NASA acaba de testar nave espacial impulsionada pela água

Tempo de leitura: 3 min.


Imagine duas naves espaciais do tamanho de uma caixa de lenços de papel orbitando a Terra. Em seguida, imagine-as se comunicando e usando um propulsor movido a água para se aproximarem uma do outra.

NASA acaba de testar nave espacial impulsionada pela água

Se você puder fazer isso, então você estará pronto para uma das atividades do Programa de Tecnologia de Naves Espaciais Pequenas (de sigla em inglês, SSTP) da NASA.

Isso tudo faz parte do esforço da NASA para desenvolver pequenas espaçonaves para atender às suas atividades de exploração espacial, ciência, operações espaciais e aeronáutica.

As duas espaçonaves são CubeSats, definidas como não maiores que 10 cm x 10 cm x 10 cm. Elas estavam em órbita ao redor da Terra, a cerca de 9 km uma do outra.

Elas estabeleceram um link de comunicação de rádio, então uma delas emitiu um comando para a outra. A nave chefe disse à subordinada para disparar seu propulsor movido a água e para se aproximar. (A água é transformada em vapor, usada para propelir a espaçonave.)

Essa descrição faz parte do desenvolvimento de pequenas espaçonaves que podem fazer as coisas de forma autônoma. Em vez de mandar as pessoas no terreno darem cada comando aos CubeSats, elas precisam apenas iniciar a sequência e a espaçonave fará o resto.

Roger Hunter, gerente de programa do programa Small Spacecraft Technology, disse em um breve comunicado à imprensa:

Demonstrações como essa ajudarão no avanço de tecnologias que permitirão um uso maior e mais amplo de pequenas espaçonaves dentro e fora da órbita da Terra.

Este experimento foi projetado com salvaguardas no lugar. Havia limitações estritas nos tipos de instruções que a nave espacial poderia emitir para outra.

O objetivo do experimento era mostrar que um operador humano poderia iniciar uma sequência, então a espaçonave cuidaria do resto dos detalhes.

A espaçonave ‘chefe’ só poderia emitir instruções autorizadas e pré-planejadas.

Darren Rowen, diretor do Small Satellite Department da The Aerospace Corporation, disse:

A equipe do OCSD está muito satisfeita em continuar demonstrando novas capacidades técnicas como parte desta missão estendida, mais de 1,5 anos após a implantação.

É emocionante pensar sobre as possibilidades permitidas com relação ao espaço profundo, organizando autonomamente enxames de pequenas espaçonaves.

Parece claro que a exploração futura do espaço e dos corpos planetários será enriquecida com veículos mais autônomos. Neste momento, o MSL Curiosity (jipe-sonda) da NASA é o principal veículo de exploração espacial. Mas opera com instruções primorosamente detalhadas que são enviadas da Terra. É um modelo que serviu bem às nossas necessidades de exploração. Mas no futuro, as coisas vão mudar.

Uma plataforma como o MSL pode ser mais uma nave-mãe para exploração. Imagine um enxame de drones que chamam uma plataforma científica estacionária de base lar. Eles recebem um conjunto abrangente de instruções sobre o que explorar e organizam-se de acordo com instruções e algoritmos pré-autorizados que os ajudam a alcançar seus objetivos.

Todos nós sabemos que é para onde estamos indo, com a Inteligência Artificial – IA sendo um foco de desenvolvimento.

Essa é a visão, mas esta missão irá avançar em pequenos passos.

Esta missão faz parte da missão Optical Communications and Sensor Demonstration (OCSD) da NASA. É o tipo de trabalho que precisa ser feito antes que nossas fantasias visionárias de exploração do Enxame de IA possam ser levadas a bom termo.

Este é o segundo passo de uma série de missões meticulosamente projetadas. A primeira missão OCSD lançada em 2015 foi uma missão de redução de risco projetada para calibrar e ajustar essas duas espaçonaves, a espaçonave OCSD-B e a OCSD-C.

Todas fazem parte do Programa de Tecnologia de Pequenas Naves Espaciais da NASA (de sigla em inglês, SSTP) dentro da Diretoria de Missão de Tecnologia Espacial da agência.

O SSTP é gerenciado pelo Ames Research Center da NASA no Vale do Silício, Califórnia.

Como estamos alimentados com uma dieta constante de filmes e idéias futuristas de ficção científica, essa instância de duas espaçonaves emitindo instruções de forma autônoma e depois disparando propulsores para fechar a distância pode parecer quase antiquada. Mas não é.

Este é o tipo de trabalho de desenvolvimento detalhado e passo-a-passo que deve ser feito para que nossas futuras aspirações de exploração espacial funcionem. E tudo está acontecendo em órbita, agora mesmo.

(Fonte)

Colaboração: MaryH


“Bacana”, mas muito longe das tecnologias espaciais “prometidas” por visionários no século passado, as quais deveriam estar disponíveis logo após o ano 2000. Quem assistiu o filme “2001, Uma Odisseia no Espaço” sabe muito bem do que estou falando.

E não esqueça: clique aqui para acessar nossa página principal, a qual é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia.

n3m3

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.

Devido a problemas técnicos, dispositivos móveis que acessam a versão amp (Accelerated Mobile Pages) do OVNI Hoje não terão acesso ao sistema de comentários. Neste caso, simplesmente acesse o site ovnihoje.com diretamente, e não por intermédio do sistema de procura.