Planetas como a Terra orbitam um em cada 4 estrelas parecidas com o Sol

Tempo de leitura: 2 minutos


Uma em quatro estrelas semelhante ao Sol abriga planetas rochosos que são similares à Terra em tamanho e distância de sua estrela.

Planetas como a Terra orbitam uma em cada 4 estrelas parecidas com o Sol

Esta é a estimativa mais precisa da frequência de planetas como a Terra, publicada no The Astronomical Journal por pesquisadores da Penn State University, que desenvolveu um modelo para os milhares de exoplanetas descobertos pela missão Kepler da NASA. A estimativa é feita com base em planetas de três quartos a uma vez e meia o tamanho da Terra, com períodos orbitais variando de 237 a 500 dias. Sob estas condições, eles podem abrigar água líquida.

O professor Eric B. Ford, autor principal do estudo, informou.

Saber com que frequência devemos esperar encontrar planetas de um certo tamanho e período orbital é extremamente útil para otimizar os estudos de exoplanetas e o projeto das próximas missões espaciais, a fim de maximizar suas chances de sucesso.

Kepler descobriu planetas com uma ampla variedade de tamanhos, composições e órbitas Queremos usar essas descobertas para melhorar nossa compreensão da formação do planeta e planejar futuras missões para encontrar planetas que possam ser habitáveis.

Entretanto, simplesmente contar exoplanetas de um determinado tamanho orbital ou distância é enganoso, já que é muito mais difícil encontrar pequenos planetas longe de suas estrelas do que encontrar grandes planetas perto de suas estrelas.

Para superar esse obstáculo, os pesquisadores projetaram um novo método para inferir a taxa de ocorrência de planetas em uma ampla gama de tamanhos e distâncias orbitais. O novo modelo simula universos de estrelas e planetas e depois ‘observa’ esses universos simulados para determinar quantos dos planetas teriam sido descobertos por Kepler em cada universo.

Danley Hsu, um estudante de pós-graduação da Penn State e co-autor do trabalho, disse:

Usamos o catálogo final de planetas identificados pelo Kepler e as propriedades estelares aprimoradas da espaçonave Gaia da Agência Espacial Européia para construir nossas simulações.

Ao comparar os resultados com os planetas catalogados pelo Kepler, caracterizamos a taxa de planetas por estrela e a forma com que isso depende do tamanho do planeta e da distância orbital. Nossa nova abordagem permitiu que a equipe levasse em conta vários efeitos que não foram incluídos em estudos anteriores.

(Fonte)


Devido às limitações da forma com que a ciência predominante pensa, acredita-se que somente esses planetas tenham condições de abrigar a vida. Contudo, mais e mais fica evidente que a vida, mesmo aquela que conhecemos aqui na Terra, pode prosperar em ambientes muito inóspitos, o que aumenta o leque de probabilidade de que ela esteja presente até mesmo em planetas considerados hostis para nós.

Mas mesmo considerando a existência de um planeta como a Terra por cada 4 estrelas, estamos falando de bilhões de planetas somente em nossa galáxia, a Via Láctea.

Boa chance da vida existir fora da Terra, não acha? Aliás, impossível seria o fato dela não existir lá fora.

n3m3

Você pode ajudar na manutenção do OVNI Hoje. Clique aqui para saber mais.

ATENÇÃO: Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.



Participe dos comentários mais abaixo…

Termos recém pesquisados por leitores: