Estranha imagem cerebral aumenta o mistério do “ataque à saúde” em Cuba

Tempo de leitura: 3 minutos

Ataques cerebrais em Cuba permanecem um mistério.

Estranha imagem cerebral aumenta o mistério do “ataque à saúde” em Cuba
Foto da embaixada dos EUA em Havana, tomada em 29 de setembro de 2017, depois que os Estados Unidos anunciaram a retirada de mais da metade de seu pessoal em resposta a misteriosos ataques à saúde contra sua equipe diplomática. ADALBERTO ROQUE/AFP/Getty Images)

Os diplomatas norte-americanos que tiveram episódios sensoriais bizarros e desenvolveram uma série de sintomas neurológicos enquanto estavam servindo em Cuba apresentam pequenas diferenças em suas estruturas cerebrais e conectividade em comparação com controles saudáveis, de acordo com uma análise de imagem cerebral avançada publicada no JAMA.

O imageamento acrescenta uma nova pista para os episódios misteriosos, que as autoridades dos EUA apelidaram de ‘ataques à saúde’.

Desde o início, o fenômeno evocou a ideia de uma operação internacional envolvendo armas clandestinas que iludiu toda a explicação científica e arquitetou inúmeras teorias conspiratórias.

A partir do final de 2016, os diplomatas estadunidenses em Havana começaram a relatar episódios intrigantes de sons, vibrações e pressões irritantes antes de adoecerem com uma série de sintomas. Eles tiveram tontura, náusea, dores de cabeça, problemas de equilíbrio, zumbidos nos ouvidos, hemorragias nasais, dificuldade de concentração e lembrar palavras, perda auditiva e problemas de fala.

A maioria dos funcionários da embaixada foi chamada de volta para os EUA, enquanto várias teorias sobre o fenômeno circularam. As teorias vão desde a existência de uma arma sônica duvidosa, até a doença psicogênica em massa, até agentes infecciosos, exposição a substâncias químicas, equipamentos de vigilância com defeito e uma mistura de estresse e grilos. Mas nenhuma explicação clara para as experiências dos diplomatas ou seus sintomas foram encontrados. E enquanto isso, diplomatas na China começaram a relatar episódios e sintomas semelhantes e foram evacuados.

No início do ano passado, uma equipe de especialistas médicos da Universidade da Pensilvânia publicou uma avaliação clínica preliminar de 21 indivíduos afetados. Eles conduziram extensas avaliações dos indivíduos e concluíram que, em geral, eles pareciam ter sofrido “danos às redes cerebrais disseminadas, sem um histórico associado de traumatismo craniano”.

O relatório reforçou a preocupação com os casos estranhos, mas também gerou críticas. Alguns neurologistas disseram que a equipe fez com que seus critérios para alguns dos problemas neurológicos fossem muito amplos – encontrar deficiências quando, talvez, não houvesse nenhuma.

A equipe respondeu dizendo aos repórteres que eles tinham mais dados do que o governo dos EUA permitiu que eles incluíssem no relatório inicial, e que os critérios eram “mais sutis”. Em vez de usar limites padrão, eles usaram o que era considerado normal para cada um dos pacientes.

A nova análise de imagens cerebrais – publicada pela mesma equipe da Penn – provavelmente não resolverá nenhuma disputa. Na verdade, isso só levanta novas questões.

Imagem desfocada

Para a nova análise, a equipe usou três tipos de técnicas de imagem para obter informações detalhadas sobre os cérebros de 40 indivíduos afetados em Cuba. A primeira técnica foi a recuperação de inversão atenuada por fluidos 3D padrão (de sigla em inglês, FLAIR) que permitiu à equipe calcular o volume de matéria branca e cinzenta no cérebro de cada paciente. A segunda foi o Diffusion Tensor Imaging (DTI), que utiliza a difusão de moléculas de água no tecido cerebral para coletar informações sobre a integridade dos tecidos e microestruturas. A última foi a Ressonância Magnética Funcional em estado de repouso (de sigla em inglês, fMRI), que usa mudanças no fluxo sanguíneo no cérebro enquanto uma pessoa não está realizando nenhuma tarefa específica para avaliar a atividade basal em conexões funcionais, ou seja, redes envolvidas em coisas como audição, percepção visual e funções executivas.

