O cosmos “é um Universo consciente”, e você é quem o faz – entenda mais sobre

 

Se você questiona sua importância nesta vida, esta é uma leitura que não pode ser deixada passar!

O cosmos "é um Universo consciente", e você é quem o faz - entenda mais sobre

A questão que intrigou o grande físico quântico norte-americano John Archibald Wheeler nas últimas décadas de sua vida foi: “A vida e a mente são irrelevantes para a estrutura do Universo, ou são centrais para ela?”

Wheeler originou a noção de um Universo “participativo e consciente”, um cosmos em que todos nós estamos incorporados como co-criadores, substituindo o universo aceito ‘lá fora’, que é separado de nós.

Wheeler usou a imagem de crianças com os narizes pressionados contra uma janela de padaria para descrever a visão que mantinha o observador separado da coisa que estava sendo observada. Mas em um Universo totalmente participativo, o observador e a coisa observada são um só. Ele sugeriu que a natureza da realidade era revelada pelas leis bizarras da mecânica quântica.

De acordo com a teoria quântica, antes que a observação seja feita, existe uma partícula subatômica em vários estados, chamada de superposição (ou, como Wheeler a chamou, um ‘Dragão Esfumaçado’). Uma vez que a partícula é observada, ela colapsa instantaneamente em uma única posição.

Wheeler foi uma grande influência em Deepak Chopra, que uniu forças com o físico Menas Kafatos para explorar algumas das questões mais importantes e desconcertantes sobre a existência humana. O que acontece quando a ciência moderna atinge um ponto de virada crucial que desafia tudo o que sabemos sobre a realidade? Na era vindoura, o Universo será completamente redefinido como um ‘universo humano’ radicalmente diferente do frio e vazio em que a vida humana e o nosso planeta são um mero pó de poeira no cosmos.

 Wheeler introduziu o conceito de buracos de minhoca e cunhou o termo ‘buraco negro’. Ele foi pioneiro na teoria da fissão nuclear com Niels Bohr e introduziu a matriz S (a matriz de dispersão usada na mecânica quântica). Wheeler inventou um conceito de espuma quântica; uma teoria de “partículas virtuais” surgindo e desaparecendo no espaço (similarmente, ele conceituou espuma como a base do tecido do universo). No final de sua vida, Wheeler disse que, quando finalmente compreendermos a verdadeira natureza do Universo, “ficaremos impressionados com sua simplicidade”.

Sir John Eccles, um famoso neurologista australiano e Prêmio Nobel, declarou:

Quero que você perceba que não existe cor no mundo natural e nenhum som – nada desse tipo; sem texturas, sem padrões, sem beleza, sem perfume.

O que Eccles quis dizer, diz Kafatos, é que todas as qualidades da natureza, do perfume luxuoso de uma rosa à picada de uma vespa e ao sabor do mel, são produzidos por seres humanos. Erwin Schrödinger, um dos principais fundadores da mecânica quântica, disse essencialmente a mesma coisa quando declarou que os fótons, quanta de luz, não têm cor; tais propriedades surgem na biologia da percepção.

 Se você quer um observador por perto, e se você quer vida, precisa de elementos pesados. Para fazer elementos pesados ​​de hidrogênio, você precisa de combustão termonuclear. Para ter combustão termonuclear, você precisa de um tempo de cozimento em uma estrela de vários bilhões de anos. A fim de estender vários bilhões de anos em sua dimensão temporal, o Universo, de acordo com a relatividade geral, deve ter vários anos de duração em suas dimensões espaciais. Então, por que o Universo é tão grande quanto é? Por que estamos aqui.

Wheeler inspirou muitos jovens cientistas aspirantes, inclusive alguns dos grandes do século XX. Entre seus alunos de doutorado estavam Richard Feynman, ganhador do Prêmio Nobel, com quem ele foi co-autor da “teoria do absorvedor Wheeler-Feynman”; Hugh Everett, que propôs a interpretação de muitos mundos; Kip Thorne, que previu a existência de estrelas supergigantes vermelhas com núcleos de estrelas de nêutrons; Jacob Bekenstein, que formulou a termodinâmica do buraco negro; Charles Misner, que descobriu um espaço-tempo matemático chamado espaço de Misner; Arthur Wightman, o criador dos axiomas de Wightman; e Benjamin Schumacher, que inventou o termo “qubit” e é conhecido pela “compressão de Schumacher”.

Wheeler sugeriu que a realidade é criada por observadores e que: “nenhum fenômeno é um fenômeno real até que seja um fenômeno observado”.

