Uma mensagem extraterrestre luminosa na superfície de Ceres

Tempo de leitura: 6 min.

O ceticismo padrão na ciência é compreensível, é a forma como se faz boa ciência. Mas a postura atual de que “nunca nada é alienígena” poderia garantir que não haja evidência de inteligência extraterrestre? Será que talvez vimos e não percebemos as indicações de visitação alienígena ao nosso sistema solar?

Uma mensagem extraterrestre luminosa na superfície de Ceres

Ceres é um planeta anão, como o pobre e velho despromovido Plutão, mas também é o maior objeto do cinturão principal de asteroides. Ceres orbita o Sol a uma distância que a lei Titius-Bode prevê que é onde devemos encontrar outro sistema planetário, logo entre Marte e Júpiter. Essa previsão levou os astrônomos a teorizar que um planeta, apelidado de Phaeton, existiu uma vez, mas foi de alguma forma destruído, dando origem ao cinturão de asteroides e Ceres.

Este mundo distante, com apenas 939,4 km de diâmetro, possui uma composição superficial como a dos asteroides do tipo C. Entende-se, no entanto, que a superfície rochosa esconde uma quantidade significativa de água em algum lugar abaixo. Embora a água seja sempre uma descoberta interessante, sendo considerada essencial para a vida, não é a presença desse produto químico crucial que chamou a atenção dos cientistas espaciais para esse mundo árido.

Vários anos atrás, foi descoberto que uma cratera em Ceres, Occator, abrigava vários pontos brilhantes misteriosos, levando rapidamente a várias especulações sobre sua causa – incluindo alienígenas. A visita de 2015 a Ceres pela sonda Dawn da NASA permitiu um estudo detalhado das características da superfície, inclusive dos pontos brilhantes, levando à conclusão de que eles provavelmente eram o resultado de compostos altamente refletivos nas emissões vulcânicas de gelo e sal.

Uma mensagem extraterrestre luminosa na superfície de Ceres
Brilho misterioso da cratera Occator. Esta vista da cratera Occator no planeta anão Ceres mostra o poço de cor mais clara no seu centro e o domo criovulcânico. As montanhas irregulares na beirada do poço projeta suas sombras em partes do poço. Foto: NASA/JPL-Caltech/UCLA/MPS/DLR/IDA


Essa história poderia ter terminado por aí, mas há outra característica marcante dentro da cratera Occator que desde então veio à luz. Parece que há um padrão geométrico altamente ordenado dentro de uma área da cratera designada Vinalia Faculae.

Um estudo recente envolvendo uma rede neural artificial ensinada a reconhecer formas e padrões identificou uma área quadrada dentro de uma característica triangular maior dentro da cratera Occator. Esses padrões geométricos foram inicialmente ocluídos pelo brilho ofuscante que emana de um dos pontos “altamente refletivos”.

Uma mensagem extraterrestre luminosa na superfície de Ceres
Formação geométrica em Vinalia Faculae.


A mesma característica peculiar também foi escolhida por inúmeras pessoas em um grupo de voluntários de teste, todos sem treinamento em astronomia. A confirmação conjunta humano-Inteligência Artificial (IA) parecia apoiar ainda mais a legitimidade da identificação de uma verdadeira anomalia. O resultado desse experimento realizado por Gabriel G. de la Torre, um neuropsicólogo espanhol, levou muitos cientistas a questionar a maneira pela qual aplicamos a inteligência artificial na busca por inteligência extra-terrestre.

A questão que surgiu foi: a IA poderia ser projetada para ajudar a ciência espacial a transportar elementos do viés perceptivo humano, um tipo de pareidolia digital, e assim, inadvertidamente, nos enganar a acreditar que havíamos encontrado evidências de alienígenas?

A intenção inicial da pesquisa organizada pela equipe da Universidade de Cádiz era comparar como seres humanos e máquinas reconheceram imagens planetárias e, ao fazê-lo, nos fez entender melhor se a inteligência artificial especialmente projetada pode ajudar os astrônomos a descobrir evidências físicas de inteligência extraterrestre, as chamadas ‘assinaturas tecnológicas’, associadas às civilizações alienígenas avançadas.

Gabriel G. de la Torre explica:

Não estávamos sozinhos nisso, algumas pessoas pareciam discernir uma forma quadrada em Vinalia Faculae, então vimos como uma oportunidade de confrontar a inteligência humana com a inteligência artificial em uma tarefa cognitiva de percepção visual, não apenas uma tarefa rotineira, mas um desafio, com implicações na busca por vida extraterrestre (SETI), não mais baseada apenas em ondas de rádio.

