Onde estão os dados de radar dos vídeos de OVNIs da Marinha dos EUA?

Tempo de leitura: 3 min.

A coluna De Void, de Billy Cox, publicada no site do jornal heraldtribune.com, levantou uma questão muito importante a respeito da recém liberação oficial de vídeos de OVNIs da Marinha.

Onde estão os dados de radar dos vídeos de OVNIs da Marinha dos EUA?
Alguém está tentando mexer o pote aqui? Ou esse é apenas outro evento aleatório que nos isca para criar uma gravadora? / CREDIT: navytimes.com

A curiosa jogada do Departamento de Defesa em postar três vídeos de OVNIs agora famosos, os quais já haviam sido confirmados como autênticos pela Marinha sete meses atrás, obviamente levanta todos os tipos de perguntas. Um pedido de ajuda, talvez? Isso sinaliza confusão ou cisma entre os principais executivos sobre a necessidade de uma política mais proativa? Talvez tenha sido um impulso arbitrário de algum nerd de baixo nível cansado de coronavírus monopolizando todas as manchetes?

Provavelmente nunca saberemos, mas o pesquisador Robert Powell, que estava no rastro do incidente do OVNI Tic Tac muito antes de ter um nome, tem um conjunto adicional de perguntas. E estas são para os figurões de notícias corporativas – BBC, CNN, Forbes, NY Times, etc. – que publicaram o comunicado de imprensa que não era notícia assim como cães correm atrás de uma bolinha.

Powell diz de sua casa em Austin, no Texas:

As grandes agências pelo menos conversam com eles por telefone, certo? Então, o que me mata é que a mídia deveria estar perguntando: OK, se você tem esses vídeos, e está admitindo que os manteve durante todos esses anos, e está admitindo que são desconhecidos, e você não conseguiu descobrir o que são, bem, onde estão os dados do radar? Porque isso lhe dirá com que rapidez essas coisas estão acontecendo e se há ou não alguma possibilidade de serem criadas pelo homem. Onde estão os dados do radar?

Acesso não significa nada squander se você desperdiçar a oportunidade. Na semana passada, a Reuters deu a Trump algum espaço para reclamar sobre como a China quer que ele perca a eleição. No final da entrevista, a agência de notícias conseguiu fazer uma pergunta sobre a decisão do Pentágono de postar as imagens de OVNIs do F-18. Normalmente, o que Trump disse – “Eu me pergunto se é real. É um vídeo incrível”- não fazia sentido. Eles o fizeram dizer algo.

A Reuters deveria ter ido mais fundo; todos deveriam ir mais fundo. Antes da To To Stars Academy se formar em 2017 e ajudar a estimular a liberação de dois desses vídeos da Marinha no New York Times, Powell estava tentando colocar as mãos nos dados de radar e na comunicação do encontro naval de 2004. Ele perguntou a todos: À Frota do Pacífico dos EUA, ao Escritório de Inteligência Naval, ao Chefe de Operações Naval, ao Escritório de Pesquisa Naval, ao Corpo de Fuzileiros Navais, ao Centro de Guerra Aérea Naval, ao Comando de Sistemas Marítimos Naval, ao Comando de Engenharia de Instalações Naval, ao História Naval e ao Comando do Patrimônio.

Quando tudo foi dito e feito, em 2016, nenhuma dessas fontes apresentou dados de radar. Mas os vídeos eram evidentemente importantes o suficiente para os militares manterem. Esquisito. Mas, evidentemente, não é estranho o suficiente para a mídia solicitar o conjunto completo de registros ou exigir saber porque eles não estão disponíveis.

A propósito, Powell – que publicou uma análise de 270 páginas do Incidente Tic Tac com colegas pesquisadores da Scientific Coalition for UAP Studies (Coalizão Científica para Estudos de OVNIs) – estará hospedando o primeiro podcast da SCU, o qual parece interessante.

É uma história incrível sobre a suposta explosão de um OVNI em 1957 sobre as águas rasas do município costeiro brasileiro, Ubatuba. História longa, mas o ponto principal é que alguns dos supostos fragmentos sobreviveram e acabaram nos EUA. Em 2017-18, Powell colocou as mãos no material e analisou sua composição. Na quarta-feira ele discutiu os resultados em um podcast ao vivo disponível abaixo:

[Para informações de como ativar a legenda em português do(s) vídeo(s) abaixo, embora ela não seja precisa e possa não funcionar em dispositivos móveis, clique aqui.
(Macete: algumas legendas são melhores acompanhadas lendo-se somente a última linha)]

Ubatuba é apenas um dos vários projetos que a SCU vem trabalhando ultimamente. E também vale a pena notar que, em 2015, dois anos antes dos vídeos da Marinha, a SCU divulgou sua análise de surpreendentes imagens de OVNIs do governo, adquiridas em 2013 pela Alfândega e Proteção de Fronteiras dos EUA (Customs and Border Protection – CBP).

Conhecido como o vídeo de Aguadilla, a sequência noturna gravada com imagens térmicas não contém conversas de comunicação como os vídeos da Marinha, e nenhuma testemunha ocular se adiantou para explicar no registro o que viu, como alguns pilotos da Marinha fizeram com seus próprios encontros.

Por outro lado, ao contrário das imagens do F-18, Aguadilla mostra o objeto interagindo com seu ambiente, cortando a água e se dividindo em dois à medida que surge. Também diferente das imagens da Marinha, Powell conseguiu obter registros de radar da FAA.

Powell disse:

Além disso, ele também tem muito mais objetos de segundo plano que você pode fazer referência.

Portanto, é um vídeo valioso. Mas foi encaminhado à SCU depois que ficou óbvio para pelo menos um membro da tripulação ainda anônimo que, infelizmente, ninguém na cadeia de comando estava interessado. Não estou interessado em um bicho-papão sem um transponder voando tão perto do aeroporto local que resultou no atraso de outro voo. Entendi. No entanto, a CBP argumentou que a filmagem original era sensível demais para ser divulgada ao público e esmagou a FOIA (Pedido através da Lei de Liberdade de Informação) de De Void com uma negação em 2016.

Assim, dado o glasnost recém-descoberto do Pentágono, ou pelo menos superficial, sobre O Grande Tabu, e o reconhecimento implícito dos vídeos de que temos buracos no nosso perímetro de segurança no andar de cima, De Void apelou ao CBP para reconsiderar sua decisão de suspender Aguadilla. Quem sabe?

Talvez haja mais de um elemento de contágio no ar hoje em dia.

(Fonte)


Realmente, os repórteres falharam de forma crítica quando não perguntaram sobre os registros de radares a respeito dos vídeos confirmados pelo Pentágono. Será que ainda é tempo, ou a grande mídia só quer jogar o jogo que lhes é permitido jogar?

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.