Ele cunhou o termo “Princípio Antrópico Participativo” (PAP) do grego “anthropos”, ou humano. Ele foi mais longe ao sugerir que “nós somos participantes em trazer à existência não apenas o próximo e o aqui, mas também o longe e o há muito tempo.” Essa afirmação foi considerada um tanto estranha até seu experimento mental, conhecido como “experimento de escolha retardada”, que foi testado em laboratório em 1984. Este experimento foi uma variação do famoso “experimento de dupla fenda” no qual a natureza dual da luz foi exposta (dependendo de como o experimento foi medido e observado, a luz se comportou como uma partícula ( um fóton) ou como uma onda).

Os resultados deste experimento, assim como outro realizado em 2007, provaram o que Wheeler sempre suspeitou – a consciência dos observadores é necessária para trazer o Universo à existência.

Isso significa que uma Terra pré-vida teria existido em um estado indeterminado, e um universo pré-vida só poderia existir retroativamente.

Em seu livro recente espelhando Wheeler, “You Are the Universe“, Kafatos e Chopra sugerem que cada um de nós é um co-criador da realidade que se estende aos mais vastos períodos de tempo e espaço. Essa proposição aparentemente impossível decorre do estado atual da ciência, onde fora dos olhos do público, alguns mistérios-chave não podem ser resolvidos, embora sejam os mesmos problemas que definem a própria realidade.

A dupla diz:

A mudança para um novo paradigma está acontecendo. Todos nós vivemos em um Universo participativo. Uma vez que você decide que queira participar plenamente de mente, corpo e alma, a mudança de paradigma se torna pessoal. A realidade que você habita será sua para abraçar ou mudar.

As galáxias mais distantes a bilhões de anos-luz de distância não têm realidade sem você, porque tudo o que torna qualquer galáxia real – com a multidão de estrelas e seu calor, luz emitida e massas, as posições das galáxias distantes no espaço e a velocidade que leva cada galáxia distante a uma velocidade enorme – requer um observador humano com um sistema nervoso humano. Se ninguém existisse para experimentar calor, luz, massa e assim por diante, nada poderia ser real como a conhecemos. Se as qualidades da natureza são uma construção humana decorrente de experiências humanas, a existência do Universo físico ‘lá fora’ deve ser seriamente questionada – e, junto com ela, nossa participação em tal Universo.

Os físicos tiveram décadas para processar a percepção de Wheeler, o eminente físico americano, relativista geral e físico quântico, que originou a noção de um universo participativo, um cosmo no qual todos nós estamos incorporados como co-criadores, substituindo o universo aceito. lá fora ”, que é separado de nós. Wheeler usou a imagem de crianças com os narizes pressionados contra uma janela de padaria para descrever a visão que mantinha o observador separado da coisa que estava sendo observada. Mas em um Universo totalmente participativo, o observador e a coisa observada são um só.

O cérebro não é a sede da consciência, mas age mais como um receptor de rádio e, talvez, emissor, traduzindo a atividade consciente em correlatos físicos. (A metáfora do receptor de rádio descreve o ciclo de retroalimentação entre mente e cérebro, que não são separados, mas fazem parte da mesma atividade complementar na consciência.) Para entender nossa verdadeira participação no Universo, precisamos aprender muito mais sobre a consciência e como ela se torna mente na matéria e vice-versa.

Essas são verdades difíceis para os cientistas convencionais aceitarem, e alguns reagiriam com ceticismo, descrença ou raiva. Mas seguindo a outra pista de explicação, começando com objetos físicos “lá fora”, para começar falha completamente em explicar como estamos conscientes.

É por isso que, em blocos dispersos, alguns físicos estão começando a falar sobre um Universo consciente em que a consciência é dada em toda a natureza. De fato, os fundadores da mecânica quântica há um século concordaram mais com essa visão, tendo entendido que a mecânica quântica implica observação e agenciamento da mente.

(Fonte)


Se essa teoria estiver correta, então os humanos tudo, literalmente tudo que existe nessa nossa bolha chamada Universo depende de nós. Daí o interesse dos visitantes na nossa existência.

Mas seríamos coadjuvantes junto com outras raças nessa obra imensa chamada Universo?

Mistérios e mais mistérios!

n3m3

Você pode ajudar na manutenção do OVNI Hoje. Clique aqui para saber mais.

ATENÇÃO: Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…

AVISO: Todos são bem-vindos a participar da área de comentários abaixo. Contudo, os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprios autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências ou conflitos por eles causados.

Também informamos que, a fim de não causar distrações e conflitos desnecessários, comentários, avatares e pseudônimos com viés político, seja de qual ideologia for, serão prontamente apagados quando encontrados pelos moderadores. O foco dos comentários deve ser mantido no assunto de cada artigo e somente desviado quando for pertinente ao tema do OVNI Hoje.

Assim, colabore com o bom andamento dos comentários, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando comentários fora do padrão como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.