Poderia a Terra se tornar Vênus no Futuro?


Se Vênus tivesse pego bilhetes um pouco mais sortudos na loteria cósmica, nosso sistema solar poderia hospedar dois planetas habitáveis ​​hoje, de acordo com simulações recentes de um grupo de pesquisadores da NASA. Em vez disso, nosso vizinho é um lugar desolado – e pode nos dar uma visão aterradora de nosso próprio futuro.

Poderia a Terra se tornar Vênus no Futuro?
Vênus (mostrado sem nuvens), comparado com a Terra.

Tradicionalmente, cientistas planetários veem as temperaturas infernais de Vênus, a atmosfera saturada de dióxido de carbono e a crosta congelada como o resultado inevitável de seu lugar no sistema solar. Sentado muito perto do sol, o infeliz planeta estava condenado desde o nascimento a ser queimado até ficar crocante.

Nos últimos anos, no entanto, uma possibilidade alternativa lançou alguma sombra nessa história simples. Dadas as condições iniciais adequadas, a cobertura de nuvens poderia proteger Vênus da enxurrada de luz solar e mantê-lo agradável e úmido por bilhões de anos, de acordo com as simulações apresentadas na semana passada em uma conferência de ciência planetária na Suíça. Nesse cenário, Vênus pode ter sido o primeiro planeta habitável do sistema solar … até que alguma catástrofe desconhecida o sufocou em dióxido de carbono.

Soa um pouco perto demais de casa? Embora nossas emissões de carbono provavelmente não possam fritar completamente a Terra da mesma maneira, a transformação de Vênus ainda pode ter uma moral importante para a humanidade.

Colin Goldblatt, cientista planetário da Universidade de Victoria, no Canadá, disse:

Se havia vida em Vênus, eles tinham apenas um lar e esse lar não é mais muito bom.

Um conto de dois Vênus

O que mantém a Terra viva – tanto no sentido biológico quanto geológico – é a diferença de temperatura entre a crosta fria e o núcleo quente. Rochas mais frias afundam e materiais mais quentes sobem, agitando para cima e para baixo de uma maneira que mantém a maior parte do carbono do planeta trancada em materiais rochosos no subsolo.

Vênus não conseguiu manter esse ciclo, então hoje sua atmosfera transborda de dióxido de carbono. A questão é o porquê disso. De acordo com a história tradicional, um Sol quente evaporou rapidamente os oceanos do jovem planeta no céu, onde eles formaram uma atmosfera densa e grudenta que retinha o calor recebido com uma eficiência mortal. Finalmente, a superfície ficou tão quente quanto o interior, o que acabou com os terremotos e outras atividades tectônicas que anteriormente ajudaram Vênus a desabafar. Sem mistura tectônica, diz Anthony Del Genio, pesquisador do Instituto Goddard de Estudos Espaciais da NASA e coautor da pesquisa recente, a crosta se tornou como “uma tampa rígida que apenas acumula calor e pressão por dentro.

O aquecimento dos oceanos evaporados fez Vênus explodir no topo algumas centenas de milhões de anos atrás, de acordo com observações de sua superfície jovem e sem manchas. Vulcões irromperam por todo o planeta, inundando a atmosfera com dióxido de carbono, que por sua vez fez do planeta a rocha sem vida que vemos hoje.

Ou assim se pensava.

Del Genio diz:

[Nossa] simulação mostra que essa história realmente não se sustenta.

O trabalho da equipe, que considerou cinco variedades potenciais de Vênus iniciais, levanta outra possibilidade: se o jovem Vênus estivesse nadando na água como a jovem Terra, e se as marés ou colisões com corpos próximos retardassem sua rotação mais cedo (dois grandes ‘ses’ que são plausíveis, mas sem resposta devido à escassez de missões em Vênus), aquele planeta teria desenvolvido nuvens. E isso teria mudado tudo.

O brilho ondulado da cobertura de nuvens faz a luz solar voltar ao espaço, interrompendo o processo de aquecimento.

Del Genio diz:

Mesmo quando o Sol fica mais brilhante, se você começa com uma quantidade decente de água, obtém nuvens espessas o suficiente para manter o planeta fresco.

Um Vênus frio teria mantido em seus oceanos por talvez bilhões de anos, de acordo com as simulações do grupo. Isso significa que não há atmosfera úmida, o que significa que as placas tectônicas podem continuar deslizando – e mantendo o carbono no subsolo.

