Acreditamos nos OVNIs? Essa é a pergunta errada

Tempo de leitura: 3 min.

O artigo abaixo foi escrito por Ralph Blumenthal and Leslie Kean, os mesmos repórteres que têm divulgado as notícias sobre o projeto do Pentágono para estudos de OVNIs no The New York Times…

Acreditamos nos OVNIs? Essa é a pergunta errada
Foto meramente ilustrativa.

Informar sobre o programa do Pentágono que está investigando objetos voadores não identificados não é uma crença. Trata-se de uma busca vigilante por fatos.

Fomos parte da equipe do New York Times (com a correspondente de Washington Helene Cooper) que contou a história da unidade secreta do Pentágono que investiga objetos voadores não identificados, o Programa Avançado de Identificação de Ameaças Aeroespaciais, em dezembro de 2017.

Desde então, relatamos os encontros imediatos dos pilotos da Marinha com os OVNIs e, na semana passada, sobre o atual programa renovado, a Força-Tarefa de Fenômeno Aéreo Não Identificado e seus briefings oficiais – em andamento há mais de uma década – para oficiais de inteligência, executivos aeroespaciais e equipe do Congresso sobre OVNIs acidentados e coleta de materiais recuperados.

Muitas vezes somos perguntados por colegas e leitores bem-intencionados: “Você acredita nos OVNIs?” A pergunta nos surpreende por ser inapropriadamente pessoal. Os repórteres do Times são particularmente avessos a revelar opiniões que poderiam implicar em possível viés de reportagem.

Mas, neste caso, não temos problemas em responder: “Não, não acreditamos em OVNIs”

A nosso ver, sua existência ou inexistência não é uma questão de crença.

Admiramos o que a grande antropóloga Margaret Mead disse quando perguntada há muito tempo se ela acreditava nos OVNIs. Ela chamou de “uma pergunta boba”, escrevendo no Redbook em 1974:

A crença tem a ver com questões de fé; não tem nada a ver com o tipo de conhecimento que se baseia na investigação científica. … As pessoas acreditam no Sol ou na Lua, nas mudanças de estação ou nas cadeiras em que estão sentadas? Quando queremos entender algo estranho, algo anteriormente desconhecido para qualquer pessoa, precisamos começar com um conjunto de perguntas completamente diferente. O que é isso? Como funciona?

É nisso que o Programa OVNI do Pentágono tem se concentrado, tornando-o eminentemente interessante. E para ser claro: OVNIs não significa alienígenas. Não identificado significa que não sabemos o que são, apenas que demonstram recursos que parecem não ser possíveis por meio da tecnologia atualmente disponível.

Em nossas reportagens, focamos em como o Departamento de Defesa, o Gabinete de Inteligência Naval e os membros de dois comitês do Senado estão envolvidos com esse tópico. As autoridades atuais agora estão preocupadas com a ameaça potencial representada por objetos tecnológicos avançados e muito reais: quão perto eles podem chegar de nossos caças, às vezes quase causando acidente, e o risco de que nossos adversários adquirirem a tecnologia demonstrada pelos objetos antes nós.

Então, se os OVNIs não são mais uma questão de crença, o que são e como eles fazem o que fazem?

E se a tecnologia foi recuperada de objetos abatidos, que melhor maneira de tentar entender como eles funcionam?

Nossos artigos anteriores foram relativamente fáceis de documentar com vídeos do Departamento de Defesa e de testemunhos de pilotos apoiados por relatórios da Marinha sobre encontros próximos com pequenos objetos em alta velocidade.

Mas nosso artigo mais recente forneceu um conjunto mais assustador de desafios, já que lidamos com a possível existência de materiais recuperados de OVNIs. Passar de dados de um objeto distante no céu para a posse de um objeto recuperado no solo dá um salto que muitos acham difícil de aceitar e que claramente exige evidências extraordinárias.

Inúmeros associados do programa do Pentágono, com autorizações de alta segurança e décadas de envolvimento com a investigação de OVNIs, disseram que estavam convencidos de que tais acidentes ocorreram, com base no acesso a informações classificadas. Mas os próprios materiais recuperados, e quaisquer dados sobre eles, estão completamente fora dos limites para qualquer pessoa sem autorização e necessidade de saber.

Nos foi fornecida uma série de slides não classificados, mostrando que o programa levou isso a sério o suficiente para incluí-lo em vários briefings. Um slide diz que uma das tarefas do programa era “providenciar acesso a dados/relatórios/materiais a partir de recuperações de acidentes de A.A.V.”, ou veículos aeroespaciais avançados.

Nossas fontes nos disseram que ‘A.A.V.’ não se refere a veículos fabricados em nenhum país – nem russo, nem chinês -, mas é usado para significar tecnologia no reino dos realmente inexplicáveis. Eles também garantem que seus briefings são baseados em fatos, não em crenças.

Ralph Blumenthal foi repórter do Times de 1964 a 2009. Leslie Kean escreveu um livro e artigos sobre OVNIs.

(Fonte)


Somente uma observação: Gostei muito do fato dos autores terem usado a sigla OVNI em seu artigo, e não UAP, que é o termo que os militares querem impor agora.

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.