Objetos estranhos observados por astrônomos

Tempo de leitura: 3 min.

O espaço é a fronteira final e o mistério final. Embora daqui, na Terra, e de nossos limitados empreendimentos fora do planeta, tenhamos coletado uma grande quantidade de dados sobre os acontecimentos do espaço, mesmo muito além do nosso sistema solar, ainda há muito que permanece enigmático e sem resposta.

Objetos estranhos observados por astrônomos
Imagem meramente ilustrativa.

O cosmos ainda guarda alguns segredos de nós, e de vez em quando surge algo incomum que nos leva a repensar nossas antigas concepções da mecânica celeste. Entre as muitas excentricidades do céu noturno observadas pelos astrônomos ao longo dos séculos, há estranhas, muitas vezes nebulosas, luzes que aparecem em lugares onde não deveriam.

Às vezes, assemelhando-se a estrelas ou cometas, esses objetos são separados das observações astronômicas mais convencionais, devido a seus movimentos peculiares e outros comportamentos atípicos.

Há uma longa história de tais observações, apesar de um número modesto de relatos que podem ser considerados genuinamente anômalos.

Já em 1612, o astrônomo alemão Christopher Scheiner havia feito inúmeras observações de Júpiter e de suas luas. Nos esboços de suas observações, há um objeto além das luas conhecidas de Júpiter, como hoje reconhecidas. Esse objeto, embora incluído nos desenhos de Scheiner, parece ter desaparecido ao longo das observações em andamento do astrônomo.

De acordo com Scheiner, o objeto apareceu pela primeira vez brilhante e parecido com uma estrela, assim como os outros satélites jovianos, mas entre 30 de março e as primeiras semanas de abril, o objeto começou a escurecer e acabou desaparecendo de vista. O objeto está ausente nos desenhos posteriores de Scheiner, aparentemente indicando que a misteriosa ‘lua’ joviana havia desaparecido.

Um fenômeno semelhante foi registrado nos primeiros anos do século XIX pelo astrônomo Hofrath Huth, que em 1802 descreveu a visão de uma estrela redonda que produzia “fraca luz avermelhada” na área de Theta e Delta Leonis. O objeto também não era estacionário e, embora Huth o considerasse uma ‘estrela em movimento’, seu caminho indicava um movimento retrógrado em oposição ao de outras estrelas e objetos celestes. O objeto foi observado entre os primeiros seis dias de janeiro, cujo início viu a ‘estrela’ ser ligeiramente menor que as luas de Júpiter. No entanto, em 6 de janeiro, o estranho objetomdesapareceu e não foi mais visto, exceto por uma única observação no ano seguinte do astrônomo russo Cornelius Reissig.

Uma observação semelhante de um objeto nebuloso e incomum ocorreu mais de três décadas depois, em maio de 1835, quando o astrônomo italiano Niccolò Cacciatore observou uma estrela de oitava magnitude não identificada em sua estação de observação em Palermo. Ele observava a estrela 503 do catálogo de Mayer com um círculo de Ramsden (um antigo instrumento astronômico projetado pelo matemático Jesse Ramsden para medir as posições dos objetos astronômicos). Na primeira noite de observação, a nova estrela apareceu atrás da estrela 503, mas na noite seguinte pareceu precedê-la. Depois disso, a misteriosa ‘estrela’ nunca foi detectada novamente.

A maioria dos avistamentos de tais objetos no registro científico ocorreu durante ou antes do século XIX, após o qual a maioria dos objetos semelhantes foi classificada como provável cometa ou, em alguns casos, classes incomuns de asteroides, como o objeto de Reinmuth, observado pela primeira vez em Abril de 1932.

Houve alguns casos notáveis ​​em que objetos semelhantes a estrelas foram vistos se movendo pelo espaço mais recentemente. Uma circunstância notável desse tipo envolveu o astrônomo Frank Clark que, em setembro de 1956, notou um objeto parecido com uma estrela passando perto do planeta Marte. Ele foi capaz de rastrear brevemente o objeto, que tinha uma cor amarelada. Esse avistamento é digno de nota porque ocorreu pouco mais de um ano antes de a União Soviética lançar o primeiro satélite artificial em órbita em 4 de outubro de 1957, aparentemente descartando quaisquer objetos espaciais de origem artificial.

Por mais fugazes que essas observações tenham sido, sua presença no céu noturno permanece misteriosa. “Estrelas em movimento” como essas servem como lembretes de que ocasionalmente existem coisas incomuns vistas pelos astrônomos, as quais, por mais inócuas que sejam, desafiam simples classificação ou explicação.

(Fonte)


E a maioria deles ainda se recusa a acreditar que os OVNIs existem, embora eles mesmos os avistem o tempo todo.

n3m3

Você pode ajudar na manutenção do OVNI Hoje. Clique aqui para saber mais, ou use o botão abaixo:



ATENÇÃO: Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…

-------

BOMBANDO NO planetaabsurdo.com.br:

PRESENTE PARA BEBÊ COMPRADO EM LOJA DA FLÓRIDA CONTINHA UM RIFLE CARREGADO

-------

AVISO: Todos são bem-vindos a participar da área de comentários abaixo. Contudo, os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprios autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências ou conflitos por eles causados.

Também informamos que, a fim de não causar distrações e conflitos desnecessários, comentários, avatares e pseudônimos com viés político, seja de qual ideologia for, serão prontamente apagados quando encontrados pelos moderadores. O foco dos comentários deve ser mantido no assunto de cada artigo e somente desviado quando for pertinente ao tema do OVNI Hoje.

Assim, colabore com o bom andamento dos comentários, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando comentários fora do padrão como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.