Se sondagens futuras confirmarem as suposições sobre a água e a rotação, os cientistas precisarão encontrar uma nova explicação para o que levou Vênus perder sua proteção. Del Genio especula que um tapa de um planeta rebelde poderia ter feito isso, ou mesmo uma flutuação aleatória nos fluxos internos de Vênus.

Ele diz:

Talvez Vênus tenha tido apenas azar e algo tenha acontecido na hora errada.

Qualquer que tenha sido a causa, uma vez que as explosões vulcânicas em todo o mundo desapareceram (o que levou centenas de milhões de anos), o denso envelope de dióxido de carbono do planeta impediu que ele se tornasse habitável novamente.

Vênus: a Terra outrora e futura

Como Vênus poderia ter sido semelhante à Terra, não há razão para que a Terra algum dia não possa se tornar semelhante a Vênus. De fato, um gêmeo venusiano quente e morto é quase certamente o destino da Terra, à medida que o Sol continua a brilhar. Felizmente, temos cerca de um bilhão de anos para solucionar esse problema (alguns especularam que a atração gravitacional de cometas redirecionados poderia afastar a Terra do Sol).

Mas é difícil ouvir falar de um planeta morrendo após um derramamento de dióxido de carbono sem pensar na crise climática, pois desenterrar e queimar combustíveis fósseis é praticamente o que os vulcões venusianos fizeram. Aqui há uma rara boa notícia: para desencadear o tipo de Armagedom de Vênus que fervilha e oculta, a humanidade teria que trabalhar muito para queimar todas as moléculas de combustível fóssil disponíveis e, em seguida, algumas mais, aumentando a concentração de dióxido de carbono em nossa atmosfera de cerca de 400 partes por milhão (ppm) para mais de dezenas de milhares.

Por outro lado, diz Goldblatt, “depende do entusiasmo que sentimos com os novos combustíveis fósseis”‘. O próprio Goldblatt estudou anteriormente o chamado efeito estufa descontrolado, em que as emissões de gases atingiriam um nível alto o suficiente para transformar toda a nossa água em vapor. Esse documento concluiu que a atividade humana provavelmente seria insuficiente para nos levar a esse ponto específico de não retorno, mas não que isso nunca pudesse acontecer.

Goldblatt disse:

Não estou dizendo que é fácil, mas não é impossível.

Ainda assim, micróbios e baratas podem respirar com facilidade, sabendo que a humanidade provavelmente não pode destruir permanentemente a capacidade da Terra de irradiar o excesso de calor. Infelizmente para o resto de nós, o limiar para a catástrofe humana e a extinção em massa é muito menor.

Como em Vênus, nosso destino final pode depender das nuvens. Se as concentrações de carbono atingirem muito mais do que 1.200 ppm, sugerem pesquisas preliminares, poderíamos perder aquelas amigas fofinhas (nuvens) e experimentar um aquecimento de dois dígitos. “Isso não evapora o oceano, mas nos aniquila”, diz Goldblatt.

É claro que as mudanças climáticas desafiariam seriamente a civilização humana muito antes de atingir as nuvens do céu. Os cientistas climáticos e os formuladores de políticas esperam manter o aquecimento entre 1,5 e 2 graus Celsius – com concentrações de carbono abaixo de 450 ppm – para maximizar as chances da sociedade de se adaptar a uma Terra mais quente.

Embora a humanidade provavelmente nunca deixar a Terra como Vênus, o estado infernal de nosso gêmeo serve como um lembrete de que não há garantias cósmicas. Se quisermos algum grau de estabilidade, teremos que projetar por conta própria – ou pelo menos trabalhar mais para parar de testar os limites da Terra.

Goldblatt finalizou:

Um planeta como o nosso pode dar errado. É a lição final porque, como espécie dominante globalmente, temos que cuidar do nosso planeta.

(Fonte)

Colaboração: Lênio, André Machado, Edmondo Russo


Ainda assim, há quem diga que Vênus ainda abriga a vida:

n3m3

Você pode ajudar na manutenção do OVNI Hoje. Clique aqui para saber mais.

ATENÇÃO: Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…

AVISO: Todos são bem-vindos a participar da área de comentários abaixo. Contudo, os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprios autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências ou conflitos por eles causados.

Também informamos que, a fim de não causar distrações e conflitos desnecessários, comentários, avatares e pseudônimos com viés político, seja de qual ideologia for, serão prontamente apagados quando encontrados pelos moderadores. O foco dos comentários deve ser mantido no assunto de cada artigo e somente desviado quando for pertinente ao tema do OVNI Hoje.

Assim, colabore com o bom andamento dos comentários, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando comentários fora do padrão como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.