Poeira estelar é encontrada em neve da Antártica

Tempo de leitura: 2 minutos


Ferro de fora do sistema solar tem pulverizado na Antártica nos últimos anos.

Poeira estelar é encontrada em neve da Antártica
Agulha num monte de neve: Dez átomos de ferro-60 foram detectados em meia tonelada de neve, amostrados na estação de pesquisa alemã Kohnen Station na Antártica (mostrada).

As medições de meia tonelada de neve revelaram ferro interestelar depositado nas últimas duas décadas, relatam cientistas em um estudo aceito na Physical Review Letters. Esse ferro vem das explosões de estrelas massivas, ou supernovas, diz a equipe.

Dentro da neve, os pesquisadores isolaram 10 átomos de ferro-60, uma variedade radioativa, ou isótopo, de ferro com um total de 60 prótons e nêutrons em seu núcleo.

Estudos anteriores descobriram ferro-60, um isótopo vomitado de supernovas, em sedimentos oceânicos e na Lua (SN: 7/10/99, p. 21). Mas esses depoimentos tinham alguns milhões de anos, e acredita-se que sejam o resultado de antigas explosões nas proximidades, lançando ondas de detritos pelo espaço.

O novo estudo revela que a Terra ainda está encontrando o isótopo nos tempos modernos. O físico nuclear Gunther Korschinek, da Universidade Técnica de Munique, e colegas transportaram a neve – ainda congelada graças a cuidadosa embalagem e transporte – de volta ao laboratório. Eles fundiram, filtraram e evaporaram a neve, e usaram uma técnica chamada espectrometria de massa do acelerador nos restos para identificar o ferro-60.

As supernovas são um importante berço do ferro-60, mas não o único. Por exemplo, partículas de alta energia chamadas raios cósmicos podem criar o isótopo quando entram em pó no sistema solar.

Para eliminar essa explicação, a equipe comparou a quantidade de ferro-60 na neve com outro isótopo produzido pelos raios cósmicos, o manganês-53. A proporção de ferro-60 para manganês-53 encontrado foi muito maior do que o esperado, se ambos os isótopos foram produzidos por raios cósmicos.

O ferro-60 também pode ter sido o resultado de testes de armas nucleares passadas, mas uma lógica semelhante descartou essa opção.

“Isso nos dá uma indicação clara de que esse material vem de fora do sistema solar”, diz Korschinek.

O resultado poderia ajudar os cientistas a entender melhor o lugar da humanidade no espaço. O sistema solar reside dentro de um bolsão de gás de baixa densidade, conhecido como bolha local. Acredita-se que as supernovas em explosão criaram ondas de choque que explodiram essa bolha. Mas o sistema solar atualmente fica dentro de uma região mais densa dentro dessa bolha, conhecida como Nuvem Interestelar Local.

A detecção de ferro-60 recentemente depositado sugere que esta nuvem também pode ter sido esculpida por supernovas, dizem os pesquisadores.

O astrofísico Brian Fields, da Universidade de Illinois em Urbana-Champaign, que não esteve envolvido com a pesquisa, disse;

Isso é realmente uma coisa muito profunda. Está nos falando sobre a história recente de toda a nossa vizinhança na galáxia e sobre as vidas e mortes de estrelas massivas.

(Fonte)

Colaboração: Kaczmarczik


Sim, são muitas as coisas que vêm do espaço e acabam entrando em nossa atmosfera, pousando na superfície da Terra. Felizmente, grande parte é inofensiva para nós.

Que continue assim.

n3m3

Você pode ajudar na manutenção do OVNI Hoje. Clique aqui para saber mais.

ATENÇÃO: Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.



Participe dos comentários mais abaixo…