Satélites de empresa “start up” irão procurar por OVNIs

Tempo de leitura: 4 min.

A Hypergiant Industries possui clientes como NASA, Shell e Booz Allen. Ela diz que pode usar o aprendizado de máquina a partir de imagens de satélites para detectar OVNIs.

Satélites de "start up" irão procurar por OVNIs
Crédito da imagem: Motherboard

A Hypergiant Industries é uma empresa que visa, de acordo com seu site, ser “a luz que resolve os problemas mais desafiadores da humanidade”.

A empresa usa Inteligência Artificial (IA) em algumas indústrias diferentes: desenvolveu o Disaster Mapping System, software geoespacial que escolhe os edifícios mais atingidos após um desastre natural, usando imagens de satélites e drones, disponível de código aberto através de uma plataforma de IA chamada Modzy. Também criou um protótipo de capacete de realidade aumentada que pode detectar e classificar objetos, como também oferecer visão noturna e imagens térmicas, além da visão normal. Ela também construiu um protótipo de biorreator do tamanho de uma geladeira, o qual usa a IA para regular coisas como fluxo de ar, luz, temperatura e pH, para que as algas possam sequestrar o dióxido de carbono e transformá-lo em materiais para biocombustível. Ah, e ela criou um software meio chato de eficiência de fluxo de trabalho para empresas como GE e Shell, além de um ‘Virtual Bartender‘ para a rede TGI Fridays.

A Hypergiant foi fundada há apenas dois anos, em 2018, mas a empresa já trabalhou com empresas como Booz Allen Hamilton, Shell, NASA, National Reconnaissance Office e Department of Homeland Security. A empresa surgiu tão rapidamente em parte porque não foi construída a partir do zero. Ele fundiu elementos já existentes: a compra de empresas de análise de imagens, o investimento em desenvolvedores de IA e tecnologia espacial, a serviço do cumprimento de seu slogan: “Tomorrow Today” (‘Amanhã hoje’).

Isso tudo parece bastante legítimo: agências governamentais sérias, empresas sérias, fortuna séria e Fortune 500. E essa influência provavelmente é parte do motivo pelo qual a divisão de P&D da Hypergiant pode, sem arriscar muito contragolpe, agora correr o risco de algo mais distante: Pesquisa OVNI. Na verdade, isso pode ser mais fundamentado e lucrativo do que parece.

A Hypergiant foi fundada pelo CEO Ben Lamm, um empresário em série que vendeu suas empresas anteriores para grandes nomes como Zynga e Accenture. Esta empresa, no entanto, ele pretende manter.

Depois que Lamm decidiu que queria iniciar a Hypergiant, ele disse em uma entrevista que ele e sua equipe começaram a debater onde a IA ainda poderia fazer uma grande diferença. Eles se estabeleceram em três áreas principais: Infraestrutura, como cadeias de suprimentos e logística; Defesa; e Espaço.

Na lista desses projetos no site da empresa, no entanto, o novo empreendimento OVNI não está relacionado. No entanto, o site da empresa lista alguns projetos como ‘editados’.

Mas Lamm fala sobre OVNIs, embora ele os chame de UAPs (sigla em inglês para Fenômenos Aéreos Não Identificados). É o termo que o pessoal interno e o governo introduziram para abandonar a bagagem que o termo ‘OVNI’ de décadas acumulou. Se você observar os três principais interesses da Hypergiant, diz Lamm, “os UAPs são o X no centro da cruz”.

Ele está interessado em descobrir se esses OVNIs vêm daqui ou lá de fora.

Ele diz:

A questão de saber se estamos sozinhos no universo é como ‘A Terra é plana?

Ele diz que “não” é a resposta para ambos, em sua mente.

O governo dos EUA recentemente manifestou interesse em OVNIs: a Marinha criou novas diretrizes para os soldados relatarem avistamentos; os congressistas receberam instruções classificadas; as autoridades falam de coisas estranhas no céu como uma ameaça imposta à segurança nacional.

Notavelmente, não há evidência que apoie diretamente a interpretação de que os OVNIs sejam de origem extraterrestre. De fato, os sinais apontam para uma direção diferente: a Marinha disse que os avistamentos de OVNIs estão em ascensão “consistentes com a ampla proliferação e disponibilidade de sistemas aéreos não tripulados baratos”, que são apenas drones baratos. As definições militares de ‘UAPs’ incluem objetos simplesmente não autorizados, não necessariamente não identificados.