Os cientistas da Universidade de Cádiz, já tendo reconhecido o problema de potenciais sinais inteligentes não terrestres não detectados, associados ao “efeito do gorila cósmico”, reuniram 163 voluntários sem treinamento em astronomia para determinar o que eles percebiam nas imagens obtidas da cratera do Occator.

De la Torre e sua equipe já haviam realizado pesquisas altamente perspicazes sobre o potencial de fatores neurológicos inerentes à cognição humana entre os cientistas espaciais para provocar falhas no processo de detecção de sinais inteligentes não terrestres. Esse trabalho anterior apoiou fortemente a probabilidade dos cientistas falharem em observar assinaturas tecnológicas alienígenas, mesmo quando estavam bem diante de seus olhos. Essa investigação sobre a cognição humana levou a equipe de pesquisa a anunciar o que eles chamam de “efeito do gorila cósmico”.

Os pesquisadores então fizeram o mesmo com um sistema de visão artificial (baseado em redes neurais convolucionais), que havia reconhecido formas em milhares de imagens para poder identificá-las em qualquer imagem astronômica.

De la Torre observa:

As pessoas e a inteligência artificial (IA) detectaram uma estrutura quadrada nas imagens, mas a IA também identificou um triângulo, e quando a opção triangular foi mostrada aos seres humanos, a porcentagem de pessoas que afirmaram vê-la também aumentou significativamente.

A praça parecia posicionada centralmente dentro do triângulo e, dentro de seus limites, parecia até haver um círculo desbotado.

Uma mensagem extraterrestre luminosa na superfície de Ceres

De la Torre disse:

Por um lado, apesar de estar na moda e ter uma infinidade de aplicações, a inteligência artificial pode nos confundir e nos dizer que detectou coisas impossíveis ou falsas, e isso compromete sua utilidade em tarefas como a busca por assinaturas tecnológicas extraterrestres em alguns casos. Nós devemos ter cuidado com sua implementação e uso no SETI (procura por inteligência extraterrestre).

Porém, ele acrescenta:

Por outro lado, se a IA identificar algo que nossa mente não pode entender ou aceitar, poderia no futuro ir além do nosso nível de consciência e abrir portas à realidade para a qual não estamos preparados? E se o quadrado e o triângulo de Vinalia Faculae em Ceres fossem estruturas artificiais?

Certamente, precisamos reconhecer que qualquer inteligência artificial criada por seres humanos provavelmente inclua algumas de nossas próprias falhas e preconceitos, o que significa que é necessária cautela no processo de inscrição, mas vamos considerar mais de perto a pergunta final “e se” de De la Torre.

E se o quadrado, triângulo e círculo dentro da região luminosa de Vinalia Faculae em Ceres forem realmente elementos artificiais?

Não há discos voadores, mas possivelmente alienígenas antigos

Muitos cientistas espaciais descartam a sugestão de que uma civilização alienígena esteja atualmente interagindo com a humanidade, eles veem histórias de abduções alienígenas e pousos de discos voadores como uma mistura de invenções e ilusões psicológicas. Apesar do número surpreendente de alegações anedóticas de contatos com alienígenas, poucas evidências científicas objetivas foram acumuladas, o que tende a diminuir ainda mais a veracidade de tais alegações para os pesquisadores acadêmicos. Uma das principais razões para o ceticismo extremo é a de que é estatisticamente improvável que qualquer inteligência alienígena tropeçaria em nós agora que começamos a procurá-los ativamente com nossas tecnologias. Especialmente quando consideramos a enorme escala do cosmos, tanto no espaço quanto no tempo.

Se você perguntar a um/a cientista espacial se ele/ela acredita que os alienígenas podem nos visitar no momento, eles certamente dirão que não. No entanto, se você reformular a pergunta e se os mesmos cientistas pensam que a inteligência extraterrestre possa ter passado pelo nosso sistema solar, muitos irão expressar abertura a essa possibilidade.

Estatisticamente falando, é bastante razoável pensar que a inteligência extraterrestre possa ter visitado nossa parte do espaço em algum momento nos últimos 4,5 bilhões de anos, em vez de chegar durante o período estreito de tempo da nossa alta tecnologia agora.

Em um estudo colaborativo recente, quatro cientistas espaciais altamente respeitados, Jonathan Carroll-Nellenback, Adam Frank, Jason Wright e Caleb Scharf, modelaram o assentamento da galáxia por civilizações longínquas, a fim de abordar questões relacionadas ao Paradoxo de Fermi. Seu artigo, “The Fermi Paradox and the Aurora Effect: Exo-civilization Settlement, Expansion, and Steady States” (O Paradoxo de Fermi e o Efeito Aurora: Assentamento, Expansão e Estados Estáveis de uma Exo-Civilização), discute a possibilidade de que civilizações extraterrestres possam se expandir pela galáxia em frentes de onda que tiram vantagem do movimento das estrelas em relação umas às outras.

