Meteoro do Japão foi lasca de asteroide gigante que poderá atingir a Terra

Tempo de leitura: 2 min.
Meteoro do Japão foi lasca de asteroide gigante que poderá atingir a Terra
Uma imagem de um vídeo mostra uma bola de fogo passando por Kyoto, Japão após 1 da manhã de 28 de abril de 2017 (Imagem: © SonataCo Network)

No início da manhã de 28 de abril de 2017, uma pequena bola de fogo cortou o céu sobre Kyoto, Japão. E agora, graças aos dados coletados pela pesquisa de meteoros da SonotaCo, os pesquisadores determinaram que a rocha espacial era um fragmento de um asteroide gigante que poderá (mais adiante) atingir a Terra.

O meteoro que queimou no Japão era minúsculo. Estudando os dados da SonotaCo, os pesquisadores determinaram que o objeto entrava na atmosfera com uma massa de cerca de 29 gramas e tinha apenas 2,7 cm de diâmetro. Não ameaçou ninguém. Mas pequenos meteoros como este são interessantes porque podem oferecer dados sobre os objetos maiores que os geram. E, neste caso, os pesquisadores rastrearam a pequena rocha de volta ao seu “pai”: um objeto conhecido como 2003 YT1.

O 2003 YT1 é um asteroide binário, composto por uma grande rocha de cerca de 2 km de diâmetro orbitada por um asteroide menor de 210 metros de comprimento. Descoberto em 2003, o sistema binário tem 6% de chance de atingir a Terra em algum momento nos próximos 10 milhões de anos. Isso fez com que os pesquisadores o chamassem de ‘objeto potencialmente perigoso’, mesmo que seja improvável que machuque alguém em sua vida.

O binário não passou pela Terra em 2017, então não havia um vínculo imediatamente óbvio entre o meteoro e sua origem. Mas os pesquisadores estudaram como a bola de fogo se movia no céu e conseguiram fazer engenharia reversa da órbita do objeto no espaço, fixando-a no 2003 YT1 com um alto grau de certeza.

Os pesquisadores disseram não ter certeza de como a pequena rocha se separou do 2003 YT1, mas acreditam que é parte de uma grande corrente de poeira que foi lançada do asteroide. E eles ofereceram algumas explicações em potencial para a formação desse fluxo: talvez pequenos micrometeoritos rotineiramente atinjam o asteroide maior no binário, fragmentando-o como balas atingindo uma parede de rocha. Ou talvez mudanças no calor tenham quebrado uma das superfícies do asteroide, cuspindo pequenos pedaços para a escuridão.

Um cenário oferecido pelos autores é que os pequenos pedaços sejam o resultado do processo que formou o sistema YT1 de 2003 em primeiro lugar.

A maioria das pessoas provavelmente imagina os asteroides como grandes rochas, versões ampliadas das pedras que encontrariam aqui na Terra. Mas o 2003 YT1, escreveram os autores, é provavelmente uma ‘pilha de entulhos’, um amontoado de coisas fracamente unidas pela gravidade que se fundiram em dois corpos em órbita em algum momento nos últimos 10.000 anos. As forças que mantêm as massas unidas como asteroides individuais provavelmente são fracas e, à medida que as duas pilhas giram caoticamente umas às outras a cada duas horas, elas podem se lançar mais pedaços de si mesmas no espaço.

Existem outras possibilidades mais exóticas, escreveram os autores. O gelo da água pode estar sublimando (transformando de sólido para gás) em uma das superfícies dos asteroides e reformando como pequenas bolas de gelo no espaço aberto. Mas esse e outros modelos são improváveis, escreveram os pesquisadores.

Por enquanto, sabemos que a Terra foi visitada por um pequeno pedaço de um asteroide gigante. E esse pedacinho provavelmente faz parte de um fluxo de outros pedacinhos que às vezes entram despercebidos na atmosfera da Terra. E em algum momento no futuro, esse asteroide gigante pode seguir seus “filhos pequenos” e atingir a Terra. Essa bola de fogo seria muito, muito maior.

O artigo que descreve essas descobertas ainda não foi revisado por pares. Um rascunho foi publicado em 16 de outubro na revista de pré-impressão arXiv.

(Fonte)

Colaboração: Lênio, Edmondo Russo


n3m3

Você pode ajudar na manutenção do OVNI Hoje. Clique aqui para saber mais.

ATENÇÃO: Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…

-------

BOMBANDO NO planetaabsurdo.com.br:

PORCOS VIVOS SÃO USADOS EM TESTES DE COLISÃO DE AUTOMÓVEIS

-------

AVISO: Todos são bem-vindos a participar da área de comentários abaixo. Contudo, os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprios autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências ou conflitos por eles causados.

Também informamos que, a fim de não causar distrações e conflitos desnecessários, comentários, avatares e pseudônimos com viés político, seja de qual ideologia for, serão prontamente apagados quando encontrados pelos moderadores. O foco dos comentários deve ser mantido no assunto de cada artigo e somente desviado quando for pertinente ao tema do OVNI Hoje.

Assim, colabore com o bom andamento dos comentários, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando comentários fora do padrão como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.