A viagem interestelar é realmente possível?

Tempo de leitura: 4 min.


O astrofísico Paul Sutter foi co-autor do artigo abaixo, que fala das dificuldades da viagem interestelar, de acordo com o que a ciência hoje sabe.

A viagem interestelar é realmente possível?
Ilustração de uma sonda Breakthrough Starshot que chega ao planeta potencialmente semelhante à Terra, Proxima Centauri b. Uma representação dos raios laser é visível emanando dos cantos da vela luminosa da nave (Imagem: © Planetary Habitability Laboratory, Universidade de Porto Rico em Arecibo)

Viagem espacial interestelar. Fantasia de todo garoto de cinco anos dentro de nós. Tema principal de séries de ficção científica. Corajosamente indo aonde ninguém foi antes de uma maneira realmente fantástica.

À medida que crescemos cada vez mais avançados com nossos foguetes e sondas espaciais, surge a pergunta: poderíamos esperar colonizar as estrelas? Ou, não conseguindo chegar a esse sonho distante, podemos pelo menos enviar sondas espaciais para planetas alienígenas, deixando que elas nos digam o que vêem?

A verdade é que viagens e exploração interestelar são tecnicamente possíveis. Não há lei da física que a proíba completamente. Mas isso não necessariamente facilita as coisas, e certamente não significa que conseguiremos isso em nossas vidas, muito menos neste século. A viagem espacial interestelar é um verdadeiro calo nos pés.

Viajando para fora

Se você for suficientemente paciente, já alcançamos o status de exploração interestelar. Temos várias naves espaciais em trajetórias de fuga, o que significa que elas estão deixando o sistema solar e nunca mais voltando. As missões Pioneer da NASA, as missões Voyager e, mais recentemente, a New Horizons começaram todas as suas longas jornadas externas.

As Voyagers agora são considerados fora do sistema solar, definido como a região onde o vento solar que emana do Sol dá lugar a partículas e poeira galácticas gerais.

Então ótimo; temos sondas espaciais interestelares atualmente em operação. Exceto que o problema é que elas não estão indo a lugar algum muito rápido. Cada um desses intrépidos exploradores interestelares está viajando a dezenas de milhares de quilômetros por hora, o que soa bem rápido. Eles não estão indo na direção de nenhuma estrela em particular, porque suas missões foram projetadas para explorar planetas dentro do sistema solar. Mas se qualquer uma dessas naves espaciais fosse direcionada para o nosso vizinho mais próximo, Proxima Centauri, a apenas quatro anos-luz de distância, eles o alcançariam em cerca de 80.000 anos.

Não sei quanto a você, mas não acho que a NASA tem orçamento para esse tipo de cronograma. Além disso, quando essas sondas chegarem a algum lugar meio interessante, suas baterias nucleares estarão mortas há muito tempo e serão apenas pedaços inúteis de metal arremessados pelo vazio. O que é quase um sucesso, se você pensar sobre isso: não é como se nossos ancestrais fossem capazes de realizar feitos como jogar lixo aleatório entre as estrelas, mas provavelmente também não é exatamente o que você imaginou ser a viagem espacial interestelar.

Corrida no espaço

Para tornar o voo espacial interestelar mais razoável, uma sonda precisa ser muito rápida. Da ordem de pelo menos um décimo da velocidade da luz.

A essa velocidade, a sonda poderia chegar a Proxima Centauri em algumas décadas e enviar fotos alguns anos depois, bem dentro de um ciclo da vida humana.

É realmente tão irracional pedir que a mesma pessoa que inicia a missão consiga terminá-la?

Ir a essas velocidades requer uma quantidade enorme de energia. Uma opção é conter essa energia a bordo da espaçonave como combustível. Mas, se esse for o caso, o combustível extra adiciona massa, o que torna ainda mais difícil impulsioná-la até essas velocidades.

Existem projetos e esboços para naves espaciais movidas a energia nuclear que tentam realizar exatamente isso, mas, a menos que desejemos começar a construir milhares e milhares de bombas nucleares apenas para colocar dentro de um foguete, precisamos apresentar outras ideias.

Talvez uma das ideias mais promissoras seja manter fixa a fonte de energia da espaçonave e, de alguma forma, transportar essa energia para a espaçonave enquanto ela viaja.

