Alternativos vs Paralelos. Quais universos realmente existem?

Tempo de leitura: 5 min.

Se você não quiser “cozinhar” seu cérebro, não leia o seguinte artigo sobre cosmologia, falando de possíveis diferentes tipos de universos.

Alternativos vs Paralelos. Quais universos realmente existem?
Crédito: Detlev Van Ravenswaay/Science Photo Library/Corbis

Por Joshua Hehe

Minha citação favorita de todos os tempos é da linha de abertura do livro de Carl Sagan, Cosmos, que afirma que: “O Cosmos é tudo o que é ou já foi ou será”.

A questão é que, nos tempos antigos, isso simplesmente significava o universo e nada mais. Hoje em dia, porém, os cosmologistas contemporâneos passaram a acreditar que nosso universo é apenas um contínuo no espaço-tempo entre muitos outros. Acredita-se que todos esses universos separados existem no que é chamado de ‘multiverso’. De acordo com a hipótese básica, esses universos compreendem coletivamente tudo o que existe: a totalidade de todo o espaço, tempo, massa e energia, bem como as leis e constantes físicas que os descrevem. Essa ideia existe há algum tempo, mas só se tornou popular nos tempos modernos.

O filósofo americano William James usou o termo ‘multiverso’ em 1895, mas ele estava se referindo a algo diferente. Não foi até 1952 que o famoso físico Erwin Schrodinger afirmou que suas equações pareciam descrever várias histórias diferentes do universo, que “não eram alternativas, mas todas realmente acontecem simultaneamente”. O termo ‘multiverso’, em seguida, encontrou seu caminho na ficção científica em 1963 na novela de Michael Moorcock “The Sundered Worlds“. Desde então, o multiverso tornou-se cada vez mais popular na grande mídia, então o termo está a caminho de se tornar uma palavra familiar.

Ao longo dos anos, os físicos apresentaram várias ideias sobre coisas como dimensões extras e diferentes tipos de universos. Como parte disso, o que vários cientistas diferentes chamaram de hiperespaço, o meta-universo e espaço em massa é, na verdade, tudo a mesma coisa, em muitos aspectos. Eu me refiro a isso como o ‘universo’ em muitos.

A questão é que esses termos são essencialmente sinônimos da palavra multiverso. Por exemplo, uma maneira de pensar nisso é que o universo está expandindo. Eu descrevi completamente esse processo no ensaio Levity Theory: Dark Energy Hypotheses.

Independentemente, de acordo com certos modelos teóricos, há inúmeros outros universos se expandindo pelo multiverso, junto com o nosso. É claro, é importante entender que isso é apenas especulação filosófica e não foi verificado por observação científica ou experimentação. Ainda assim, a ideia é muito convincente. Basta perguntar a Michio Kaku ou Neil deGrasse Tyson. Eles sabem que vivemos em um multiverso com inúmeros outros universos. Como parte desse conjunto, o Atlas Ilustrado do Universo explica a “multidão de universos” assim:

Alguns teóricos especulam que vivemos em um ‘multiverso’ ou ‘metauniverso’ – o nosso sendo apenas um cosmos entre um número infinito. Embora aparentemente dentro dos domínios da ficção científica, essas teorias são baseadas em modelos matemáticos reais e leis físicas existentes. Diversos multiversos hipotéticos são possíveis. Por exemplo, bolhas da “espuma” de um universo parental podem formar pequenos universos breves; buracos de minhoca no espaço-tempo; ou universos mais prolongados como o nosso. Várias interpretações da mecânica quântica permitem outros “universos paralelos”, idênticos aos nossos ou com diferentes conjuntos de leis físicas.

O importante a ser observado aqui é o uso do termo “universos paralelos” e não “universos alternativos”. Esta é uma distinção muito importante e o ponto que eu quero transmitir mais a você. Como mencionei anteriormente, Schrodinger foi a primeira pessoa a introduzir a ideia do multiverso na física, mas sua conceituação e a justificativa por trás disso eram falhas. Da mesma forma, o modelo dos “muitos mundos” é baseado em uma hipótese insustentável. Eu expliquei tudo isso no chamado problema de medição, então não vou entrar aqui.

