O Primeiro Contato poderá ser o Primeiro Assassinato

Tempo de leitura: 3 minutos

 

Guy P. Harrison publicou um artigo muito intrigante no site Psicology Today, sobre uma questão moral após o Primeiro Contato, seja ele com micróbios, seja ele com seres inteligentes.

O Primeiro Contato poderá ser o Primeiro Assassinato
Foto meramente ilustrativa.

É uma sequência estranha de eventos comuns a muitos ramos do estudo científico: um estudante se apaixona pela beleza, mistério e complexidade de uma espécie de planta, animal ou microbiana. Em seguida, o aluno aprende o máximo possível, procura por ela na natureza, encontra-a e mata-a prontamente. O termo preferido para esses sacrifícios de rotina é ‘espécime comprobatório’.

Laboratórios e museus em todo o mundo contêm milhões deles. Há alguma controvérsia sobre esse processo de matar e colecionar. (Veja as notas finais.) Mas não é difícil ver motivações honrosas por trás dele e a recompensa significativa.

Os cientistas são levados a aprender, e espécimes mortos são professores eficazes. Uma dissecação pode revelar muitas coisas que uma simples observação ou uma boa fotografia não podem. Quanto menos saberíamos hoje se os pesquisadores não tivessem matado e estudado tanta vida silvestre ao longo dos séculos? Quantas espécies foram protegidas – salvas da extinção, talvez – por causa do conhecimento obtido a partir de espécimes comprobatórios?

Mas isso ainda está matando. E isso levanta uma questão moral sobre a exploração espacial, a qual deveríamos estar pensando, Se encontrarmos uma forma de vida extraterrestre em Marte ou talvez em uma das luas de Saturno, o que faremos?

Será que os astronautas, astrobiólogos e controladores de robôs da Terra se contentarão em observar, tirar algumas fotografias, talvez pegar um amostra suave do exterior do espécime? Ou o Primeiro Contato se tornará Primeiro Assassinato?

Essa é uma pergunta difícil, porque a ideia de finalmente descobrir a vida além da Terra e terminar com essa vida provavelmente parece errada para muitas pessoas. Mas se matar a vida extraterrestre recentemente descoberta em nome da pesquisa está errado, então por que a carnificina de rotina aqui na Terra pela mesma razão não parece ser um problema? Seria um morcego ou uma enguia de alguma forma menos valiosos para o universo ou menos dignos de sobrevivência que um micróbio em Marte?

Minha resposta simples e curta é que devemos estar preparados para tomar decisões caso a caso, de acordo com o que pode ser determinado a partir das observações. A forma de vida extraterrestre parece ser abundante ou rara? Se é potencialmente rara, deixe-a viver. A forma de vida demonstra algum sinal óbvio de inteligência superior? Se assim for, deixe-a viver. É assim que a maioria dos pesquisadores opera na Terra agora, é claro. Matar uma minhoca para estudo não é visto como comparável a matar um golfinho ou um bonobo por causa do contraste cognitivo.

No entanto, isso pode não ser tão fácil em outros mundos. Mesmo aqui na Terra, ainda não entendemos a inteligência de forma plena ou consistente. Fazer um bom julgamento de vida ou morte pode ser desafiador, se não impossível, porque a nova forma de vida pode pensar de maneiras que estão fora da nossa experiência e imaginação.

Eu me esforço para machucar uma formiga solitária na minha cozinha porque estou ciente de como as formigas são coletivamente inteligentes e complexas. E se houvesse uma forma de vida em Encélado, Ganimedes ou Europa, que opera com uma inteligência sutil, porém ainda mais sofisticada, de colmeia? Isso seria necessariamente detectável ou reconhecível para nós?

Talvez não. Isoladamente, pode parecer simples e, portanto, eticamente “matável” para pesquisadores. Mas se houvesse mais coisas acontecendo do que poderíamos entender, coletar e abrir o espécime comprobatório extraterrestre poderia ser nosso primeiro crime galáctico.

Um caso pode ser feito para deixar toda a vida extraterrestre viva e ilesa, independentemente da inteligência. Esta é uma ideia bonita, mas que poderia ser impossível alcançar se não ficássemos apenas em casa. Apenas dar o primeiro passo em outro mundo, por exemplo, poderia destruir pequenas criaturas invisíveis sob a bota. A simples presença de um humano ou robô poderia ser apocalíptica para a vida local. Pense em como a natureza que conhecemos opera. Por toda a sua beleza, é desagradável, rude, destrutiva, injusta, indiferente e mortal. Aqui, uma forma de vida dificilmente pode fazer qualquer coisa sem causar estresse ou morte a outra. Como resultado, nosso planeta é uma espécie de show de terror constante. De micróbios a gigantes, todos estão parasitando, ferindo, escravizando, privando, pisoteando, respirando ou engolindo outras formas de vida.

Sim, pode ser uma bela contemplação: a humanidade como uma espécie de praticantes do jainismo. Mas essa fantasia é difícil de vender, porque exigiria que nos conduzíssemos a outros mundos, de uma maneira que não fazemos e realisticamente não podemos em casa.

A propósito, tudo isso pressupõe que o primeiro contato seria com uma forma de vida que é mais fraca ou menos capaz do que o Homo sapiens. Não há garantia de que este seria o caso, é claro. Se encontrarmos a vida em algum lugar, talvez ela também esteja contemplando as implicações morais de nos matar para um estudo mais aprofundado.

(Fonte)

Colaboração: Osnir Stremel Jr.


Embora o Primeiro Contato já possa ter sido estabelecido, como dizem muitos pesquisadores, abduzidos e testemunhas, eis aí uma grande questão que precisa ser ponderada quando tudo se tornar oficial. Como proceder?

Sua respeitosa opinião é bem-vinda…

n3m3

Você pode ajudar na manutenção do OVNI Hoje. Clique aqui para saber mais.

ATENÇÃO: Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.



Participe dos comentários mais abaixo…