Roswell Mexicano: O que aconteceu com o disco de prata?

Tempo de leitura: 4 min.

Em 25 de agosto de 1974, um objeto voador desconhecido registrado no radar viajava cerca de 4 mil quilômetros por hora. Ele estava em rota de colisão com uma pequena aeronave civil que decolou de El Paso, Texas, em direção à Cidade do México.

Roswell Mexicano: O que aconteceu com o disco de prata?

A pequena aeronave estava em perigo aparente e a catástrofe era inevitável, e essa colisão mortal estava prestes a acontecer nos arredores de Coyame, Chihuahua, México. Era uma tarde calma de verão, e as pessoas estavam lentamente voltando para casa.

Então, algo inesperado aconteceu …

Enquanto isso, às 22h07, a oitocentos quilômetros de distância, o Sistema de Defesa Aérea dos Estados Unidos registrou repentinamente um objeto desconhecido sobrevoando o Golfo do México em direção a Corpus Christi, Texas.

O objeto estava viajando a 2.200 nós (4.000 km/h) em um rumo de 325 graus e a uma altitude de 75.000 pés (22,8 mil metros). No início, presumiu-se que o objeto – rastreado por duas instalações militares diferentes de radar – era um meteoro.

No entanto, os operadores de radar perceberam rapidamente que o objeto que observavam na tela não podia ser um meteoro. Ele estava viajando e descendo em “degraus”, ao contrário de um meteoro que viaja a velocidades mais altas e desce em um arco suave, não em degraus nivelados.

Os Sistemas de Defesa Aérea Americana foram alertados, mas não havia tempo para os militares despacharem caças para interceptarem o OVNI.

De repente, o objeto voador desconhecido virou à esquerda, desacelerou para cerca de 1.700 nós (3.150 km/h) e virou para uma posição de 290 graus. Começou uma descida lenta ao entrar no espaço aéreo mexicano a aproximadamente 65 quilômetros ao sul de Brownsville, Texas.

O radar rastreou o OVNI por aproximadamente 800 quilômetros até um ponto próximo à pequena cidade deserta de Coyame, no estado de Chihuahua, não muito longe da fronteira com os EUA, mas o objeto desapareceu repentinamente das telas do radar.

Acreditava-se que tanto o avião civil quanto a sonda haviam colidido, o que foi confirmado cerca de uma hora depois quando uma estação de rádio civil anunciou que uma aeronave havia caído nas proximidades de Coyame.

No início da manhã seguinte, uma equipe de recuperação mexicana iniciou uma missão de resgate, procurando pela aeronave que desapareceu no deserto. Por volta das 10h35, as equipes de recuperação mexicanas avistaram os destroços do ar. Ao mesmo tempo, as autoridades mexicanas anunciaram outro local do acidente a poucos quilômetros de distância. O silêncio de rádio na busca foi oficialmente ordenado. Todas as atividades e contatos de rádio entre a equipe de recuperação mexicana e sua sede cessaram.

As autoridades dos EUA ofereceram assistência para ajudar a limpar e recuperar. A oferta foi recusada.

Segundo os pesquisadores Ruben Uriarte e Noe Torres, autor do livro “Roswell do México”, apesar da recusa, Fort Bliss, no lado americano da fronteira, perto de El Paso, estava formando uma equipe de recuperação e continuava monitorando os esforços de recuperação mexicanos através de vigilância aérea.

Do outro lado da fronteira, a inteligência dos EUA acompanhou os eventos. Os americanos conseguiram interceptar um relatório militar mexicano e descobriram que os destroços do avião desaparecido haviam sido vistos do ar, nos arredores de Coyame.

