Testemunhando a destruição de um asteroide

Tempo de leitura: 2 min.

O cinturão de asteroides, que fica entre Marte e Júpiter, não é como o campo de detritos desordenados no filme ‘O Império Contra-Ataca‘. Ele pode conter milhões de objetos rochosos e metálicos, mas as distâncias que os separam são vastas e as colisões são raras.

Testemunhando a destruição de um asteroide
Quando os asteroides se rompem, eles deixam um rastro revelador de detritos e poeira. Crédito: NASA / JPL-Caltech

É isso que faz do P/2016 G1 um objeto tão emocionante. Visto através do cinturão de asteroides no início de 2016, esse objeto tinha uma órbita estranha e uma camada de poeira que lembrava um cometa. Através de uma análise cuidadosa das imagens telescópicas, os cientistas identificaram vários chuveiros de detritos que disparavam de sua superfície, do tipo que só poderia ser produzido por um impacto.

O que eles encontraram não foi um cometa, mas as consequências imediatas do assassinato de um asteroide.

Por volta de 6 de março de 2016, um asteroide de pelo menos 400 metros de diâmetro ocupava-se de seus próprios negócios quando outra rocha espacial, pesando cerca de 1.000 quilos, atingiu o asteroide maior a cerca de 18.000 quilômetros por hora. Isso é cerca de cinco vezes mais rápido que uma bala disparada de um rifle sniper. O projétil foi destruído após o impacto; o alvo então se dividiu em etapas nos próximos meses antes de se tornar impossível de ser visto.

Sem essa colisão, esses dois pequenos objetos permaneceriam para sempre anônimos. Em vez disso, os cientistas obtiveram uma visão acidental da destrutibilidade dos asteroides, o que poderia ajudar a defender a Terra contra futuros riscos de asteroides. Afinal, “a melhor maneira de ver quão dura uma coisa é, basta quebrá-la”, disse Olivier Hainaut, astrônomo do Observatório Europeu do Sul e principal autor do estudo publicado no início deste ano em Astronomy & Astrophysics.

Os astrônomos descobriram o P/2016 G1 com o telescópio Pan-Starrs1, no Havaí, em abril de 2016. Retrocedendo através de imagens arquivadas, os astrônomos perceberam que ele havia sido visível no mês anterior pela primeira vez como uma coleção centralizada de aglomerados rochosos: os restos fraturados do asteroide cercados por uma fina nuvem de poeira, provavelmente os detritos imediatos foram descartados pelo impacto.

Nas semanas seguintes, um anel de detritos em expansão também pôde ser visto emergindo do objeto. Simulações em computador revelaram que este era o começo de um cone de entulho elevado, uma característica marcante de um evento de impacto.

Depois que a nuvem inicial de detritos foi criada, o processo de cratera perdeu energia e os fluxos subsequentes de detritos foram mais lentamente escavados na nova cicatriz do asteroide. Na Terra, esse anel de detritos pousaria em torno da cratera. Mas em um pequeno asteroide com pouca gravidade, esse anel de destroços simplesmente voou para o espaço, expandindo-se à medida que avançava.

Não há uma data clara em que o asteroide desapareceu.

O Dr. Hainaut disse:

Documentar o desaparecimento do P/2016 G1 foi como rastrear uma gota de leite em seu café. Os pedaços se espalham e desaparecem individualmente. De qualquer forma, em dezembro de 2018, o asteroide não podia mais ser visto.

Embora o asteroide possa ter desaparecido, os dados coletados podem ser úteis no futuro. Com tempo de aviso suficiente, um asteroide que se dirigisse para a Terra seria idealmente desviado ao colidir com uma espaçonave a velocidades notáveis. Mas um impacto excessivamente zeloso poderia quebrar um asteroide em fragmentos que ainda poderiam desastrosamente cair na Terra.

Saber que tipos de impactos causam desvios e interrupções é essencial para a proteção da Terra contra asteroides errantes. Isso torna o desaparecimento do P/2016 G1 uma fonte vital de informação, disse Megan Bruck Syal, pesquisadora de defesa planetária no Laboratório Nacional Lawrence Livermore, que não participou do estudo.

Esse evento espetacularmente documentado pode não ser tão raro por muito mais tempo. Pesquisas cada vez mais abrangentes de varredura do céu, incluindo o Grande Telescópio de Pesquisa Sinóptica no Chile, capturarão muitos desses impactos na câmera, dando aos pesquisadores de defesa planetária mais dados para estudarem em simulações de ponta.

(Fonte)

Colaboração: eduardosantossobrinho janaosou

——-

A verdade é que ainda somos muito vulneráveis a possíveis ataques de asteroides e, considerando a tecnologia que dizem que temos, ainda não conseguiremos nos safar de uma rocha gigantesca.

n3m3

Você pode ajudar na manutenção do OVNI Hoje. Clique aqui para saber mais, ou use o botão abaixo:



ATENÇÃO: Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…

-------

BOMBANDO NO planetaabsurdo.com.br:

PRESENTE PARA BEBÊ COMPRADO EM LOJA DA FLÓRIDA CONTINHA UM RIFLE CARREGADO

-------

AVISO: Todos são bem-vindos a participar da área de comentários abaixo. Contudo, os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprios autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências ou conflitos por eles causados.

Também informamos que, a fim de não causar distrações e conflitos desnecessários, comentários, avatares e pseudônimos com viés político, seja de qual ideologia for, serão prontamente apagados quando encontrados pelos moderadores. O foco dos comentários deve ser mantido no assunto de cada artigo e somente desviado quando for pertinente ao tema do OVNI Hoje.

Assim, colabore com o bom andamento dos comentários, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando comentários fora do padrão como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.