web analytics
Tempo de leitura: 3 min.

Pesquisadores querem conectar um cabo da Terra à Lua

Tempo de leitura: 3 min.


Seria muito mais fácil escapar da gravidade da Terra se você não usasse os foguetes que consomem muita energia.

Essa é a ideia por trás da Spaceline (Linha Espacial), um tipo de elevador espacial recém-proposto que ligaria a Terra e a Lua, em uma tentativa de reduzir drasticamente o custo das viagens espaciais.

Descrita em pesquisa publicada no servidor de pré-impressão ArXiv por pesquisadores da Columbia University e da Cambridge University, a Spaceline seria amarrada à superfície da Lua e flutuaria em órbita geoestacionária ao redor da Terra como um prumo, esperando que os astronautas se prendessem nela para um passeio no cosmos.

O documento de prova de conceito descobriu que a Linha Espacial poderia ser construída com materiais existentes hoje, aumentando a possibilidade de viagens espaciais mais fáceis, e talvez até assentamentos orbitais.

Em vez de serem disparados completamente para fora da órbita, os astronautas precisariam apenas atingir a ponta da Linha Espacial, reduzindo o custo e o desafio dos lançamentos de foguetes. Uma vez que alcançassem o vácuo do espaço, livre de gravidade terrestre e pressão atmosférica, a sonda se encontraria com o cabo e se prenderia a um ônibus espacial movido a energia solar, o qual sobe ao longo de seu comprimento.

Zephyr Penoyre, um dos estudantes de astronomia da Columbia por trás do Spaceline, disse ao site Futurism:

A linha se torna uma peça de infraestrutura, bem como uma ferrovia inicial – o movimento de pessoas e suprimentos ao longo dela é muito mais simples e fácil do que a mesma jornada no espaço profundo.

Elevadores espaciais construídos a partir da Terra seriam muito exigentes para qualquer material existente – a maior força gravitacional da tração e velocidade de rotação da Terra quebraria o cabo antes que ele pudesse ser concluído. Mas o risco de um colapso catastrófico, dizem os pesquisadores, é menor quando o cabo é apenas amarrado à Lua.

Ao longo do artigo, a estudante de astronomia de Penoyre na Cambridge, Emily Sandford, observou várias vezes que os nanotubos de carbono seriam o melhor material para usar, mas ainda não podem ser construídos em escala.

Com base nos cálculos do artigo, parece que vários materiais existentes podem estar à altura do desafio – é apenas uma questão de encontrar a coisa mais forte que pode ser feita em escala.

Penoyre disse:

A única coisa a acrescentar é que a linha também precisa ser capaz de sobreviver bem no espaço profundo.

Examinei brevemente isso, mas não sou especialista em ciência dos materiais. Eu costumava usar o Dyneema como um exemplo de material para cálculos e ele tem algumas boas propriedades.

Quanto à própria linha, os pesquisadores investigaram várias formas, chegando finalmente a um cabo que seria extremamente fino em cada extremidade, portanto não entraria em colapso sob a pressão gravitacional, mas engrossaria no meio para evitar estalos. Nesta fase, os astrônomos não levaram em conta colisões de detritos espaciais em órbita próxima à Terra, mas Penoyre apontou outros projetos que enfrentaram o desafio.

Se tudo der certo e a Spaceline algum dia se concretizará, os pesquisadores imaginam um futuro em que a humanidade a usará como uma corda para telescópios orbitais, centros de pesquisa e outras instalações que possam pairar em um dos pontos Lagrange, a altitude em que a Lua e a Terra exercem força gravitacional igual-mas-oposta.

Penoyre disse;

Pense nos primeiros campos das bases antárticas, a princípio pode haver apenas três engenheiros lá em cima a qualquer momento, mas, diferentemente da órbita baixa da Terra, o ponto Lagrange é o lugar perfeito para construir. isso. Poderíamos (cedendo a um pouco de imaginação) imaginar painéis pré-fabricados sendo enviados pela linha e montados em uma colônia sempre crescente. Fiquei espantado ao descobrir que agora existem milhares de pessoas vivendo durante um período significativo do ano na Antártica – eventualmente, o mesmo pode acontecer com o ponto de Lagrange.

(Fonte)


Não quero ser o pássaro do mau agouro, mas alguém aqui lembra o que aconteceu quando o Ônibus Espacial da NASA esticou um longo cabo em órbita da Terra para lançar um satélite? E esse cabo só tinha 19 quilômetros de comprimento.

Embora o cabo proposto no artigo acima provavelmente não será condutor de eletricidade, o projeto seria um convite aberto para o desastre. Um exemplo disso poderia ocorrer se houver um erro de cálculo, o qual causaria com que o cabo, de milhares de quilômetros de comprimento, despencasse para a superfície da Terra, causando grande desastre, seja lá onde for que ele atingisse o nosso planeta.

No papel é bonito, mas duvido muito que será concretizado.

n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é produtos-OVNI-Hoje-1.jpg
O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é Loja-Nerd.jpg

Leitores OVNI Hoje ganham 10% de desconto em todos os produtos da Loja Nerd, inclusive nos produtos OVNI Hoje. (Use o cupom OVH10)


*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.

Plugin Kapsule Corp