A equipe então comparou os achados de imagem cerebral nos 40 pacientes a dois grupos de controles saudáveis: um conjunto de 21 indivíduos saudáveis ​​que combinavam com os níveis de educação e status profissional dos 40 pacientes, bem como informações demográficas, como idade e etnia; e um grupo de 27 indivíduos saudáveis ​​que tinham um espectro mais amplo de educação e habilidades.

No geral, os pesquisadores descobriram que os 40 pacientes tinham, em média, volumes ligeiramente menores de matéria branca total em seus cérebros em comparação com os dos grupos saudáveis. A matéria branca é um tecido composto de feixes de fibras nervosas – os axônios – que conectam os neurônios em diferentes regiões do cérebro, formando circuitos funcionais. A matéria cinzenta, por outro lado, é o tecido cinza-rosado rico em corpos celulares neuronais.

Em particular, os pesquisadores descobriram volumes menores de substância branca vizinhos aos cerebelos dos pacientes, uma estrutura na parte inferior das costas do cérebro envolvida no controle e no equilíbrio motor.

Os resultados do DTI também encontraram diferenças na difusão tecidual e microestruturas nessa região. Algumas dessas diferenças pareciam ligar-se às pontuações dos pacientes em testes sensoriais e clínicos – quanto maiores as diferenças, pior a pontuação.

Por fim, o rs-fMRI encontrou conectividade reduzida nas redes auditivas e visuoespaciais dos pacientes em comparação com os controles. Mas essa descoberta não se correlacionou com os sintomas clínicos dos pacientes.

Provocação cerebral

No geral, os pesquisadores descobriram uma série de diferenças que não conseguiram explicar. O padrão de alterações não coincide com o observado em qualquer outra lesão ou distúrbio cerebral conhecido. Se as diferenças forem reais, pareceria um conjunto totalmente singular de mudanças cerebrais.

Ainda assim, embora intrigante, a equipe da Penn foi cautelosa em suas conclusões, escrevendo que, dadas as “correlações relativamente fracas observadas para algumas métricas e a ausência de correlação com métricas de conectividade funcional, as implicações clínicas das diferenças de neuroimagem permanecem incertas.”

Os pesquisadores também notaram que o estudo tem limitações significativas: tem apenas 40 adultos afetados, e a equipe não tinha informações sobre o estado de seus cérebros antes dos episódios relatados. Eles também não conseguiam determinar a quantidade de exposição que cada indivíduo tinha ao fenômeno ofensivo.

Também houve diferentes quantidades de tempo desde a exposição de cada paciente, oferecendo diversas oportunidades de recuperação de possíveis lesões cerebrais. E, claro, as várias técnicas de imagem utilizadas na análise têm suas próprias limitações e taxas de erro.

Em nota editorial acompanhante, dois editores de alto nível do JAMA ecoam a incerteza dos autores sobre se as diferenças encontradas são clinicamente relevantes. Mas eles reconhecem que o mistério permanece, escrevendo:

Esses dados únicos fornecem informações adicionais e contribuem para uma crescente base de evidências que podem ajudar na compreensão dos sinais e sintomas neurológicos experimentados por esse grupo de indivíduos.

(Fonte)

Colaboração: Diana Artemis


Aparentemente estão utilizando os membros da embaixada dos EUA em Cuba como cobaias para testarem novas armas que serão utilizadas em caso de uma guerra.

Sim, isto foi simplesmente uma especulação de minha parte, mas não deixa de ser uma possibilidade real.

Como será nosso mundo daqui 5 anos? Quem viver, verá.

n3m3

Você pode ajudar na manutenção do OVNI Hoje. Clique aqui para saber mais.

ATENÇÃO: Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.



Participe dos comentários mais abaixo…

Termos recém pesquisados por leitores: