NASA alimentou baratas com as rochas da Lua (e então as coisas ficaram ainda mais estranhas)

Tempo de leitura: 4 minutos

Sim, a NASA realmente alimentou algumas de suas preciosas rochas da Lua aos insetos e plantas.

NASA alimentou baratas com as rochas da Lua (e então as coisas ficaram ainda mais estranhas)
Técnicos de laboratório estudam camundongos que foram injetados com material lunar coletado durante a Apollo 11, em uma foto tirada em agosto de 1969. (Imagem: © NASA)

É muito estranho imaginar: a NASA forneceu algumas de suas preciosas amostras lunares da Apolo 11 às baratas. E jogou as amostras em aquários. E injetou ratos com isso. Sim, é verdade.

A NASA ainda tem a maioria das rochas lunares que a tripulação da Apolo 11 trouxe para casa, mas uma pequena fração da recompensa dos astronautas foi usada em um conjunto de experimentos pouco conhecido, mas de vital importância, que garantiu que era seguro manter as amostras lunares na Terra.

Os cientistas tinham certeza de que não havia germes potencialmente perigosos vivendo na Lua, mas não podiam ter absoluta certeza. E embora a recuperação de rochas lunares era um presente incrível para a ciência, isto poderia ter sido uma maldição na Terra se essas rochas tivessem se tornado um risco para a vida terrestre. Então, como parte dos preparativos da agência para a missão, a NASA teve que montar um programa de testes.

Charles Berry, que estava encarregado das operações médicas durante a operação Apolo, disse em 1999:

Tínhamos que provar que não iríamos contaminar não apenas os seres humanos, mas também não iríamos contaminar os peixes, pássaros, animais, plantas ou seja lá o que fosse. Em qualquer parte da biosfera da Terra, nós tivemos que provar que não iríamos afetá-la. Então tivemos que desenvolver um programa incrível…

Os próprios astronautas foram arrastados para a quarentena após seu retorno à Terra, onde permaneceram isolados de todos, menos de 20 humanos, por três Semanas, a partir do momento em que Neil Armstrong e Buzz Aldrin deixaram a Lua.

Uma coleção de ratos também ganhou fama enquanto os astronautas estavam em quarentena: foram injetados com material lunar e monitorados da mesma maneira que a tripulação.

Judith Hayes, chefe da Divisão de Pesquisa e Ciências Ambientais da NASA, que costumava trabalhar no prédio que já abrigou a instalação de quarentena e que conversou com cientistas que acompanharam os astronautas durante a operação naquela época, disse à Space.com:

Eles sempre queriam saber como os roedores estavam. Se os roedores se saíssem bem, eles provavelmente seriam liberados no tempo planejado; se os roedores não estivessem bem, provavelmente seriam examinados com muito mais cuidado e mais tempo.

Mas confirmar que humanos e camundongos sobreviveriam a um encontro lunar por acaso não foi suficiente, e manter todas as outras vidas terrestres seguras foi um pouco mais complicado do que observar tosse ou erupções cutâneas. Um documento da NASA refere-se à tentativa de estabelecer procedimentos, como navegar em um ‘mar de ignorância’, e enfatizou que os autores não poderiam prever o quanto os testes que eles delinearam consumiria.

Um técnico de laboratório estuda uma codorna japonesa que foi exposta a amostras lunares coletadas pela missão Apollo 11. (Crédito da imagem: NASA)

Primeiro, a NASA escolheu as espécies que usaria. Além dos camundongos, a agência e seus parceiros também selecionaram outras espécies representativas: codornas japonesas para representar aves, alguns peixes comuns, camarões marrons e ostras para representar os mariscos, baratas alemãs e moscas domésticas para criaturas rastejantes e muito mais.(Infelizmente, embora tenhamos encontrado imagens de camundongos, pássaros e plantas, as baratas que comeram rochas da Lua nos iludiram.)

Então, a agência tocou em seu precioso estoque de 22 quilos de material lunar recém-trazido. Os cientistas tornaram tudo em pó, metade do qual eles prepararam para esterilizar e metade foi deixado como estava.

A prescrição variava um pouco com o tipo de animal: camundongos e codornas recebiam a amostra lunar como uma injeção, insetos tinham a amostra misturada na comida e animais aquáticos tinham a poeira da Lua adicionada à água em que viviam.

A NASA observou o zoológico por um mês, no caso de qualquer coisa parecer sofrer com a exposição lunar. As baratas alemãs que foram alimentadas com poeira lunar – fiel à reputação dos insetos – prosperaram apesar da dieta exótica. E todos os animais se saíram bem, com uma exceção gritante: seja na água lunar ou não, muitas das ostras morreram, e os cientistas atribuíram o fato de terem testado animais durante a época de acasalamento.

“Os resultados desses testes não forneceram nenhuma informação que indicasse que as amostras lunares devolvidas pela missão Apolo 11 continham agentes replicantes perigosos para a vida na Terra”, concluíram os autores de um artigo que reconta os testes sobre “animais inferiores” publicados na revista Science um ano depois da Apolo 11.

A NASA cultivou uma série de plantas terrestres em solo lunar (acima). (Crédito da imagem: NASA)

Além de testar animais, a NASA também trabalhou com o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) para testar plantas quanto a qualquer reação adversa ao material lunar, apenas por precaução. Como um boletim informativo do funcionário do USDA publicado em agosto de 1969 relatou:

O que um pouco de poeira lunar causará às plantas de tomate? Provavelmente nada.

Esses experimentos incluíram sementes em solo lunar e testaram não apenas tomates, mas também tabaco, repolho, cebola e samambaia. Algumas dessas plantas cresceram melhor no regolito do que na areia que os cientistas usaram como comparação.

Experiências similares foram conduzidas após a Apolo 12 e 14, e testaram um total de 15 espécies diferentes de animais, de acordo com um documento da NASA. Enquanto os testes de animais e plantas estavam em andamento, a NASA também cultivou amostras em placas de petri para procurar por microorganismos que floresceriam.

Outras plantas expostas a amostras lunares incluíram plantas de sorgo e tabaco. (Crédito da imagem: NASA)

Hayes disse:

Eles não encontraram nenhum crescimento microbiano nas amostras lunares, e não encontraram nenhum microorganismo que eles ao menos inicialmente atribuíssem a qualquer fonte extraterrestre ou fonte lunar. E a tripulação não teve nenhum sinal de uma doença infecciosa, e todos os roedores sobreviveram aos exames, então todos se saíram bem.

Finalmente, a NASA estava confiante de que o regolito lunar era inofensivo. Depois da Apolo 14, em 1971, a agência parou de testar os animais e acabou com os rigorosos procedimentos de quarentena para os astronautas que retornavam da Lua. Ela também parou de colocar técnicos de laboratório que trabalhavam com amostras lunares em quarentena.

A NASA tinha bons motivos para eliminar os testes com animais, é claro. Segundo um relatório da NASA:

Os cientistas planetários estavam descontentes com a quantidade de material que consideravam desperdiçada nesses experimentos e com a medida que a quarentena diminuía o foco na pesquisa planetária.

(Fonte)

Colaboração: Lênio


n3m3

Você pode ajudar na manutenção do OVNI Hoje. Clique aqui para saber mais.

ATENÇÃO: Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.



Participe dos comentários mais abaixo…