O Irã detectou algo voando a Mach 10: OVNI ou o mais novo drone dos EUA?

Tempo de leitura: 3 min.

Ponto chave: é improvável que o novo UAV (Veículo Aéreo Não Tripulado – “drone”) seja capaz de voo hipersônico a 10 vezes a velocidade do som (Mach-10) – o Pentágono ainda está lutando para alcançar o Mach-5.

O Irã detectou algo voando a Mach 10: OVNI ou o mais novo drone dos EUA?
Um F-14 Tomcat lançando um míssil AIM-54 Phoenix. Crédito: Marinha dos EUA.

O Irã é o único outro país, além dos Estados Unidos, a operar as aeronaves interceptoras mais poderosas da história, o F-14 Tomcat. E a república islâmica trabalhou duro com os caças bimotores.

Os F-14 desempenharam um papel importante na guerra do Irã com o Iraque de 1980 a 1988. Os pilotos iranianos do Tomcat foram os únicos a empregar com sucesso o míssil AIM-54 Phoenix de longo alcance e pesado do F-14 para abater aviões inimigos.

Nas décadas após a guerra, Teerã reparou e aprimorou os F-14 sobreviventes, vasculhando o mundo em busca de peças, desafiando o embargo do governo dos EUA.

Os americanos aposentaram seus F-14 em 2006, mas cerca de 40 dos Tomcats do Irã continuam ativos. Seu principal papel é defender as instalações nucleares do Irã. É uma missão que colocou os interceptadores em contato próximo com algumas aeronaves muito misteriosas, de acordo com uma história bizarra e fascinante de 2013 na revista Combat Aircraft, pelo repórter Babak Taghvaee.

Os iranianos acreditavam que essas aeronaves eram drones espiões pertencentes à Agência Central de Inteligência dos EUA, enviados para farejar o suspeito programa de armas atômicas de Teerã. Mas eles atribuem a essas supostas características e capacidades de voo de veículos aéreos não tripulados muito além do que qualquer drone conhecido pode alcançar.

E em 2012, um dos supostos drones também abateu um F-14 tentando interceptá-lo. Ou pelo menos alguns iranianos parecem realmente acreditar nisso.

Ao longo das décadas, Teerã construiu três grandes instalações nucleares que poderiam, em teoria, ser usadas para montar armas atômicas: reatores em Bushehr e Arak e uma planta de enriquecimento em Natanz.

Essa infraestrutura se tornou de conhecimento público em 2002. Sem dúvida, a CIA teve um forte interesse, potencialmente muito antes dessa data. “Vários UAVs de reconhecimento foram enviados para coletar informações, em preparação para um possível ataque” pelas forças ocidentais, escreveu Taghvaee.

Para proteger as instalações nucleares, em 2004, o Irã implantou uma força-tarefa composta por oito caças F-4E e oito F-14, além de um avião 707 (usado anteriormente na área comercial) e um avião de carga C-130 equipado com sensores e rádios para comando e controle. A força-tarefa encontrou o que acreditava serem os drones da CIA com “características surpreendentes de voo”.

Os “drones” podiam bloquear os radares e interromper os sistemas de navegação dos interceptadores. Eles voaram “fora da atmosfera” a velocidades de até Mach 10. Eles poderiam pairar. Voando à noite, eles emitiram uma luz azul reveladora que levou ao apelido: “objetos luminosos”.

Taghvaee escreveu:

Em vários casos … os F-14 os enfrentaram, mas não conseguiram operar adequadamente seus sistemas de armamento.

Um Tomcat decolando para interceptar um objeto luminoso em 26 de janeiro de 2012 explodiu misteriosamente, matando os dois tripulantes. Taghvaee implica que o suposto drone foi de alguma forma responsável, já que o F-14 em questão era “um dos mais aptos” dos 40 Tomcats que estavam em serviço na época.

Não é preciso dizer que a CIA e o Pentágono provavelmente voam aeronaves de reconhecimento perto e até mesmo sobre as usinas nucleares iranianas. Em 2012 e 2013, caças iranianos tentaram interceptar drones American Predator no espaço aéreo de Teerã. No incidente de 2013, um caça Stealth F-22 da Força Aérea dos EUA bloqueou a interceptação com algumas ações do tipo Top Gun.

Em 2009, a Força Aérea lidou com a existência de um novo drone anteriormente secreto operado em conjunto com a agência de inteligência. O RQ-170 Sentinel estava localizado no sul do Afeganistão, a uma curta distância do Irã. Em dezembro de 2011, um Sentinel caiu na fronteira Afeganistão-Irã e foi capturado por tropas iranianas.

Nem o Predator nem o Sentinel voam fora da atmosfera, nem podem pairar ou brilhar em azul. E também não tem energia elétrica para embaralhar radares e equipamentos de navegação.

Existem muitos boatos de que a Força Aérea e a CIA operam um novo drone furtivo que não foi divulgado ao público. Mesmo se o fizerem, é improvável que o novo UAV seja capaz de voar hipersônico Mach 10 – o Pentágono ainda está lutando para alcançar Mach 5.

Então, se os F-14 iranianos realmente estão perseguindo OVNIs super-rápidos, super-voadores e letais, o que exatamente são? Quem sabe?

(Fonte)


Aparenta ser muito improvável que há mais de uma década os EUA seriam capazes de possuir naves que poderiam voar dentro e fora da atmosfera a velocidades 10 vezes da do som e brilharem azul. Nem hoje eles têm isso.

Isso mostra mais uma vez a possibilidade de que “outras inteligências” monitoram e se preocupam com as instalações nucleares, não só nos EUA e Rússia, mas em qualquer outro país que esteja “brincando com fogo”. 

Não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

n3m3

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.