O ponto é que a “interpretação de Everett” implica que todas as histórias e futuros alternativos possíveis são reais, dando origem a universos que são quase idênticos uns aos outros. Isso não poderia estar mais longe da verdade. Não existe um universo lá fora onde eu tenha filhos ou não tenha abandonado a faculdade. Isso é absurdo. Não existe um universo alternativo. A ‘interpretação de Copenhague’ é a compreensão correta da mecânica quântica, o que significa que não há um monte de diferentes versões de você em universos alternativos em algum lugar e em qualquer outro lugar. O problema é que isso não impede a existência de universos paralelos de qualquer forma.

Um famoso físico teórico e popularizador de ciência chamado Brian Greene sugeriu que existem nove formas possíveis diferentes que o multiverso poderia tomar – quântica, inflacionária, acolchoada, holográfica, simulada, paisagem, (mem)brana, cíclica e definitiva. Destes, o ‘multiverso quântico’ cria um novo universo quando ocorre um desvio nos eventos, como na interpretação de Everett da mecânica quântica.

O “multiverso inflacionário” é composto de várias bolsas em que os campos de inflação entram em colapso e formam novos universos.

O “multiverso acolchoado” requer que o cosmos seja infinito porque, com uma quantidade infinita de espaço, todo evento possível ocorrerá um número infinito de vezes.

O ‘multiverso holográfico’ é derivado da teoria de que a área de superfície de qualquer extensão de espaço pode codificar o conteúdo do volume da região.

O “multiverso simulado” existe em sistemas computacionais complexos que simulam universos inteiros.

O “multiverso da paisagem” se baseia nos espaços de Calabi-Yau da teoria das cordas, de tal forma que as flutuações quânticas deixam cair as formas múltiplas para um nível de energia mais baixo, criando um bolso com um conjunto de leis diferentes do espaço circundante.

O “multiverso brana” postula que todo o nosso universo existe em uma superfície multidimensional que flutua nas dimensões mais altas do espaço em massa. Então, o “multiverso cíclico” exige que as branas colidam umas com as outras para produzir Big Bangs.

Finalmente, o ‘multiverso final’ contém todo universo matematicamente possível sob diferentes leis da física.

Como você deve ter notado, alguns desses diferentes cenários são derivados de modelos matemáticos baseados na teoria das cordas e sua extensão de maior dimensão, a teoria-M. Este último foi desenvolvido por Edward Witten, que é um físico teórico e professor de física matemática no Instituto de Estudos Avançados em Princeton, Nova Jersey.

De qualquer forma, essas teorias exigem a presença de 10 ou 11 dimensões do espaço-tempo, respectivamente. As 6 ou 7 dimensões extras podem ser compactadas em uma escala muito pequena, ou nosso universo pode estar localizado em um objeto dinâmico, conhecido como brana. Esta é uma estrutura estendida com qualquer número de dimensões, das quais as cordas na teoria das cordas são exemplos com uma dimensão. Assim, o universo local é uma 3-brana. Isto abre a possibilidade de que existam outras branas que possam suportar universos paralelos. Como parte disso, no The Grand Design, os físicos renomados mundialmente Stephen Hawking e Leonard Mlodinow afirmaram que:

Segundo a teoria M, o nosso não é o único universo. Em vez disso, a teoria M prevê que muitos universos foram criados a partir do nada. Sua criação não requer a intervenção de algum ser ou deus sobrenatural. Em vez disso, esses múltiplos universos surgem naturalmente da lei física. Eles são uma previsão da ciência.

Mais adiante no livro, Hawking e Mlodinow alegaram que:

Flutuações quânticas levam à criação de pequenos universos a partir do nada. Algumas delas atingem um tamanho crítico e, em seguida, expandem-se de maneira inflacionária, formando galáxias, estrelas e, pelo menos em um caso, seres como nós.

