Essa nova câmera poderá detectar vida extraterrestre

Tempo de leitura: 2 min.

Os cientistas do National Institute of Standards and Technology – NIST criaram recentemente uma das câmeras com o maior desempenho já conseguido, composta por sensores que contam fótons únicos ou partículas de luz.

Essa nova câmera poderá detectar vida extraterrestre
Cientista Varun Verma no laboratório de desenvolvimento do NIST.

A câmera é composta por sensores feitos de nanofios supercondutores, que podem detectar fótons únicos. Segundo os cientistas, a câmera poderia ser usada em futuros telescópios espaciais, procurando sinais químicos de vida em outros planetas, e em novos instrumentos projetados para procurar a indescritível ‘matéria escura‘ que acredita-se constituir a maioria das ‘coisas’ presentes no Universo.

Curiosamente, os detectores de nanofios têm as menores taxas de contagem escura de qualquer sensor de fótons. Enquanto isso, eles podem ignorar sinais falsos gerados por ruído. Esse recurso é especialmente útil ao procurar matéria escura.

O tamanho da câmera é de 1,6 milímetros de comprimento. Ela possui 1.024 sensores (32 colunas por 32 linhas) para criar imagens de alta resolução.

Os cientistas usaram um processo complicado para desenvolver esta câmera. Os nanofios, feitos de uma liga de tungstênio e silício, têm cerca de 3,5 milímetros de comprimento, 180 nanômetros (nm) de largura e 3 nm de espessura. A fiação é feita de nióbio supercondutor.

O principal desafio foi descobrir como coletar e obter resultados de tantos detectores sem superaquecer. Os especialistas expandiram uma arquitetura de “leitura” que demonstraram anteriormente com uma câmera menor de 64 sensores, que inclui informações das linhas e colunas, o que dá um passo em direção ao atendimento das necessidades da NASA.

O engenheiro de eletrônica do NIST, Varun Verma, disse:

Minha principal motivação para fabricar a câmera é o projeto Telescópio Espacial Origins da NASA, que está estudando o uso dessas matrizes para analisar a composição química de planetas que orbitam estrelas fora do nosso sistema solar. Cada elemento químico na atmosfera do planeta absorveria um conjunto único de cores.

A ideia é observar os espectros de absorção de luz que passam pela borda da atmosfera de um exoplaneta enquanto ele transita na frente de sua estrela-mãe. As assinaturas de absorção informam sobre os elementos na atmosfera, particularmente aqueles que podem dar início à vida, como água, oxigênio e dióxido de carbono. As assinaturas desses elementos estão no espectro de infravermelho médio ao distante, e ainda não existem matrizes de detectores de contagem de fótons para áreas grandes para essa região do espectro, por isso recebemos uma pequena quantia de financiamento da NASA para ver se podemos ajudar a resolver esse problema.

O desempenho da câmera foi medido pelo Jet Propulsion Laboratory (JPL) no Instituto de Tecnologia da Califórnia em Pasadena, Califórnia. O JPL possui a eletrônica necessária devido ao seu trabalho em comunicações ópticas no espaço profundo. O trabalho foi apoiado pela NASA e pela Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa. Os resultados são relatados na revista Optic Express.

(Fonte)

Colaboração: heliojuni


Esperemos que não guardem os resultados de suas análises dos exoplanetas só para eles.

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.