e, como tal, nossa definição padrão de vida pode ser muito restritiva.

Isso levou Stuart Bartlett, cientista da complexidade da Caltech, e Michael L. Wong, astrobiólogo da Universidade de Washington, a desenvolverem um novo conceito hipotético: lyfe.

Em seu artigo recente, eles definem um organismo “vyvo” como satisfazendo quatro critérios: dissipação (a capacidade de aproveitar e converter fontes de energia livres); autocatálise (a capacidade de crescer ou expandir exponencialmente); homeostase (a capacidade de limitar a mudança internamente quando as coisas mudam externamente); e aprendizado (a capacidade de registrar, processar e executar ações com base em informações).

Com essa definição, a vida é apenas um exemplo específico de lyfe. E na opinião de Bartlett, há uma maior probabilidade de encontrar lyfe (vyda) em Marte do que a vida. Um evento casual na história marciana pode ter esculpido a vida de maneira diferente daquela na Terra.

Talvez os organismos marcianos usem uma estrutura molecular diferente. Talvez eles usem um conjunto menor de aminoácidos para proteínas. Talvez eles precisem apenas de um código genético em duplicado, em vez de um trigêmeo como a vida na Terra

As evidências para tal vida podem, no entanto, ser mais difíceis de encontrar, existindo nas profundezas da superfície e além do alcance do Perseverance.

Além de Marte, essa distinção entre lyfe e vida oferece uma perspectiva útil na exploração de nosso sistema solar. As luas Encélado e Europa, por exemplo, são as principais candidatas à vida. Mas é mais provável que Titã contenha lyfe.

Atingir o alvo, encontrar a vida como a conhecemos, pode ser difícil. Mas lyfe pode ser uma ocorrência muito mais comum, mas não menos significativa, na evolução do nosso universo.

(Fonte)


Eu aposto, se é que a NASA irá deixar a notícia ser revelada, que em Marte há vida, nem que seja microbiana, bem igual à vida aqui da Terra, e não vyda (lyfe), como esses cientistas teorizam.

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site.

Clique aqui para apoiar através do site Apoia.se, ou use o botão abaixo:


*Agora você também pode doar através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:

(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.