web analytics
OVNI Hoje!
Notícias diárias sobre OVNIs / UFOs, vida extraterrestre, bem como assuntos impactantes relacionados ao Universo e à Terra.

Eugene Shoemaker: o único ser humano “sepultado” na Lua

Tempo de leitura: 3 min.

Eugene Shoemaker não pôde ir ao espaço devido a uma doença, mas a NASA o honrou ao torná-lo o único homem “sepultado” na Lua.

Eugene Shoemaker: o único ser humano "sepultado" na Lua

É possível que em julho de 1969, quando a Apolo 11 chegou à Lua e Neil Armstrong tenha dado seus primeiros passos no satélite, alguém tenha imaginado que nas décadas seguintes haveria assentamentos humanos lá em cima.

Mais de meio século depois, estamos longe de algo assim acontecer. No entanto, já existe um homem cujos restos mortais descansam para sempre entre as crateras e a poeira lunares.

Falamos de Eugene Shoemaker, nascido em Los Angeles (Estados Unidos) em 1928, um cientista que merece ser conhecido não apenas pela singularidade de sua última morada, mas por tudo o que contribuiu para o conhecimento da vida.

De fato, alguns o consideram o fundador da astrogeologia porque ele mostrou que muitos acidentes geográficos, tanto a Terra como outros corpos celestes, não eram vulcões antigos, mas o resultado do impacto de um meteoro.

Começou na cratera Barringer, localizada no Arizona. Depois de estudar Física, ele dedicou sua tese de doutorado para provar que ela foi formada há 50.000 anos.

Eugene Shoemaker: o único ser humano "sepultado" na Lua
Cratera Berringer, Arizona – EUA.(Wikipedia Commons)

A presença de coesita e stishovita deu-lhe a pista: um meteoro havia causado aquele imenso buraco, como alguns sugeriram e ninguém havia sido capaz de provar.

A partir daí, ele inaugurou e começou a dirigir o Programa de Pesquisa Astrogeológica do USGS (United States Geological Survey) em 1961.

Como a Lua estava cheia de crateras para estudar, Shoemaker entrou no programa Apolo e participou do treinamento dos astronautas. A ideia era que ele pudesse instruí-los sobre o tipo de rochas que seriam encontradas quando chegassem ao satélite.

Aparentemente, ele próprio entrou na lista de possíveis candidatos para se tornar um astronauta, passear na Lua e coletar as amostras que lhe interessassem, de acordo com seus critérios como geólogo. No entanto, uma doença cruzou seu caminho e frustrou esses planos.

Ele foi diagnosticado com a doença de Addison, um distúrbio raro que ocorre quando as glândulas supra-renais, localizadas na parte superior de cada rim, não produzem hormônios suficientes.

Shoemaker então treinou seu discípulo, Harrison Schmitt, para fazer a viagem e coletar amostras geológicas lunares. Schmitt se tornou o décimo segundo e último homem a pisar na Lua, e o primeiro cientista a fazê-lo, uma vez que todos os outros astronautas eram pilotos e engenheiros.

Ao analisar as crateras, ele estudou os asteroides que os causaram.

Desde 1969, ele se dedicou a essa tarefa no Instituto de Tecnologia da Califórnia e um de seus maiores sucessos ocorreu décadas depois, quando em 1993 ele se tornou o co-descobridor do cometa Shoemaker-Levy 9, que um ano depois atingiu Júpiter.

Foi a primeira vez que o impacto de um cometa em um planeta foi observado. Uma colisão extraterrestre entre objetos do Sistema Solar nunca havia sido vista diretamente.

Os outros co-descobridores foram sua esposa, Carolyn Shoemaker, e o astrônomo David Levy.

Eugene e sua esposa Carolyn.

Eugene Shoemaker morreu em um acidente de carro na Austrália em 1997, mas sua história não termina aqui.

A NASA queria reconhecer suas grandes contribuições para a ciência e o programa espacial, por isso incluiu suas cinzas na sonda espacial Lunar Prospector, lançada no espaço em 1998.

Depois de coletar dados orbitando a Lua, ela caiu de maneira controlada contra sua superfície em 31 de julho de 1999. Presumivelmente, o impacto não causou uma grande cratera, mas espalhou seus restos mortais.

Segundo o divulgador Miguel Artime, as cinzas de Shoemaker estavam em uma pequena cápsula de policarbonato com seu nome gravado.

Além disso, ele foi acompanhado por uma imagem do cometa Hale-Bopp e outra da cratera do Arizona com a qual ele havia iniciado sua carreira. Ele demonstrou que, para entender as coisas abaixo, às vezes é preciso procurar lá em cima.

(Fonte)


n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe esta informação com a galáxia!

[Sassy_Social_Share]



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site.

Clique aqui para apoiar através do site Apoia.se, ou use o botão abaixo:


*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:

(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.

Obs: A versão AMP do site não possui área de comentários. Para comentar, favor acessar o OVNI Hoje sem a extensão /amp no endereço do artigo, ou acesse através do seu computador desktop.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More