“A pesquisa está apenas começando”, diz ex-cientista da NASA sobre OVNIs

Tempo de leitura: 3 min.

Quando perguntado porque as pessoas rejeitam noções de vida extraterrestre na Terra, Kevin Knuth, professor associado de física da Universidade de Albany e ex-cientista da Administração Nacional de Aeronáutica e Espaço – NASA, atribuiu isso à “arrogância humana”.

"A pesquisa está apenas começando", diz ex-cientista da NASA sobre OVNIs
Dr. Kevin Knuth. (Foto: Ron Barnell)

Knuth disse:

Isso acontece uma e outra vez. “A Terra é plana. Os humanos não poderiam ter descendido dos macacos”. É difícil de acreditar, então é mais fácil não fazer isso.

Também era difícil acreditar que uma pandemia afundasse a economia dos Estados Unidos e alterasse fundamentalmente a vida de todo americano, apenas um mês atrás. Agora, milhões, se não bilhões, de pessoas estão confinadas em suas casas, pensando em novas hipóteses após o que antes era uma impossibilidade que explodiu em sua realidade.

A história do interesse de Knuth pelos OVNIs não é diferente. Enquanto ele estava na Universidade de Minnesota, duas semanas depois de concluir seu doutorado, um relatório no jornal local sobre duas mutilações de gado perto do campus da escola chamou a atenção dos estudantes que chegavam.

Knuth lembrou:

Estávamos discutindo ativamente isso; coçando a cabeça, tentando descobrir que tipo de lugar louco nós viemos.

Ao ouvir uma dessas conversas, um professor de física ofereceu aos alunos informações sobre avistamentos de OVNIs em um local nuclear próximo, como um meio de aprofundar a discussão, mas os estudantes, incluindo Knuth, o ignoraram.

Knuth disse:

Quando ele se afastou, rimos muito porque parecia tão ridículo.

Ainda assim, a experiência nunca o abandonou e, décadas depois, quando um aluno dele na UAlbany fez uma pergunta que enviou Knuth a uma busca na Internet por respostas, ele encontrou um vídeo do pesquisador Robert Hastings discutindo “incursões nucleares” por aeronaves não identificadas, e ele começou a reconsiderar se as naves paranormais eram algo a ser levado a sério.

Knuth disse:

Algo pode realmente estar acontecendo e pode ser perigoso, portanto deve ser visto. Não há mal nisso.

Knuth mencionou o caso de John E. Mack, chefe do departamento de psiquiatria de Harvard, o qual havia iniciado um estudo sobre as alegações de abduções por OVNIs, para o qual entrevistou centenas de pessoas que disseram estar sujeitos a encontros imediatos com extraterrestres.

Harvard reagiu ao estudo de Mack reunindo um grupo anônimo de pesquisadores que investigariam não apenas a credibilidade acadêmica da pesquisa, como é típico, mas também a competência de Mack como praticante, o que, segundo Knuth, representava um ataque à liberdade acadêmica. Harvard acabou com a investigação.

Embora Mack nunca tenha defendido a existência de seres alienígenas, ele reconheceu que o destaque das reivindicações o confrontava com algo que ele não poderia explicar de outra maneira.

Mack disse em uma reportagem da BBC publicada em 2005, um ano após sua morte:

Eu diria que há um fenômeno poderoso e convincente aqui, que não posso explicar de outra maneira, e que é misterioso. No entanto, não sei o que é, mas parece-me que isso convida a uma investigação mais profunda e aprofundada.

Discutindo a falta de pesquisas sobre OVNIs e encontros com OVNIs, Knuth disse que o interesse em OVNIs foi vítima de uma “lógica circular” onde, por parecer tão pouco científico, muitos cientistas não tocavam no assunto, levando ao reforço da ideia de que o interesse pelos OVNIs era exclusivamente da competência dos pseudocientistas e teóricos da conspiração.

Agora, no entanto, Knuth percebe uma mudança de credibilidade depois que a Marinha dos EUA reconheceu no ano passado que vídeos de “fenômenos aéreos não identificados” originários do pessoal da Marinha e amplamente divulgados em 2017 eram “reais” e verdadeiramente inexplicáveis.

Knuth e seus colegas também usam o termo “fenômenos aéreos não identificados”, ou UAP (sigla em inglês), em oposição ao “OVNI” mais popular, que Knuth disse ser uma tentativa deliberada de escapar do estigma da pesquisa sobre OVNIs.

“As pessoas vêem OVNIs e viram a página”, disse Knuth. E essas pessoas perderiam a ciência muito real que pessoas como Knuth estão conduzindo com estranhas observações que foram feitas em todo o mundo e ao longo da história.

Antes do ataque do coronavírus, Knuth estava programado para dar uma palestra no Carey Institute for Global Good (Instituto Carey para o Bem Global) em Rensselaerville, onde ele apresentaria as descobertas de seu estudo mais recente sobre os padrões de aceleração de alguns desses ofícios não identificados, que, segundo ele, estão em andamento. a 5.000 vezes a aceleração da gravidade e indicam uma origem não natural e desumana…

Para dar continuidade às suas pesquisas, Knuth é membro da UAP eXpeditions e da Scientific Coalition for UAP Studies. Em breve, a UAP eXpeditions alugará dois navios para navegar em uma área do Oceano Pacífico que é considerada uma área de muitos avistamentos de OVNIs e está perto de onde os EUA Nimitz teve um infame encontro paranormal em 2004.

Knuth disse:

Houve cientistas que se interessaram por isso o tempo todo, mas eles tinham medo do estigma.

Independentemente, Knuth também está trabalhando em simulações que o ajudam a prever de onde essas naves podem se originar dentro do universo, cujas descobertas Knuth disse que eram apenas preliminares devido à natureza rudimentar das simulações.

Ainda assim, Knuth parecia contente por estar fazendo sua parte na promoção do conhecimento humano, e sobre um assunto que poderia ser extremamente importante algum dia, por mais inesperado que fosse o advento.

Reconhecendo que a maioria dos avistamentos de OVNIs são resultado da identificação incorreta de fenômenos explicáveis, Knuth disse

[Há] 3% dos casos remanescentes que não têm explicação.

Não importa o que seja, é algo que não sabemos [cientificamente], E não seria algo que gostaríamos de saber?

(Fonte)


Realmente, queremos saber. Este é nosso direito como cidadãos do Universo.

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.