Astrônomos encontram estrela que pulsa em um só lado

Tempo de leitura: 2 min.

Uma estrela chamada HD74423, que mostra um comportamento anômalo, foi encontrada por astrônomos amadores.

Astrônomos encontram estrela que pulsa em um só lado
Ilustração artística da estrela, com sua companheira anã vermelha. Crédito: Gabriel Pérez Díaz (IAC)

Este objeto celeste que pulsa em apenas um lado está localizado na Via Láctea, a cerca de 1500 anos-luz da Terra.

O co-autor do estudo, Dr. Simon Murphy, do Instituto de Astronomia de Sydney da Universidade de Sydney na Austrália, informou:

O que primeiro me chamou a atenção foi o fato de ser uma estrela quimicamente peculiar. A estrela é a primeira desse tipo a ser encontrada e os astrônomos acreditam que irão encontrar muitos outros sistemas similares no universo.

HD74423 é cerca de 1,7 vezes a massa do Sol e é uma das estrelas em um sistema binário de estrelas com uma anã vermelha. Sua companheira próxima distorce as oscilações com sua força gravitacional.

O co-autor professor Don Kurtz, da Universidade de Lancashire, na Grã-Bretanha, disse:

Sabíamos teoricamente que estrelas como essa deveriam existir desde os anos 1980.

Estou procurando uma estrela assim há quase 40 anos e agora finalmente encontramos uma.

Estrelas que pulsam são conhecidas na astronomia há muito tempo. Nosso próprio Sol dança de acordo com seus próprios ritmos.

Essas pulsações rítmicas da superfície estelar ocorrem em estrelas jovens e velhas e podem ter períodos longos ou curtos, uma ampla gama de forças e causas diferentes.

Astrônomos amadores que estudaram a HD74423 usaram dados do TESS que foram disponibilizados ao público, e o satélite TESS da NASA está focado na busca por mundos alienígenas e aqueles que poderiam sustentar a vida.

O período orbital do sistema binário, em menos de dois dias, é tão curto que a estrela maior está sendo distorcida em uma forma de lágrima pela força gravitacional da companheira.

O professor Gerald Handler, do Centro Astronômico Nicolaus Copernicus, na Polônia, e principal autor, informou:

Os dados requintados do satélite TESS significam que podemos observar variações no brilho devido à distorção gravitacional da estrela e às pulsações.

Além disso, a equipe observou que a força das pulsações dependia do ângulo de aspecto sob o qual a estrela foi observada e da orientação correspondente da estrela dentro do binário. Isso significa que a força da pulsação varia com o mesmo período que o do binário.

O Dr. David Jones, do Instituto de Astrofísica das Ilhas Canárias, e co-autor do estudo, disse:

À medida que as estrelas binárias orbitam uma à outra, vemos partes diferentes da estrela pulsante. Às vezes, vemos o lado que aponta para a estrela companheira e, às vezes, vemos a face externa.

Os resultados são publicados na Nature Astronomy.

(Fonte)


n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.