A vida pode evoluir em pequenos planetas com 3% da massa da Terra

Tempo de leitura: 2 min.

Poderia um planeta minúsculo, com gravidade fraca, abrigar vida?

A vida pode evoluir em pequenos planetas com 3% da massa da Terra

Uma equipe de cientistas da Universidade de Harvard diz ter encontrado a menor massa possível de um planeta antes que sua falta de forças gravitacionais fizesse com que perdesse sua atmosfera e qualquer água líquida.

Eles descobriram que o menor planeta possível que pudesse manter essas propriedades que possibilitariam a vida seria cerca de 2,7% da massa da Terra. Isso é um pouco mais que o dobro da massa da Lua e aproximadamente metade da massa de Mercúrio.

Diz-se que um exoplaneta está na zona habitável de uma estrela se estiver à distância certa para conter água líquida. Se estiver muito perto, receberá muita radiação da sua estrela, tornando-o muito quente. Muito longe e estaria muito frio para manter a água líquida.

O astrônomo Constantin Arnscheidt, principal autor do artigo que descreve a pesquisa, publicado no Astrophysical Journal, disse à Astrobiology Magazine.

Quando as pessoas pensam nas bordas interna e externa da zona habitável, elas tendem a pensar apenas espacialidade, significando o quão perto o planeta está da estrela. Mas, na verdade, existem muitas outras variáveis ​​de habitabilidade, incluindo a massa [de um planeta].

Se os exoplanetas forem grandes o suficiente, os pesquisadores descobriram que há um efeito estufa suficiente para mantê-los na temperatura certa, independentemente de suas posições dentro da zona habitável. Isso ocorre porque a atmosfera desses planetas relativamente pequenos se expande para fora, graças à gravidade relativamente baixa, o que por sua vez faria com que ele absorvesse mais radiação de sua estrela e desse modo estabilizasse as temperaturas em sua superfície.

Curiosamente, a pesquisa descartaria minúsculos mundos de gelo na órbita de Júpiter – eles seriam muito pequenos. Essas luas geladas deixaram os cientistas entusiasmados com a possibilidade de vida, graças aos enormes oceanos subterrâneos.

Mas a pesquisa sugere que pode haver muitos outros lugares que ainda não descobrimos e que são do tamanho certo.

(Fonte)


Os cientistas ficarão surpresos um dia em descobrir que além dos grandes e pequenos planetas, a vida pode prosperar nos mais variados corpos celestes, até mesmo independentemente de sua posição em relação à sua estrela.

Alguém quer apostar? Uma pena que, devido aos “dogmas” implantados, a ciência caminha a passos muito lentos quando se trata da descoberta de vida extraterrestre.

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.