Seriam verdadeiros os misteriosos crânios alienígenas da Antártica?

Tempo de leitura: 5 min.

Na região mais distante e mais gelada do hemisfério sul do planeta, está o lugar mais frio, mais seco e mais isolado do mundo.

Seriam verdadeiros os misteriosos crânios alienígenas da Antártica?

A Antártica é uma vasta terra de montanhas, gelo, tundra e frio extremo, e inóspito, a qual se mantém relativamente inexplorada e desabitada mesmo quase 200 anos após sua descoberta inicial.

No entanto, à medida que a tecnologia melhora e o crescente desejo da humanidade de empurrar os limites de nossa compreensão de nosso planeta nos impulsiona para a frente, estamos apenas começando a arranhar a superfície da miríade de mistérios da Antártica. O que estamos descobrindo é que o continente mais remoto e extremo da Terra é ainda mais estranho do que jamais havíamos pensado. Todo esse tipo de estranheza, tudo, desde bases nazistas, OVNIs quebrados, assombrações, navios fantasmas que parecem ter surgido do nada foram reivindicados neste lugar remoto, e aqui apresentaremos o momento em que, aparentemente, crânios alienígenas foram encontrados lá também.

Antes de entrar no assunto, talvez seja importante primeiro entender o quão vasto, proibido e inóspito esse reino é esse.

A Antártica cobre uma área de 14,0 milhões de km2, que é aproximadamente o dobro do tamanho da Austrália ou uma vez e meia o tamanho dos Estados Unidos, tornando-o o quinto maior continente do mundo. Embora seja 98% coberto de gelo, com mais de 1,6 quilômetros de espessura na maioria dos lugares, a Antártica é considerada um dos lugares mais secos do mundo, com apenas 200 mm de precipitação anual ao longo de sua costa e muito menos Interior.

O frio nesta terra soprada pelo vento é impressionante, com temperaturas mortais chegando a -89 °C. Por esse motivo, a habitação humana do continente é limitada e não há assentamentos permanentes. Na maioria das vezes, a extensão da habitação humana consiste em estações de pesquisa que representam muitos países, espalhadas em todo o continente e envolvidas em várias atividades científicas.

Para uma massa de terra tão grande, a Antártica permaneceu por muito tempo um mito, uma terra perdida que já foi conhecida como Terra Australis Incognita, ou ‘Terra do Sul Desconhecida’, cuja existência por um longo tempo permaneceu quase uma missão lendária e a desgraça de muitos expedições fracassadas para localizá-la.

Embora a especulação e as lendas de sua existência existiam há muito tempo e existissem descobertas de alguns dos seus icebergs e ilhas satélites, o continente antártico não foi realmente descoberto até 1820, quando uma plataforma de gelo continental foi descoberta por uma expedição russa liderada por Fabian Gottlieb Von Bellingshausen e Mikhail Lazarev a bordo do Vostok e Mirny.

Mesmo após essa descoberta, o continente gelado permaneceu quase todo negligenciado e esquecido no fundo do mundo, pois ninguém estava disposto a enfrentar as condições extremamente hostis desse deserto extremo e desconhecido. Não foi até 1911 que os primeiros seres humanos penetraram com sucesso no interior da Antártica, quando o explorador norueguês Roald Amundsen e outros quatro membros da expedição se tornaram os primeiros a chegar ao Pólo Sul após uma perigosa jornada por terra.

No século seguinte, a Antártica permaneceu em grande parte um reino inexplorado de frio e gelo e pouco compreendido, e só recentemente foi que o aprimoramento da tecnologia e das imagens de satélite nos ajudaram a realmente começar a arranhar a superfície de seus mistérios frígidos.

Mesmo assim, os mistérios da Antártica são profundos, e o que estamos descobrindo aqui no fundo do mundo está apresentando mais perguntas do que respostas. À medida que examinamos mais profundamente o gelo e sondamos mais profundamente as bordas do que sabemos sobre esse lugar hostil e perigoso, a Antártica está se mostrando muito mais do que o enorme pedaço de gelo que se pensava ser. No entanto, entre todas as descobertas genuínas que são feitas o tempo todo, estão os relatos mais marginais, e é aqui que chegamos aos crânios alienígenas.

Em 2014, uma história surpreendente e chocante começou a rondar, quando foi anunciado que, naquele terreno baldio gelado, supostamente na área chamada La Paille, Antártica, haviam sido descobertos três crânios incomuns, descritos como tendo crânios alongados com cavidades oculares ampliadas e possivelmente com até mil anos de idade. Dando o peso da história, não foram apenas esses crânios bizarros desenterrados, mas eles foram descobertos pelo respeitado arqueólogo do Instituto Smithsoniano, Damian Waters, e sua intrépida equipe. Waters foi citado em artigos iniciais sobre o assunto como proclamando com entusiasmo:

Simplesmente não podemos acreditar. Não encontramos apenas restos humanos na Antártica, encontramos crânios alongados. Eu tenho que me beliscar toda vez que acordo, simplesmente não consigo acreditar. Isso redefinirá nossa visão da história da humanidade como um todo.

Assim que a história foi divulgada, houve especulações imediatas sobre o que tudo isso poderia significar. Uma ideia era que esses eram os restos dos povos antigos que praticavam a deformação do crânio, uma tradição presente em algumas culturas nas quais o crânio fica preso ou de outra forma impedido em seu crescimento, fazendo com que se torne deformado por vários motivos religiosos ou culturais. Se isso fosse verdade, ainda assim seria visto como uma descoberta surpreendente, já que a idade dos crânios misteriosos sugeriria que humanos haviam visitado a Antártica muito antes da descoberta mais recente do continente gelado.