Junto com isso, Alan Guth, a pessoa que realmente desenvolveu a teoria da inflação cósmica, disse:

É difícil criar modelos de inflação que não levem a um multiverso. Não é impossível, então acho que ainda há pesquisas que precisam ser feitas. Mas a maioria dos modelos de inflação leva a um multiverso, e a evidência da inflação nos empurrará na direção de levá-la a sério.

O distinto professor emérito de sistemas complexos, George Ellis afirmou certa vez que:

Muitos físicos que falam sobre o multiverso, especialmente os defensores da paisagem de cordas, não se importam muito com os universos paralelos em si. Para eles, as objeções ao multiverso como um conceito não são importantes. Suas teorias vivem ou morrem com base na consistência interna e, espera-se, eventuais testes de laboratório.

Brian Greene fez uma colocação melhor ao apresentar o The Fabric of the Cosmos. Ele ressaltou que:

Por mais estranho e estranho que possa parecer o multiverso, um número crescente de cientistas acha que pode ser o passo final em uma longa linha de revisões radicais de nossa imagem do cosmos.

O que eu estou tentando dizer é que o a comunidade cosmológica tem debatido sobre as várias teorias do multiverso há algum tempo, mas parece que estamos à beira de uma mudança de paradigma. Ainda assim, físicos proeminentes estão muito divididos sobre se quaisquer outros universos existem ou não fora de nós mesmos, até os dias de hoje.

Isso se deve ao fato de que há muito mais a ser aprendido sobre o multiverso, que ainda precisa ser observado e possivelmente nunca será, mas não devemos deixar de lado essa ideia. Pelo que sabemos, o multiverso pode ter tantas implicações antropológicas quanto as cosmológicas. A menos que investigarmos mais, nunca saberemos com certeza.

Pessoalmente, estou convencido da existência do multiverso, e acho que é uma parte importante do ‘Big Picture‘. Em última análise, o multiverso é uma parte vital da nossa história de origem.

A ideia de universos paralelos não tira nada da nossa existência, na verdade, adiciona a isso. Saber que existem universos paralelos, mas não alternativos, significa que existem muitos outros mundos, possivelmente com vida inteligente neles, mas existe apenas um mundo contigo. Assim, uma compreensão apropriada da teoria precisa do multiverso pode dar um significado maior à vida, e não há nada mais importante do que isso. Quando você chega a esse ponto, o multiverso oferece uma solução elegante para a vida, o universo e tudo mais.

A conclusão é que, se uma genuína ‘Teoria de Tudo’ alguma vez surgir, ela terá, sem dúvida, de se basear na matemática do multiverso.

(Fonte)


Nunca nenhum humano saberá a verdade sobre isto antes de morrer. As especulações continuarão pelo tempo que a raça humana existir. …E isto, é claro, é somente uma especulação de minha parte.

n3m3

Você pode ajudar na manutenção do OVNI Hoje. Clique aqui para saber mais, ou use o botão abaixo:



ATENÇÃO: Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…

-------

BOMBANDO NO planetaabsurdo.com.br:

PRESENTE PARA BEBÊ COMPRADO EM LOJA DA FLÓRIDA CONTINHA UM RIFLE CARREGADO

-------

AVISO: Todos são bem-vindos a participar da área de comentários abaixo. Contudo, os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprios autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências ou conflitos por eles causados.

Também informamos que, a fim de não causar distrações e conflitos desnecessários, comentários, avatares e pseudônimos com viés político, seja de qual ideologia for, serão prontamente apagados quando encontrados pelos moderadores. O foco dos comentários deve ser mantido no assunto de cada artigo e somente desviado quando for pertinente ao tema do OVNI Hoje.

Assim, colabore com o bom andamento dos comentários, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando comentários fora do padrão como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.