O cientista russo que encontrou arquivos OVNI na biblioteca do Vaticano

Tempo de leitura: 5 min.

Há algumas pessoas na história que parecem atrair eventos misteriosos. Nossa história aqui gira em torno de um cientista russo chamado Genrikh Mavrikiyevich Ludvig, que supostamente também era arquiteto, filósofo e estudioso de línguas antigas.

O cientista russo que encontrou arquivos OVNI na biblioteca do Vaticano

Aparentemente, ele também estava muito em desacordo com o regime de Stalin, que o colocou em apuros em mais de uma ocasião, e também era conhecido por seu amplo conhecimento do oculto e por seu considerável conhecimento esotérico. Ele tinha um vasto conhecimento das antigas civilizações suméria e etrusca, e também de ervas medicinais.

Durante a Segunda Guerra Mundial, ele foi supostamente um projetista de tecnologia militar e também um pioneiro inestimável de planos arquitetônicos para bases militares em ambientes pantanosos. No entanto, um capítulo muito curioso da vida desse homem misterioso foi o momento em que ele teria acesso aos arquivos secretos do Vaticano e supostamente encontrou todo tipo de evidência a respeito de alienígenas na antiguidade.

Talvez seja primeiro importante entender exatamente o que realmente são os arquivos secretos do Vaticano. Composto por aproximadamente 85 quilômetros de corredores labirínticos de estantes, abrigando incontáveis ​​fileiras de textos, livros e pergaminhos, variando dos mais modernos aos mais frágeis, manuscritos desgastados pelo tempo, que remontam a 12 séculos nas sombras do tempo, os Arquivos do Vaticano, oficialmente conhecidos como o Archivum Secretum Apostolicum Vaticanum, foi originalmente construído em 1612 pelo Papa Paulo V, e é realmente um enorme tesouro de informações coletadas pela Igreja ao longo de centenas de anos.

Esse vasto repositório de conhecimento contém documentos estatais, documentos da Santa Sé, correspondência papal e cartas pessoais, e incontáveis ​​registros históricos, documentos e textos acumulados pelo Vaticano de todos os cantos do mundo conhecido que datam do século VIII, todos abrigados em um estrutura maciça e cuidadosamente controlada pelo clima, adjacente à Biblioteca do Vaticano, projetada mais como uma fortaleza do que uma biblioteca, repleta de bunkers subterrâneos impenetráveis ​​e com apenas uma entrada bem guardada conhecida.

A lista de conteúdos conhecidos dos arquivos é longa demais para cobrir completamente aqui, mas inclui uma riqueza de documentos históricos, incluindo cartas manuscritas ao Papa de figuras importantes, como Mary Queen of Scotts, pedindo perdão antes de sua execução, o rei Henry VIII, Michelangelo pedindo para ser pago por seu trabalho na Capela Sistina, Abraham Lincoln, Jefferson Davis, Grande Imperatriz Helena Wang da China no século XVII, um escrito em casca de bétula pela tribo canadense Ojibwe em 1887, e muitas, muitas outras.

Lá há decretos oficiais dos papas ao longo dos séculos, incluindo excomungações como a do herege religioso alemão e fundador do luteranismo Martin Luther, decretos papais oficiais como o de 1493 pelo papa Alexandre VI que dividiu todo o mundo conhecido entre a Espanha e Portugal, bem como comunicações pessoais de papas ao longo da história.

Lá também é possível encontrar pedras preciosas como um pergaminho de quase 60 metros de comprimento, contendo detalhes dos julgamentos dos cavaleiros templários por heresia e blasfêmia, datados de 1307, bem como uma transcrição manuscrita detalhando o julgamento do astrônomo Galileu Galilei no século XVII, bem como a doutrina da Imaculada Conceição, que afirma que Maria foi concebida sem pecado, rabiscado em um pedaço de pergaminho que data de 1854.

Os Arquivos do Vaticano são frequentemente chamados de Arquivos Secretos do Vaticano, principalmente devido a uma tradução incorreta da palavra latina secretum, que na verdade é mais próxima do significado de “pessoal” ou “privado” do que de “secreto”, ou “confidencial”, como muitos pensam, mas também poderia ter a ver com o histórico de inacessibilidade e reclusão estritas do arquivo do mundo exterior.

Por séculos, foram praticamente completamente proibidos e fechados a quase todos, até funcionários da Igreja, nem mesmo aos cardeais era permitido acesso ao seu tesouro de informações, e foi somente em 1881 que o Papa Leão XIII permitiu acesso limitado a pessoas de fora. Isso fez pouco para dissipar o sigilo em torno dos arquivos e ainda não é pouca coisa entrar neste santuário interior de todo o conhecimento do Vaticano.

Para obter acesso a esses arquivos isolados e às ilhas de conhecimento, é preciso ser um estudioso ou pesquisador qualificado e reconhecido que foi completamente examinado pela Santa Sé, um processo que pode levar anos.

Historiadores amadores, jornalistas, estudantes ou pesquisadores de poltrona não precisam se inscrever e são estritamente proibidos. Se alguém tiver a sorte de ter acesso garantido, entrará pela porta única, a bem guardada Porta Sant’Anna, após a qual é exigido que indique exatamente o que procura entre a volumosa coleção. Depois de entrar nas fileiras de textos antigos empoeirados, não é permitida a navegação, e você só pode recuperar três documentos listados em um dos catálogos espessos e assustadoramente enormes, meticulosamente manuscritos em latim ou italiano.