Uma maneira de fazer isso é com lasers. A radiação é boa para transportar energia de um lugar para outro, especialmente nas vastas distâncias do espaço. A sonda pode então capturar essa energia e se impulsionar para frente.

Essa é a ideia básica por trás do projeto Breakthrough Starshot, que visa projetar uma espaçonave capaz de alcançar as estrelas mais próximas em questão de décadas.

No esboço mais simples deste projeto, um laser gigante da ordem de 100 gigawatts dispara em uma espaçonave que orbita a Terra. Essa nave espacial tem uma grande vela solar que é incrivelmente reflexiva. O laser salta dessa vela, dando impulso à espaçonave.

O problema é que um laser de 100 gigawatts só tem a força de uma mochila pesada. Você não leu incorretamente. Se atirarmos este laser na espaçonave por cerca de 10 minutos, a fim de atingir um décimo da velocidade da luz, a espaçonave não pode pesar mais do que um grama.

Essa é a massa de um clipe de papel.

Uma nave espacial para formigas

É aqui que a borracha encontra a estrada interestelar quando se trata de fazer com que a nave espacial viaje nas velocidades necessárias. O próprio laser, com 100 gigawatts, é mais poderoso do que qualquer outro laser que já projetamos por várias ordens de magnitude. Para lhe dar uma noção de escala, 100 gigawatts é a capacidade total de todas as usinas nucleares que operam nos Estados Unidos juntas. E a sonda, que deve ter uma massa não superior a um clipe de papel, deve incluir uma câmera, computador, fonte de energia, circuitos, uma carenagem, uma antena para comunicaçãocin sua base e toda a vela luminosa em si.

Essa vela de luz deve ser quase perfeitamente refletiva. Se ela absorver uma fração minúscula da radiação laser recebida, converterá essa energia em calor em vez de momento físico.

Com 100 gigawatts, isso significa fusão direta, o que geralmente não é considerado bom para naves espaciais. Uma vez acelerada em um décimo da velocidade da luz, a verdadeira jornada começa.

Por 40 anos, esta pequena espaçonave terá que suportar as provações e as dificuldades do espaço interestelar. Ele será impactado por grãos de poeira nessa velocidade enorme. E, embora a poeira seja muito pequena, nessas velocidades ela pode causar danos incríveis.

Os raios cósmicos, que são partículas de alta energia emitidas por tudo, desde o Sol até uma supernova distante, podem mexer com o delicado circuito interno. A espaçonave será bombardeada por esses raios cósmicos sem parar assim que a jornada começar.

A Breakthrough Starshot é possível? Em princípio sim. Como eu disse acima, não há lei da física que impeça que isso se torne realidade. Mas isso não torna o projeto fácil, nem provável, plausível ou mesmo viável, usando nossos níveis atuais de tecnologia (ou projeções razoáveis ​​no futuro próximo de nossa tecnologia).

Podemos realmente fazer uma nave espacial tão pequena e leve? Podemos realmente fazer um laser tão poderoso? Uma missão como essa pode realmente sobreviver aos desafios do espaço profundo?

A resposta não é sim ou não. A verdadeira questão é esta: estamos dispostos a gastar dinheiro suficiente para descobrir se é possível?

Paul M. Sutter é astrofísico da Ohio State University, apresentador do Ask a Spaceman e da Space Radio e autor do livro ‘Your Place in the Universe‘. Sutter contribuiu com este artigo para Expert Voices: Op-Ed & Insights da Space.com.

(Fonte)


Na realidade, a única alternativa viável que teríamos para viagem espacial interestelar seria utilizando o que é chamado de “energia livre“, que supostamente é utilizada pelas naves alienígenas que visitam a Terra.

Com o que nos é apresentado hoje pela ciência convencional, embora o artigo acima mostre uma alternativa medíocre, não serve para nenhum fim prático em uma viagem interestelar.

Quem sabe, se houver o desacobertamento dos OVNIs e abram contato com esses seres, poderemos em pouco tempo desfrutar dessa tecnologia, entre outras.

Até então, a viagem interestelar para nós não passará de tema de filmes de ficção científica.

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.