O vulcão Chalupas tem o potencial de varrer o Equador dos mapas

Tempo de leitura: 4 min.

Como se trata de um assunto que afeta diretamente o futuro da humanidade, já comentamos aqui no OH várias vezes sobre o supervulcão Yellowstone que poderá causar uma catástrofe mundial se entrar em erupção. Mas ele não é o único supervulcão que pode fazer isso. Veja:

O vulcão Chalupas tem o potencial de varrer o Equador dos mapas
O Chalupas está localizado entre as províncias de Napo e Cotopaxi, aproximadamente 80 km a sudeste de Quito e 35 km a nordeste da cidade de Latacunga, na crista da Cordilheira Real dos Andes equatorianos e seu nome vem do rio Chalupas, que flui na parte sul do vulcão

Você sabia que existe um supervulcão no Equador?

E os cientistas são frequentemente questionados se o vulcão Chalupas, localizado a sudeste de Cotopaxi, entrará em erupção de uma maneira que poderia varrer o Equador do mapa.

O vulcão Chalupas tem o potencial de varrer o Equador dos mapas
(a) Localização de Chalupas (quadrado em vermelho no mapa menor) no contexto geodinâmico do Equador (b) Mapa de localização da caldeira de Chalupas.

Que tipo de vulcão é o Chalupas?

El Chalupas é um vulcão antigo. Hoje, seus restos são encontrados apenas à beira de uma grande depressão chamada caldeira.

As evidências geológicas sugerem que, antes da formação da caldeira, havia um acúmulo de centros eruptivos muito próximos que devem ter entrado em erupção simultaneamente para gerar o colapso (Córdova, 2018).

O vulcão Chalupas tem o potencial de varrer o Equador dos mapas
Diagrama aproximado da borda topográfica da caldeira Chalupas (Córdova, 2018).

A estrutura mais notável desse vulcão é a caldeira, que corresponde a uma depressão elíptica com aproximadamente 17 km de diâmetro e que foi descoberta em 1979 pelo geólogo espanhol José Manuel Navarro (INECEL, 1983).

No centro da caldeira, sobe o vulcão Quilindaña (4878 m).

Como e quando a caldeira de Chalupas se formou?

A caldeira de Chalupas foi formada durante uma erupção explosiva gigantesca, durante a qual um grande volume de magma com mais de 70% de sílica foi ejetado.

Depois de evacuar tanto magma em tão pouco tempo, o teto do reservatório magmático desabou deixando uma depressão na superfície.

A erupção de Chalupas ocorreu há aproximadamente 216.000 anos (Bablon et al., 2020).

O vulcão Chalupas tem o potencial de varrer o Equador dos mapas
Depósitos de ignimbrito com mais de 60 metros de altura do Chalupas ignimbrite. Foto: Patricia Mothes, IG-EPN.

Quão grande foi a erupção?

A erupção foi muito grande e deixou dois depósitos. O mais fácil de reconhecer é um depósito de fluxo piroclástico (nuvem quente de gás, cinza e pedra-pomes que desce do vulcão) perto da caldeira e no vale interandino. Ele pode ser encontrada desde Riobamba, no sul, até Tumbaco, no norte, e atinge espessuras de até 200 m perto de Latacunga.

Esse tipo de depósito, devido às suas características e fformação, é chamado de ignimbrito. Segundo o estudo recente de Bablon e co-autores (2020), o ignimbrito de Chalupas cobre uma superfície aproximada de 3150 km² e tem uma espessura média de 25-35 m, o que permite estimar seu volume entre 80-110 km³.

O outro depósito desta erupção é uma camada de cinzas encontrada na costa equatoriana e entre sedimentos no fundo do mar. Esse depósito está associado a uma enorme nuvem de cinzas formada a partir do ignimbrito e é classificado como um co-ignimbrito.

O co-ignimbrito cobre uma área muito maior que o ignimbrito, mas com uma espessura muito menor. O isométrico de 1 cm, ou seja, a área com mais de 1 cm de espessura, cobre 1,6 milhão de km², equivalente a 6 vezes a superfície do Equador. De acordo com Bablon et al. (2020), o co-ignimbrite tem um volume aproximado de 120-155 km³.