Pouco tempo depois, os EUA receberam outro relatório de uma segunda nave no solo, a alguns quilômetros da primeira. Mas não era uma aeronave convencional de nenhum tipo conhecido. Era um objeto prateado, em forma de disco, com cerca de cinco metros de diâmetro. A espessura era um pouco menor que um metro e meio. Sua superfície tinha a aparência de aço polido. A nave não tinha janelas, portas, marcações e não havia corpos dentro da nave. A nave espacial estava danificada em dois pontos. O dano foi provavelmente causado pela colisão com a aeronave civil.

No entanto, como Ruben Uriarte, co-autor do ‘Roswell do México‘, disse:

O que eu achei fascinante foi que o acidente pode ter sido causado por ambas as naves colidindo em uma altitude mais baixa devido à sua visão ser bloqueada por um pico alto, colinas ou montanhas.

Em outras palavras, as duas naves se encontraram em um cruzamento da montanha. Se o avião estivesse voando para o sul e a nave para oeste, o piloto não poderia ter visto nada à sua esquerda até que ele passasse a montanha, colidindo com a nave à sua frente. Além disso, a escuridão da noite foi outro fator-chave …

A equipe de recuperação americana incluiu quatro helicópteros, três pequenos UHl Hueys e um grande Sea Stallion. Quando os mexicanos colocaram o OVNI em um caminhão, a vigilância dos EUA monitorou todo o evento. O comboio mexicano, com o disco danificado, estava agora se afastando lentamente do local do acidente.

O que realmente aconteceu neste momento é desconhecido.

Os americanos estudaram fotografias de satélite que revelaram que algo deve ter dado errado durante a recuperação. As fotografias tiradas durante sobrevoos de alta altitude mostraram que o comboio mexicano havia parado e os militares dos EUA podiam ver vários cadáveres. Todo o pessoal do comboio estava morto, a maioria dentro dos caminhões.

Vestidos em trajes de proteção, soldados americanos se aproximaram do comboio silencioso. O OVNI ainda estava no caminhão. A equipe de recuperação reconfigurou as correias que seguravam o objeto no caminhão e as conectou a um cabo de carga do Sea Stallion que transportou a espaçonave através das fronteiras para o território dos EUA.

O que aconteceu depois é inquietante. A força de elite americana reuniu os destroços, os corpos da equipe de recuperação mexicana, as embarcações civis e depois destruíram tudo com altos explosivos. Não havia mais nenhuma evidência visível do que havia acontecido neste local em 25 de agosto de 1974.

Somos confrontados com muitas questões em aberto. O que matou a equipe de recuperação mexicana? Onde estava a tripulação do OVNI? Para onde foi transportado o OVNI acidentado?

Muitos ufólogos que estudaram esse caso, que ficou conhecido como o OVNI de Chihuahua, tendem a acreditar que os mexicanos foram mortos por algum tipo de agente biológico extraterrestre. Se o pessoal mexicano não usasse roupas de proteção adequadas, correria o risco de ser exposto a algum agente letal desconhecido de algum tipo.

Não foram encontrados corpos dentro do disco acidentado. Isso indica que a sonda provavelmente não era tripulada. Talvez tenha sido uma sonda alienígena em uma missão de reconhecimento, examinando e coletando dados do nosso planeta.

O que aconteceu com o disco acidentado é desconhecido. Alguns sugerem que os detritos foram levados para a Base AF Wright-Patterson ou para Ft. Bliss. Esses são apenas dois locais possíveis. O verdadeiro paradeiro do disco que caiu em 25 de agosto de 1974, perto de Coyame, Chihuahua, México, é desconhecido.

As pessoas que moram perto de Coyame afirmam que o acidente com o OVNI é um evento real. Este caso permanece sem solução, mas há uma pequena história de jornal do ‘El Heraldo de Chihuahua‘, datada de 27 de outubro de 1974, que menciona um grupo de soldados mexicanos que morreram durante o transporte.

(Fonte)


Talvez nunca saberemos sobre o paradeiro deste objeto misterioso que invadiu o espaço aéreo mexicano. Mas sempre é bom revisitar a história para nos embasarmos no que poderá acontecer no futuro.

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.