Lamm aceita que o fenômeno possa ser apenas uma tecnologia terrena, e ele quer que a Hypergiant ajude a encontrar a verdade que existe por aí.

Ele disse:

Se isto vem de uma mulher ou um homem brilhante que constrói tecnologia insana em uma garagem em Iowa, devemos saber sobre isso. Independentemente do que seja o UAP e de origem terrestre ou não, acho importante (saber) para a segurança das pessoas.

A trajetória de pesquisa da Hypergiant explica exatamente o que os investigadores de OVNIs nunca tiveram: dados coletados de maneira sistemática. Nesse caso, dados em grande parte de satélites de observação da Terra.

A empresa planeja examinar esses dados com o software que está desenvolvendo, chamado CONTACT: Contextually Organized Non Terrestrial Active Capture Tool (Ferramenta de Captura Não Terrestre Ativa Contextualmente Organizada). Embora ainda esteja nos estágios iniciais, a empresa espera, versões adaptadas das ferramentas existentes da Hypergiant, como o Disaster Mapping System, e novas, para analisar imagens orbitais e aéreas em busca de anomalias.

Em sua futura forma final, o CONTACT analisará dados tridimensionais de satélites. Ou informações ‘volumétricas’, que revelam não apenas a localização de uma nave em termos de latitude, longitude e altitude. CONTACT detectará as diferenças entre imagens de satélites e sinalizará se, por exemplo, uma nave-mãe voar para um campo de visão ao meio-dia quando ela não estava lá onteml e depois determinará se é realmente apenas um jato em um ângulo estranho.

Para essa tarefa, a equipe está desenvolvendo uma rede neural que pode reconhecer aeronaves conhecidas.

Lamm diz:

Este é um helicóptero xyz. Esta é uma aeronave Raptor xyz. Este é um Boeing 737.

Esses vão para o lixo digital.

Para ajudar a treinar esses algoritmos de detecção de aeronaves, a Hypergiant está criando um sifão que aspira informações públicas sobre avistamentos assustadores no céu que as pessoas pensam não serem identificados, e os marca com locais e horários. O software então mergulhará nos arquivos de satélites e drones, coletará imagens das regiões e horas certas, e usará a visão computacional para encontrar objetos que estavam voando. Depois de comparar o que encontrar com as rotas aéreas conhecidas e rastrear todos os Boeings, os pesquisadores usarão o que resta como dados de treinamento para ajudar a IA a identificar OVNIs em futuras observações.

A Hypergiant posiciona o CONTACT como uma maneira de investigar mistérios cósmicos: descartar conhecidos terrestres em busca de possíveis incógnitas extraterrestres. Mas a ferramenta seria igualmente hábil em identificar incógnitas terrestres: drones experimentais e testes avançados de aeronaves militares, por exemplo. Por esse motivo, Lamm acredita que o CONTACT seria de grande interesse para autoridades com preocupações extremamente terrenas.

Ele diz:

É altamente valioso para grandes empresas de defesa, a Força Aérea, operadores de radar’.

Se tudo correr bem, o que geralmente não ocorre no espaço, os engenheiros da Hypergiant começarão a coletar seus próprios dados. Em um foguete programado para ser lançado em março, a Hypergiant enviará seu primeiro instrumento que pode fazer observações em 3D, na forma de uma carga transportada em um satélite maior. Os dados devem começar a retornar em abril ou maio.

Supondo que isto funcione, o primeiro satélite da constelação de mais de 30 orbitais de Lamm será lançado no outono, nas missões Cygnus NG-14 e SpaceX SpX-21. E então, presumivelmente, outros 29 serão lançados e assim por diante. E então, talvez, a startup mostre dados que iluminarão o que falamos quando falamos sobre UAPs, OVNIs ou quaisquer acrônimos que alguém invente mais tarde.

Para ver se tudo isso acontece ou não, teremos que esperar até que hoje se torne amanhã.

(Fonte)

Colaboração: MaryH


Utilizar satélites para procurar por OVNIs parece ser uma excelente ideia e talvez seja o advento do estudo com o rigor científico desses misteriosos objetos. A questão que ainda fica é: eles irão liberar suas descobertas ao público, já que provavelmente os militares serão seus maiores clientes?

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.