O vulcão Chalupas tem o potencial de varrer o Equador dos mapas
Mapa dos isópacos do depósito de co-ignimbrito de Chalupas e pontos de observação nos núcleos de perfuração no fundo do oceano e (B) reconstrução do depósito de ignimbrito de Chalupas no vale interandino (Bablon et al., 2020).

Erupção Super Colossal VEI7

O volume total dos depósitos da erupção de Chalupas é estimado entre 200 e 265 km³, o que representa um cubo de mais de 6 km de cada lado.

Devido ao seu volume de depósitos, isto é classificado com um índice de explosão vulcânica (VEI) de 7. Em comparação, a erupção do Reventador em 2002, a maior do Equador no século passado, teve um VEI de 4 com um volume quase 700 vezes mais baixo.

Com um VEI de 7, a erupção de Chalupas é considerada ultrapliniana ou super-colossal.

Esse tipo de erupção raramente ocorre em escala mundial, a cada 500 a 1000 anos; e o último foi a erupção do vulcão Tambora em 1815.

O vulcão Chalupas está ativo?

Chalupas é o nome do antigo vulcão que entrou em colapso após uma grande erupção 216.000 anos atrás.

O novo vulcão que se formou na caldeira de Chalupas é o Quilindaña, um estratovulcão com atividade principalmente efusiva (com fluxos de lava e cúpulas).

A última erupção do Quilindaña ocorreu antes da última era glacial, ou seja, mais de 11.700 anos

A última erupção do Quilindaña ocorreu antes da última era glacial, ou seja, há mais de 11.700 anos atrás, e atualmente não apresenta atividade sísmica ou deformação. Por esses motivos, é considerado extinto ou em repouso.

Mapa dos vulcões no Equador

É possível uma nova erupção super-colossal de Chalupas?

Vulcões que produzem repetidas erupções super ou mega-colossais são algumas vezes referidos como super ou mega-vulcões.

O Yellowstone é um exemplo conhecido com três erupções super a mega-colossais nos últimos 2.100.000 anos.

A última erupção de Chalupas foi a única super-colossal do vulcão e provavelmente a única desse tamanho no Equador em todo o Quaternário – ou nos últimos 2.600.000 anos.

Chalupas não é como Yellowstone e pode nunca mais causar uma erupção super-colossal. E, como o Yellowstone, se Chalupas acordasse, provavelmente seria uma erupção efusiva do vulcão Quilindaña e, portanto, não teria um grande impacto em escala regional.

(Fonte)


E já que estamos falando de super vulcões, veja o que está ocorrendo no Yellowtone ultimamente, como mostrado na reportagem a seguir do dia 29 de maio passado:

Quase uma dúzia de terremotos abalaram a área perto do Parque Nacional de Yellowstone nas últimas 24 horas, de acordo com o US Geological Survey. Onze terremotos foram registrados perto de West Yellowstone, Montana, em 24 horas, e 34 terremotos atingiram a mesma área nos últimos 30 dias, segundo o Earthquake Track.

Na manhã de sexta-feira, um terremoto de magnitude 3,1 sacudiu a área, informou o Earthquake Track. Os outros terremotos variaram entre 2,5 e 1,6 magnitudes. Os terremotos foram cerca de 3 quilômetros de profundidade, de acordo com o USGS. Eles estavam localizados a cerca de 24 km de West Yellowstone, no Parque Nacional de Yellowstone, informou o MTN News.

“Aproximadamente 700 a 3.000 terremotos ocorrem a cada ano na área de Yellowstone. A maioria não é sentida.

Terremotos em Yellowstone geralmente acontecem em grupos. Esse fenômeno está relacionado ao transporte de fluidos vulcânicos ao longo de muitas pequenas fraturas nas rochas rasas sobre o magma, um padrão que foi observado em vulcões ao redor do mundo.

(Fonte)


Muito longe de uma situação catastrófica. De qualquer forma, acontecimentos de grande impacto para a raça humana nunca acontecem com dia e hora marcados. Eles sempre nos pegam de surpresa.

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.