Astrônomos descobrem gêmeos da Terra e do Sol

Entre os mais de 4.000 exoplanetas conhecidos, o KOI-456.04 é algo especial: menos do dobro do tamanho da Terra, orbita uma estrela parecida com o Sol. E o faz com uma distância estrela-planeta que poderia permitir temperaturas superficiais planetárias favoráveis ​​à vida.

Astrônomos descobrem gêmeos da Terra e do Sol
A Terra e o Sol comparados com o planeta KOI-456.04 e sua estrela Kepler-160. Ambos planetas estão localizados na zona habitável de suas estrelas. © MPS/René Heller

O objeto foi descoberto por uma equipe liderada pelo Instituto Max Planck de Pesquisa de Sistemas Solares em Göttingen, na Alemanha. Sua estrela hospedeira, chamada Kepler-160, na verdade emite luz visível; as estrelas centrais de quase todos os outros exoplanetas, por outro lado, emitem radiação infravermelha, são menores e mais fracas que o Sol e, portanto, pertencem à classe das estrelas anãs vermelhas.

Telescópios espaciais como CoRoT, Kepler e TESS permitiram aos cientistas a descoberta de cerca de 4000 planetas extra-solares (planetas em torno de estrelas distantes) nos últimos 14 anos. A maioria desses planetas é do tamanho do planeta gigante de gás Netuno, cerca de quatro vezes o tamanho da Terra, e em órbitas relativamente próximas ao redor de suas respectivas estrelas hospedeiras. Mas os cientistas também descobriram alguns exoplanetas tão pequenos quanto a Terra que poderiam ser rochosos. E um punhado desses pequenos planetas também estão à distância certa da estrela hospedeira para potencialmente ter temperaturas superficiais moderadas para a presença de água superficial líquida – o ingrediente essencial para a vida na Terra.

O cientista do MPS e principal autor do novo estudo, Dr. René Heller, explica:

O quadro completo da habitabilidade, no entanto, envolve também uma análise das qualidades da estrela.

Até agora, quase todos os exoplanetas com menos do dobro do tamanho da Terra e com potencial para temperaturas da superfície clemente estão em órbita em torno de uma anã vermelha.

Estrelas anãs vermelhas são conhecidas por suas vidas extremamente longas. A vida em um exoplaneta em órbita ao redor de uma velha estrela anã vermelha poderia ter tido o dobro do tempo que a vida na Terra para se formar e evoluir. Mas a radiação de uma estrela anã vermelha é principalmente infravermelha, em vez de luz visível como a conhecemos. Muitas anãs vermelhas também são notórias por emitir explosões de alta energia e por fritar seus planetas, que mais tarde se tornariam habitáveis. Além disso, suas intensidades exigem que qualquer planeta habitável esteja tão próximo da estrela que a gravidade estelar comece a deformar substancialmente o planeta. O aquecimento das marés resultante no planeta pode provocar um vulcanismo global fatal. Tudo combinado, a habitabilidade dos planetas em torno de estrelas anãs vermelhas é muito debatida na comunidade científica.

Em seu novo artigo de pesquisa, a equipe de cientistas do MPS, do Observatório Sonneberg, da Universidade de Göttingen, da Universidade da Califórnia em Santa Cruz e da NASA agora relata a descoberta de um candidato a planeta com menos do dobro do tamanho da Terra e com iluminação moderada de uma estrela parecida com o Sol. Ele está a uma distância de pouco mais de 3000 anos-luz do nosso sistema solar, a estrela Kepler-160, localizada no campo de visão da missão principal do telescópio Kepler e foi observada continuamente de 2009 a 2013. Seu raio de 1,1 raio solar, sua temperatura superficial de 5200 graus Celsius (300 graus a menos que o Sol), e sua luminosidade estelar muito parecida com o Sol fazem dela um retrato astrofísico de nossa própria estrela-mãe.

Sabe-se há cerca de seis anos que o Kepler-160 é uma estrela hospedeira de dois exoplanetas, chamados Kepler-160b e Kepler-160c. Ambos os planetas são substancialmente maiores que a Terra e em órbitas relativamente próximas à sua estrela. Suas temperaturas superficiais certamente os tornariam mais quentes que um forno e certamente menos hospitaleiro para a vida como a conhecemos. Mas pequenas variações no período orbital do planeta Kepler-160c deram aos cientistas a assinatura de um terceiro planeta que ainda não havia sido confirmado.

A equipe de cientistas alemães e norte-americanos agora retornou aos dados do telescópio Kepler da estrela Kepler-160 para procurar planetas adicionais ao redor daquela estrela e verificar a origem planetária do membro da órbita do Kepler-160c. Heller e seus colegas haviam conseguido encontrar um total de 18 exoplanetas em dados antigos do Kepler…

(Fonte)


E como a Terra deve haver bilhões de outros planetas que abrigam a vida como a conhecemos pelo Universo.

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.