Astrônomos do século XVI viram atividades estranhas na Lua

Tempo de leitura: 2 min.

Cinquenta anos atrás, a NASA publicou um catálogo de fenômenos na Lua, com base nas observações dos primeiros astrônomos que datam do século XVI (desde 1540).

Mesmo depois de examinar os relatórios e qualificar sua precisão com fontes secundárias, a NASA encontrou registros de avistamentos bizarros no lado escuro da Lua, incluindo pontos tremeluzentes, flashes brilhantes e luzes em movimento. O que poderia explicar essas estranhas observações?

É discutível quem primeiro concebeu o telescópio, embora seja amplamente aceito que ele foi inventado no início dos anos 1600.

E embora os primeiros modelos fossem lunetas rudimentares com três lentes, a tecnologia progrediu rapidamente nas décadas seguintes, graças ao trabalho de Galileu e Kepler.

Ao adicionarem uma combinação de lentes convexas, os dois foram capazes de aumentar drasticamente a capacidade de ampliação dos primeiros telescópios, permitindo a observação do cosmos como nunca antes.

Também é evidente em suas anotações que Galileu foi capaz de ver as luas de Júpiter, o que significa que ele deve ter tido uma visão bastante clara de nossa superfície lunar.

Lendo o arquivo da NASA, percebe-se registros estranhos nos anos 1600, começando com um “ponto brilhante como estrela”, avistado por vários habitantes da Nova Inglaterra observando o lado escuro da Lua.

Quase um século depois, Bianchini relata uma “trilha de luz avermelhada, como um raio, cruzando o meio da área obscura (sombreada) (cratera na escuridão)”, enquanto observava a cratera de Platão na cordilheira de Monte Alpes.

Outro relatório cita “Quatro pontos brilhantes. Comportamento peculiar do terminador” (o terminador é onde o lado escuro da lua encontra o lado claro).

Próximo dos anos 1800, Piazzi relata “pontos brilhantes no lado escuro, vistos durante cinco diferentes lunações”. E em 1821, Gruithuisen diz que viu “pontos brilhantes e piscantes” no lado escuro.

Alguns explicam essas luzes estranhas como o produto de explosões solares ou ejeção de massa coronal, que produzem faíscas nas regiões sombreadas da superfície lunar. Acredita-se que essas faíscas são tão impactantes quanto um conque de meteoro, supostamente criando os clarões observados.

Mas, nos registros, parece haver certas áreas com iluminação recorrente, principalmente ao redor da cratera de Aristarco. “Luzes piscando” no lado escuro, uma “mistura de todos os tipos de cores em pequenas manchas” e uma “luz similar a uma estrela” persistem por centenas de anos, mesmo durante eclipses.

A NASA faz uma breve menção a essas observações do lado escuro, dizendo que elas apareceram com frequência em observações anteriores e as descartando-as como a baixa capacidade de coletar a luz dos telescópios da época.

Mas os telescópios se tornaram mais sofisticados ao longo desses séculos, especialmente durante o século XIX, quando as lentes eram cada vez maiores e mais refinadas. Nesse período, a astronomia estava suficientemente avançada que descartar essas observações como primitivas seria um insulto.

E as estranhas luzes observadas em torno de Aristarco são continuamente observadas em cores variadas, mesmo pelas próprias observações da NASA dos astrônomos no Goddard Space Flight Center. As explicações para essas faixas coloridas de luz variam de alto albedo – uma medida da refletividade de uma superfície – a uma infiltração de gás radioativo.

Mas, para aqueles que desconfiam do infinito suprimento de justificativas inadequadas da NASA, essas observações aumentam uma lista crescente de fenômenos estranhos e a aparente ocultação do que realmente pode estar lá.

Deveríamos continuar acreditando nas explicações mundanas da NASA?

(Fonte)


A resposta para a última pergunta, na minha opinião, é um grande e sonoro NÃO!

Eu mesmo já vi atividade estranha na superfície lunar, que não pode ser descartada tão facilmente quanto a NASA nos quer fazer acreditar.

E não esqueça: clique aqui para acessar nossa página principal, a qual é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia.

n3m3

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…

ATENÇÃO: Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS E REGRAS:

[Devido a problemas técnicos, dispositivos móveis que acessam a versão amp (Accelerated Mobile Pages) do OVNI Hoje não terão acesso ao sistema de comentários Disqus. Neste caso, para acessar os comentários simplesmente acesse o site ovnihoje.com diretamente, e não por intermédio do sistema de procura. Estou trabalhando para tentar resolver esta questão.]

AVISO: Todos são bem-vindos a participar da área de comentários abaixo. Contudo, os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprios autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências ou conflitos por eles causados.

Também informamos que, a fim de não causar distrações e conflitos desnecessários, comentários, avatares e pseudônimos com viés político, seja de qual ideologia for, serão prontamente apagados quando encontrados pelos moderadores. O foco dos comentários deve ser mantido no assunto de cada artigo e somente desviado quando for pertinente ao tema do OVNI Hoje.

Assim, colabore com o bom andamento dos comentários, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando comentários fora do padrão como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.