Astrônomos descobrem uma galáxia distante que não deveria existir

Os astrônomos descobriram uma galáxia em forma de disco rotativo distante, que é incrivelmente única e nem deveria existir.

Foto meramente ilustrativa de uma galáxia.

Localizada a cerca de 12,3 bilhões de anos-luz da Terra, a DLA0817g (ou o Disco Wolfe) parecia ser uma galáxia em forma de disco normal que gira a uma velocidade de aproximadamente 273 km/s. Ela mede aproximadamente 100.000 anos-luz de diâmetro e cerca de 70 a 80 bilhões de sóis podem caber nela.

No entanto, estudos determinaram que ela foi formada vários bilhões de anos antes do que se acreditava anteriormente – ao mesmo tempo em que outras galáxias como a nossa Via Láctea estavam passando por violentas fusões.

Há muito se pensava que as galáxias tomaram sua forma ao longo de bilhões de anos, mas o Disco Wolfe contradiz essa teoria. Muitas das galáxias do universo têm uma forma de disco em rotação rápida que só se formaram cerca de seis bilhões de anos após o Big Bang. No entanto, a forma do Disco Wolfe se formou apenas 1,5 bilhão de anos após o Big Bang – 4,5 bilhões de anos antes do que se pensava ser possível.

Marcel Neeleman, que é o principal autor do estudo (que pode ser lido aqui – em inglês), explicou isso ainda mais:

A maioria das galáxias que encontramos no início do universo parecem destroços de trem porque foram submetidas a uma fusão consistente e muitas vezes ‘violenta. Essas fusões a quente dificultam a formação de discos rotativos a frio bem ordenados, como observamos em nosso universo atual.

O co-autor J. Xavier Prochaska comentou:

Acreditamos que o Disco Wolfe cresceu principalmente através do acúmulo constante de gás frio.

Ainda assim, uma das questões que resta é como montar uma massa de gás tão grande. Mantendo um disco rotativo relativamente estável.

Os pesquisadores descobriram o Disco Wolfe pela primeira vez em 2017, quando estudavam um quasar, e notaram que parte de sua luz estava sendo absorvida quando viajava através de um envelope de gás hidrogênio na galáxia. Nesse ponto, eles usaram o observatório de rádio ALMA (Atacama Large Millimeter/submillimeter Array) para determinar a velocidade com que o disco da galáxia estava girando.

Neeleman explicou:

O fato de termos encontrado o Disco Wolfe usando esse método nos diz que ele pertence à população normal de galáxias presentes nos primeiros tempos. Quando nossas mais recentes observações com o ALMA mostraram surpreendentemente que ela está girando, percebemos que as galáxias em disco rotativo inicial não são tão raras quanto pensávamos e que deve haver muitas mais por aí.

Além disso, eles usaram o Karl G. Jansky Very Large Array (VLA) da National Science Foundation e o Telescópio Espacial Hubble da NASA/ESA para estudar a galáxia e descobriram que, há 12,3 bilhões de anos, as estrelas estavam sendo formadas a uma taxa excepcional – mais de dez vezes superior à nossa própria galáxia Via Láctea. Essa descoberta excepcional sugere que o Disco Wolfe era “uma das galáxias de disco mais produtivas do universo primitivo”.

(Fonte)


n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.