O benefício de esperar que os sistemas estelares se aproximem é que isso exige menos esforço para colonizar seus planetas associados. Quaisquer civilizações avançadas podem se expandir rapidamente através da galáxia, tirando proveito do movimento estelar, nunca tendo que percorrer distâncias enormemente vastas no espaço. Os pesquisadores especulam que nosso próprio Sistema Solar pode ter sido visitado anteriormente, mas agora talvez esteja localizado a uma distância desfavorável para exploração. Uma civilização em expansão pode estar esperando que cheguemos até eles, por assim dizer.

De fato, sabemos que há 70.000 anos atrás, uma estrela passou diretamente pela Nuvem de Oort nas bordas do nosso sistema solar e teria havido muitos outros passes próximos nos últimos bilhões de anos. Talvez durante uma dessas passagens próximas visitantes de uma estrela passageira tenham explorado nosso sistema solar, explorado seus recursos ou colonizado temporariamente seus mundos. Se fosse esse o caso, que evidências poderíamos esperar encontrar?

O Professor Paul Davies, astrofísico da Universidade Macquarie, disse:

O que duraria cem milhões de anos? Não muito, mas há algumas coisas, tais como lixo nuclear, ou qualquer tipo de biotecnologia que tenha efeitos indiretos: se você mexer com genomas cem milhões de anos atrás, os traços disso ainda estariam conosco hoje. Ou qualquer operação de pedreira em larga escala: se você cortasse um asteroide de uma maneira muito distinta, ele ainda estaria em órbita.

Davies observa que se os alienígenas escavassem um asteroide de uma maneira distinta, poderíamos um dia descobrir isso e saber que eles passaram por esse caminho na pré-história distante. E se eles gravassem uma enorme formação geométrica complexa na superfície de um planeta anão?

Digamos, por uma questão de argumento, que aquilo que se vê em Ceres seja uma mensagem deliberada, afinal toda matemática e geometria são consideradas prováveis ​​linguagens universais. Como os criadores trabalhariam para garantir que qualquer outra civilização que chegasse ou surgisse nas proximidades acabaria localizando a cápsula do tempo? Que tal plantá-la no meio de uma região naturalmente altamente reflexiva – ou deliberadamente aplainar a área circundante com um material adequado?

Uma mensagem extraterrestre luminosa na superfície de Ceres
Interessante como mesmo em completa sombra aquela formação ainda “reflete” a luz.

Há algo mais sobre esse material altamente reflexivo que gera mais perguntas. Embora tenhamos entendido que o local está simplesmente refletindo a luz, observamos que, quando essa cratera profunda está totalmente na sombra, ainda podemos ver o brilho. Isso nos leva a especular que talvez Vinalia Faculae não esteja apenas coberta de produtos químicos refletivos, mas que de alguma forma produza luz. Nesse caso, isso realmente deve nos faz questionar a avaliação atual do local.

(Fonte)

Bruce Fenton, autor do artigo acima, ainda elabora mais a respeito dessa misteriosa região em Ceres:

Devo dizer, e isso é puramente minha opinião, mas quando olho para as várias regiões brilhantes de Occator, elas parecem surpreendentemente como mapa estelar. A principal e maior ‘estrela’ da constelação alienígena (que parece um buraco negro giratório) é destacada pela adição do padrão geométrico em seu centro.

Quero dizer, alguém visitou nosso sistema solar no passado distante, usou compostos químicos luminosos para pintar um mapa estelar no maior objeto do cinturão de asteroides e o marcou com um símbolo geométrico universalmente reconhecível. Isso certamente seria um cartão de visita atraente.

– Bruce Fenton

Para mim, particularmente, essas formações em Ceres nunca foram totalmente explicadas pela ciência, a qual de pronto as descartou como sendo algum tipo de sal ou minério refletindo a luz solar. Como já mencionei em um artigo aqui quando essa peculiaridade foi descoberta, não há nada que seja refletivo quando não há uma fonte de luz para tal feito. E essas formações em Ceres emitem luz mesmo na sombra.

Infelizmente, a única maneira de tirar essa cisma é irmos novamente até lá em uma missão específica, o que irá demorar ainda mais de século se considerarmos o passo da nossa exploração espacial.

Enquanto isso, como muitas outras coisas anômalas que ocorrem no espaço, estamos à mercê de homens da ciência com tendências e paradigmas pessoais que são difíceis de serem quebrados.

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.