NASA usará motor de íons superpotente para redirecionar asteroide em 2021

Tempo de leitura: 2 min.

Talvez o Impacto Profundo ainda não esteja acontecendo (embora o inimigo lá era um cometa), mas a ameaça de um asteroide atacando a Terra e tornando os humanos tão extintos quanto os dinossauros não é somente ficção científica.

NASA usará motor de íons superpotente para redirecionar asteroide em 2021
NASA Evolutionary Xenon Thruster-Commercial, NEXT-C

A NASA não está se arriscando. Como não queremos que nossa espécie siga o caminho do brontossauro, a agência espacial está atualizando sua missão DART (Double Asteroid Redirection Test) para que possa decolar em julho próximo. A missão DART é alimentada pelo Evolutionary Xenon Thruster – Commercial da NASA (NEXT-C), um poderoso mecanismo de íons que está sendo testado para a missão. Ele terá a chance de mostrar eu poderio em uma demonstração que o confrontará com o sistema binário de asteroide não ameaçador, Didymos.

O NEXT-C pode não ser um motor de foguete que precise de uma imensa quantidade de impulso para decolar, mas é um dos mais poderosos foguetes de íons de todos os tempos. Ele triplicou o poder dos motores NSTAR nas naves Dawn e Deep Space One da NASA, e aqueles já eram bem poderosos. Seu propulsor e unidade de processamento de energia (de sigla em inglês, PPU) são seus componentes principais. O propulsor passou por uma série de testes, incluindo testes de vibração, vácuo térmico e desempenho, além de vibração extrema de lançamento e frio brutal do espaço, antes que os cientistas determinassem que estava pronto para unir forças com a PPU.

Apenas para se ter uma idéia de quão poderoso é o NEXT-C, ele é capaz de 6,9 ​​quilowatts de potência de empuxo. Ele supera o impulso total de qualquer outro mecanismo de íons, e seu impulso específico, a eficiência de combustível de um motor de foguete, é muito maior que o do NSTAR.

Acionamentos de íons como NEXT-C não queimam combustível como um motor de foguete. Eles geralmente são abastecidos com xenônio através de uma câmara que encontra uma das duas grades do acelerador, e os íons xenônio são carregados positivos com a eletricidade absorvida pelas matrizes solares. A carga negativa da segunda grade atrai instantaneamente os íons carregados positivamente, o que produz impulsos monstruosos, impulsionando-os para fora do motor e lançando a espaçonave para o céu.

O DART estará colaborando com os cubesats LICIA (Light Italian Cubesat for Imaging of Asteroids) da Agência Espacial Italiana, quando atingir Didymos B. Prevê-se que o impacto neste asteroide mude seu período de rotação, alterando sua velocidade orbital em meio milímetro por segundo. Telescópios na Terra poderão ver isso. Enquanto a sonda tenta empurrar o asteroide para fora de sua trajetória, o LICIA visualiza o processo e captura os detritos de impacto para trazer de volta à Terra. Embora o DART será esmagado pela colisão depois de deixar para trás uma enorme cratera, a próxima missão Hera da ESA fará mais tarde uma aproximação dos efeitos do impacto e das entranhas deste asteroide.

O Didymos pode não estar em uma trajetória mortal, mas com 780 metros de diâmetro, o Didymos A, o maior dos dois asteroides, tem o tamanho de algo que poderia transformar nosso planeta em um pesadelo pós-apocalíptico. O que aconteceu 66 milhões de anos atrás poderia facilmente acontecer novamente se algo fora do espaço vier até nós.

O impacto do asteroide Chicxulub não destruiu quase tudo em um dia. Ele desencadeou vulcões que arrotavam enormes fluxos de magma e basicamente incendiaram o planeta. O que não queimava com o calor, se afogava em cinzas, se afogava em um tsunami ou morria de fome depois que suas fontes de alimentos desapareciam, enfrentando um inverno nuclear arrasador. Tanta cinza foi lançada no céu que bloqueou a luz solar e o calor necessários para a sobrevivência da maioria das formas de vida na Terra. O que não pereceu durante o primeiro turno congelou até a morte no segundo. A maioria das plantas murchou. Poucas criaturas conseguiram sobreviver.

Se a demonstração do DART funcionar, isso significa que a Terra tem pelo menos uma defesa contra outro dinopocalipse.

(Fonte)

Colaboração: seukikonetwork


Melhor prevenir do que remediar.

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.