É claro que havia também a ideia de que esses não eram crânios humanos, mas sim restos de seres alienígenas ou mesmo híbridos humano-alienígena de algum tipo. Esta é uma noção lançada em torno de uma variedade de crânios alongados e anômalos que são descobertos de tempos em tempos em todo o mundo, em lugares distantes como Peru, Egito, Malta, Reino Unido e outros, e o próprio arqueólogo Waters acreditava nessa possibilidade, dizendo sobre os crânios da Antártica:

Esses crânios alongados são muito maiores do que os crânios humanos normais. A deformação craniana proposital pode alterar a forma de um crânio, mas não pode aumentar o volume do crânio. Além disso, esses crânios têm muitas outras características físicas importantes que os diferenciam dos crânios humanos normais.

Crânios anômalos em exposição no Peru

A história bizarra logo se tornou viral e estava sendo discutida em todo o lugar, mas se você é cético quanto à possibilidade de crânios alienígenas antigos serem encontrados enterrados na Antártida, então você não está sozinho. Enquanto muitos na Internet acreditaram no fantástico conto, ajudados pelo suposto pedigree científico de quem os descobriu e por suas declarações aparentemente autoritárias sobre o assunto, outros não ficaram satisfeitos e começaram a ver falhas. Uma das coisas que foi notada é que não está claro se o local onde os crânios foram encontrados, La Paille, é mesmo um lugar real.

Jason McClellan, da openminds.tv, disse isso:

Aproximadamente noventa e oito por cento do continente da Antártica estão cobertos de gelo. A Antártica tem estações de pesquisa, mas não cidades, por isso não está claro onde La Paille deveria estar na Antártica.

Blunter ainda é um artigo no site Skeptophilia, que o descarta como um lugar real, dizendo:

Parece não haver uma região chamada La Paille na Antártica. Paille é francês para palha, algo que eu não vi muito nas fotografias que vi da Antártica, por isso é um pouco difícil entender porque alguém nomearia um lugar lá em La Paille.

Se este não é um local real, ele já envia uma bandeira vermelha sobre a veracidade do relatório. Talvez o mais surpreendente ainda seja que a história se origina com um artigo intitulado “3 Crânios Alongados Encontrados na Antártica”, publicado em 2 de abril de 2014 em um site de notícias de entretenimento chamado American Live Wire, que foi criticado por publicar notícias falsas no passado, e esse artigo foi seguido por um artigo quase idêntico no World News Daily, que também não é considerado a fonte mais confiável.

Ambos os artigos mostram as mesmas imagens dos crânios e fazem as mesmas afirmações, e nenhum deles fornece qualquer fonte concreta para suas informações, o que se torna ainda mais interessante, pois foi descoberto que o próprio Instituto Smithsoniano nunca publicou um relato da descoberta. Se fosse uma descoberta tão inovadora, por que ela seria publicada apenas nesses dois sites de notícias questionáveis ​​e não no Newsdesk do Smithsoniano? Em vez disso, todas as histórias nos crânios da Antártica podem ser rastreadas até esses dois artigos originais, o primeiro dos quais foi publicado em 2 de abril, por volta do dia da mentira.

Há mais. Quando o site Skeptophilia fez sua própria investigação sobre a história, eles não precisaram se esforçar muito para descobrir que não apenas as imagens dos crânios dos dois artigos originais eram na verdade imagens de crânios alongados completamente diferentes mantidos no Museu Regional de Ica, no Peru, mas em nenhum lugar eles encontraram evidências de um Damien Waters com o Smithsoniano. Tomado com tudo o que está errado sobre a coisa toda, fica fácil imaginar que esse era provavelmente um relato completamente fabricado que conseguiu invadir a mente das pessoas com a promessa de mistérios alienígenas nesse distante domínio frígido. O Skeptophilia disse de maneira divertida sobre Waters e seus crânios alienígenas na Antártica:

Eu suspeito que ele (Waters) foi inventado, junto com os crânios e La Paille e tudo mais sobre a história. É uma pena mesmo. Dado o cachê que a Antártica possui, seria legal se houvesse algum tipo de mistério estranho lá embaixo, ou pelo menos algo além de pinguins, focas-leopardo, ventos fortes e uma corrente de gelo.

Sim, certamente seria legal, e a Antártica é um daqueles lugares que desperta a imaginação em tais coisas.

Apesar de todo o ceticismo, ainda há muitas pessoas que pensam que esses crânios são verdadeiros, e não é preciso procurar muito para encontrar salas de bate-papo e tópicos dedicados a essa conversa, com acusações de acobertamento espalhadas liberalmente.

No final, todas as evidências mostram que é mais provável que isso tenha sido uma brincadeira elaborada de algum tipo, mas é curioso ver o quanto o público está disposto a se apegar a essas histórias falsas e sustentá-las como reais sem realmente verificar os fatos.

Algum crânio alienígena foi descoberto na Antártica? Talvez sim, talvez não. Mas independentemente de qual seja a verdade, essa vasta extensão de terras áridas longe da civilização continuará, sem dúvida, a atrair tais contos por algum tempo.

(Fonte)


Não acredito em bruxas, mas que elas existem, existem sim.😊

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.