Alienígenas em Júpiter: sob a crosta de gelo da lua Europa é possível encontrar formas de vida mais elevadas

Tempo de leitura: 3 min.

O ano de 1995 trouxe uma notícia incrível para a ciência da Terra – a lua Europa, um dos 61 satélites do maior planeta do nosso sistema solar, Júpiter, estava coberto por uma espessa camada de gelo, gelo de água comum! E onde há água, pode haver vida…

Alienígenas em Júpiter: sob a crosta de gelo da lua Europa é possível encontrar formas de vida mais elevadas
Ilustração de possível vida gigante sobre a crosta de gelo da lua Europa, de Júpiter.

Ao mesmo tempo, a superfície externa da lua Europa lembra visivelmente a Antártica – blocos de gelo, se separam e depois congelam novamente. A espessura da cobertura de gelo da lua Europa é estimada em dezenas de quilômetros – de 10 a 150, e abaixo dela … um oceano quente, porque, caso contrário, é impossível explicar a aparência de uma estrutura de gelo: rachaduras, redes, campos de gelo incrivelmente grandes.

E, é claro, se houver uma chance do oceano fluir sob o gelo, então a vida é possível nele.

A NASA anunciou recentemente que está preparando uma nova missão para Júpiter, com a lua Europa focada nela. O início da missão estava agendado para aproximadamente 2025.

Mas agora os cientistas estão tentando prever exatamente quais formas de vida encontrarão nesse imenso oceano quente – há duas vezes mais água na lua Europa do que em nosso planeta, e a profundidade do oceano é estimada em centenas de quilômetros.

A primeira suposição é que a vida alienígena pode ser representada por bactérias e micro-organismos. Mas como elas chegaram lá?

Se alguém adere a uma das teorias da propagação da vida, a teoria da panspermia, a vida no Universo ‘viaja’ em cometas ou asteroides. Mas qual é a probabilidade de que um asteroide ‘habitável’ traga vida? Digamos imediatamente que é muito, muito pequena – 0,00007%. Ou seja, muito provavelmente, a vida que se desenvolverá na lua Europa nascerá lá. Ou já nasceu.

Agora, voltando à questão de como essa forma de vida pode ser? Para Marte, é provável a existência de bactérias que se escondem sob a superfície. Mas a lua Europa ou seu vizinho, Enceladus, poderão se orgulhar de terem microorganismos ou estruturas ainda mais complexas, não apenas baseadas em carbono, mas também baseadas em silício, por exemplo. E completamente diferentes – pois elas teriam se desenvolvido em condições completamente diferentes e em tempos completamente diferentes.

Se aceitarmos que a vida em nosso planeta surgiu há cerca de 4 bilhões de anos e o primeiro bilhão eram formas microscópicas, então, por analogia, a vida na lua Europa também poderia aparecer bilhões de anos atrás. As formas microscópicas já teriam se desenvolvido com sucesso, e agora podem existir em pé de igualdade com organismos multicelulares e até gigantes (a gravidade na lua Europa é de cerca de 1% da Terra, então a probabilidade de desenvolver grandes formas de vida é bastante alta).

Existem pesquisadores que vão muito além de suas suposições – a vida já poderia ter passado pelo caminho evolutivo para organismos aquáticos inteligentes, algo parecido com os polvos. Até agora, essa suposição está mais na consciência dos escritores de ficção científica. No entanto, descontá-la ainda não vale a pena.

Agora, falando de civilizações extraterrestres, a propósito, os cientistas ainda costumam falar sobre a vida nos planetas mais próximos do nosso sistema do que mesmo civilizações altamente desenvolvidas em exoplanetas semelhantes à Terra. E o ponto aqui não é que até agora não há evidências da existência de vida em tais planetas, mas sim que ainda não conseguimos alcançá-las. Mas para os nossos vizinhos no sistema solar, poderemos no futuro próximo.

Então, como a humanidade conhecerá essas formas de vida? Atualmente, a NASA está desenvolvendo um projeto com o codinome Europa Multiple-Flyby Mission. Será uma estação automática interplanetária que consiste em uma sonda de descida e uma nave orbital de base. Essa nave deve garantir a operacionalidade da sonda por pelo menos 100 dias. A duração total da missão na lua Europa é de 3,5 anos. Durante esse período, a sonda deve voar pelo menos 45 vezes, em diferentes altitudes – de 2700 a 25 km, ao redor da lua Europa.

A missão terá que verificar a presença daquele oceano muito quente sob as superfícies de gelo, determinar a composição do oceano e identificar os possíveis locais de pouso para os veículos de descida das seguintes missões.

O principal é que durante esses estudos nos oceanos da Europa, seus habitantes não aparecerão nos resultados da pesquisa.

(Fonte)


Quem viver, verá.

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.