Se você não conseguir decidir o que deseja ver dentro de um período de tempo determinado, sob supervisão estrita, será retirado dos arquivos e deverá esperar até o dia seguinte para tentar novamente. Mesmo se você souber o que deseja ver, ainda existem limitações opressivas sobre o que está disponível para leitura. Todos os materiais nos arquivos são liberados para exibição pública somente após 75 anos, o que significa que documentos mais recentes são restritos e, mesmo assim, existem grandes faixas de conteúdo arquivado que estão totalmente fora dos limites e provavelmente sempre serão.

Em outras palavras, essa não é uma biblioteca aberta a qualquer pessoa; no entanto, na década de 1920, Ludvig recebeu acesso de alguma forma por razões ainda não esclarecidas.

Enquanto lá estava, ele supostamente estava livre para vasculhar as vastas estantes de manuscritos, e deparou com algumas coisas muito bizarras. Ele alegaria ter encontrado numerosos textos sobre alquimia e códigos antigos, e ainda mais estranhos manuscritos sobre OVNIs e alienígenas da antiguidade.

Segundo Ludvig, havia textos descrevendo detalhadamente como os alienígenas haviam visitado a Terra há muitos milênios e conseguiram influenciar civilizações antigas, como os egípcios, os maias e os mesopotâmios. Algumas das informações que ele alegou ter obtido eram sobre como as pirâmides egípcias eram máquinas de energia antigas, e ele até disse ter encontrado registros históricos de armas nucleares sendo usadas nos tempos antigos, o que resultou no derretimento das muralhas da Babilônia, bem como planos para naves alienígenas.

Nada disso foi autorizado a sair dos arquivos do Vaticano, mas Ludvig, de algum modo, conseguia colocar as mãos nas fotografias de alguns desses documentos, e o restante ele se comprometeria a memorizar e depois escreveria o máximo que conseguia lembrar. Ele mostrou as informações também seus próprios alunos, e aparentemente isso foi o suficiente para levá-lo a ser acusado de ser um espião do Vaticano e preso em um campo de concentração em 1938. Ele teria sido libertado e continuaria seu trabalho durante a Segunda Guerra Mundial, mantendo a maior parte do que vira no Vaticano para si mesmo durante esses anos, antes de levar a maior parte disso para o túmulo em 1973.

A história de Genrikh Mavrikiyevich Ludvig poderia muito bem ter sido esquecida e confinada às nevoas do tempo para sempre, se não tivesse sido discutida pelo matemático soviético Matest M. Agrest nos anos 50, e depois mencionada na publicação russa Sovershenno Sekretno, em um artigo do escritor e jornalista Vladimir Kucharyants. Desde então, esse assunto foi discutido entre os ovniólogos/ufólogos e os teóricos dos astronautas da antiguidade, mas resta-nos perguntar o quão real isso é.

É certo que ele realmente foi uma pessoa real, e era de fato um arquiteto e ocultista, mas isso é tudo o que sabemos com certeza. Há poucas evidências corroboradoras e muito poucas fontes disponíveis em sua vida. Então quem era realmente Ludvig?

Ele conseguiu realmente acessar os arquivos secretos do Vaticano e encontrar todas essas informações surpreendentes? Se sim, como ele conseguiu tirar fotos dessa verdadeira fortaleza de segredo? Quanto disso é verdade e quanto é possivelmente uma lenda urbana?

Certamente houve algum ceticismo das reivindicações, e o cético Jason Colavito disse tudo:

Ludvig não parece realmente ter sido um teórico dos astronautas da antiguidade nas décadas de 1920 e 1930. Em vez disso, o artigo fala sobre sua crença nas civilizações perdidas (os sumérios, disse ele, eram como um livro cujas primeiras páginas haviam sido arrancadas) e que os monumentos antigos tinham energia espiritual esotérica.

As pirâmides, disse ele, poderiam ser ativadas com meditação. Ele falou de projeção astral e ascensão para encontrar Deus nas esferas além da terra. Em outras palavras, ele se parece mais com um teosofista do que com um teórico dos astronauta da antiguidade, como seu contemporâneo, o ocultista Nicholas Roerich.

A única evidência de que ele acreditava em astronautas da antiguidade ou de que houve um bombardeio nuclear da Babilônia vem de um de seus ex-alunos, que se lembrou de Ludvig ter falando de tais questões muito, muito mais tarde – na década de 1960, o auge da mania dos astronautas da antiguidade pelos soviéticos, quando Matest M. Agrest, Alexander Kasantsev e IS Shklovskii popularizaram a ideia.

Então, se eu pegar as evidências pelo valor de face, parece que Ludvig tinha ideias esotéricas típicas no estilo teosófico sobre a história antiga na década de 1930 e depois se converteu nas crenças dos astronautas da antiguidade na década de 1960, como muitos de sua geração que viram paralelos entre os esotéricos e os astronautas antigos.

Quanto ao material do Vaticano, isso é provavelmente uma combinação de exagero, memória de segunda mão e pensamento positivo, com base em “interpretações” que o estudioso russo impôs sobre os materiais de origem – materiais de origem que não são convenientemente citados pela única pessoa que afirma que isso existiu, um aluno de 50 anos atrás.

– Jason Colavito


Ele faz um bom argumento, e, considerando que existem poucas fontes preciosas para essa história e, principalmente, gira em torno das lembranças daquele sujeito, fica aberto à especulação sobre se Ludvig alguma vez chegou às catacumbas dos arquivos do Vaticano e, se sim, o que ele realmente encontrou lá.

É tudo bastante misterioso, e, embora o homem e os arquivos estejam envolvidos em mitos e lendas, é difícil saber sobre onde estão a realidade e a fantasia, e em que ponto elas se fundem. É tudo um conto bastante interessante, no entanto, e com a falta de mais informações provavelmente permanecerá perdido para a história.

(Fonte)


n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site.

Clique aqui para apoiar através do site Apoia.se, ou use o botão abaixo:


*Agora você também pode doar através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:

(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.