Pessoas que adquiriram habilidades estranhas após serem atingidas por raios

Tempo de leitura: 3 minutos


Somente uma curiosidade, já que o Brasil parece ser o campeão mundial de raios, e isso tem a ver com o bem estar humano também.

Pessoas que adquiriram habilidades estranhas após serem atingidas por raios

“O raio nunca cai no mesmo lugar duas vezes”, ou assim diz o velho ditado.

Esta frase famosa é atribuída a P. Hamilton Myers, que acredita-se ter sido o primeiro a usá-lo em seu livro “Thrilling Adventures of the Prisoner of the Border“, onde o personagem Harry Vrail diz: “Raio nunca atinge duas vezes o mesmo lugar. Nem bolas de canhão, presumo.”

Isso pode ser dito para o fogo de canhão, mas certamente deve ser alterado em relação aos raios, uma vez que há uma riqueza de informações referentes a indivíduos que se tornaram vítimas de vários raios durante o curso de suas vidas.

Talvez o exemplo mais famoso seja Roy Sullivan, cujos encontros próximos com raios ao longo dos anos o levaram ao Guinness Book of World Records. Sullivan, um guarda florestal servindo no Parque Nacional de Shenandoah, na Virgínia, foi atingido por um total de sete vezes entre 1942 e 1977, o que lhe valeu o apelido de “pára-raios humano”.

Embora os raios possam atingir o mesmo lugar ou pessoas duas vezes de vez em quando, como mostra a história de Roy Sullivan, certamente não é uma ocorrência comum. No entanto, apesar de raios repetidos sejam em si mesmos uma curiosidade, de maior interesse são os efeitos que muitos sobreviventes de um raio alegaram ter manifestado após seus movimentos com a morte.

Tomemos, por exemplo, Edwin E. Robinson, de 62 anos, que perdeu a visão depois que seus olhos foram danificados em um acidente de carro. Algum tempo depois, parece que a sorte de Robinson não melhorou, pois ele também se tornou vítima de um raio. No entanto, quando se recuperou do incidente, ficou surpreso ao descobrir que sua visão havia sido restaurada. Além da restauração de sua visão, Robinson também alegou que sua audição havia sido melhorada após o possível raio mortal.

Mudanças semelhantes também foram relatadas em outros casos, como o de um eletricista em Lawson, Missouri, chamado Harold Deal.

Deal, que tinha 31 anos na época, trabalhava como eletricista e, em uma ocasião, quando dirigia para casa, encontrou uma forte tempestade. Felizmente, ele chegou em casa sem incidentes; no entanto, quando ele estacionou sua caminhonete e começou a subir em direção à casa, sua sorte mudou.

Deal lembrou:

Quando comecei a dirigir, dei cerca de três ou quatro passos, e então foi como se eu tivesse pisado em uma bola de algodão muito macia. Meu corpo inteiro sentiu como se minha cabeça estivesse atrás dos meus ombros e sendo puxada para baixo entre minhas omoplatas.

Ele não se lembrava especificamente como a experiência realmente parecia, embora uma vez que ele recupereu a consciência, ele se encontrou do outro lado da cerca do vizinho, uns bons 15 metros de onde ele se lembrava de andar pela última vez. Suas botas haviam sido arrancadas pela força do raio, e todo o metal em sua pessoa, até a fivela do cinto e as moedas em seu bolso, tinham sido derretidos; ainda milagrosamente, ele sobreviveu.

Mais tarde, Deal descobriu que sua coluna foi seriamente afetada pelo raio, mas isso não foi tudo o que foi afetado: seu corpo também desenvolveu uma resistência incomum a temperaturas frias. Na verdade, ele começou a se sentir desconfortável em temperaturas acima de -12 °C, e ficava confortável em temperaturas tão baixas quanto -17 °C. Sua temperatura corporal média também caiu levemente para cerca de 35 °C, o que, embora não fora dos limites normais, estava no lado mais frio.

A tolerância de Deal às baixas temperaturas surpreendeu seus colegas de trabalho quando eles trabalhavam fora, já que, mesmo quando as temperaturas caíam abaixo de -6 °C, ele nunca usava chapéu ou casaco. Sua provação única atraiu a atenção da mídia também: ele era frequentemente convidado a posar para fotos na neve usando roupas de verão como shorts e camisetas. Deal até se tornou o diretor de publicidade da Lightning Strike and Electrical Shock Survivors International, que, como o nome indica, foi criada para aumentar a conscientização e dar apoio às vítimas de um raio.

Apesar das habilidades incomuns que alguns afirmaram ter desenvolvido depois de serem atingidos por um raio, elas são muito menos comuns entre os efeitos de tais incidentes, que geralmente são fatais.

Nos Estados Unidos, cerca de 300 pessoas são mortas por raios anualmente, com ferimentos que chegam a 1.500 nos últimos anos. O raio é também o iniciador de milhares de incêndios florestais todos os anos.

Então, talvez seja hora de alterar a citação mais famosa e duradoura de P. Hamilton Myers: seria mais preciso se lesse algo como “O raio (quase) nunca cai duas vezes no mesmo lugar … mas quando isso acontece, as coisas podem ficar estranhas”.

(Fonte)


O Brasil sendo campeão mundial de raios, deve haver algumas pessoas que sobreviveram ao fenômeno e desenvolveram algum tipo de habilidade estranha.

Você conhece alguma, seja no Brasil ou em outro país?

n3m3

Você pode ajudar na manutenção do OVNI Hoje. Clique aqui para saber mais.

ATENÇÃO: Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.



Participe dos comentários mais abaixo…