5 coisas que alienígenas achariam estranho em humanos

Tempo de leitura: 3 minutos


The Ape That Understood the Universe (O Macaco que Compreendeu o Universo), por Steve Stewart-Williams, é um livro fantástico sobre a evolução da psicologia humana e da cultura. Está repleto de informações seriamente interessantes da psicologia evolutiva e da memética.

5 coisas que alienígenas achariam estranho em humanos

Aqui estão cinco idéias sobre os seres humanos descritas no livro, que os alienígenas podem achar muito estranho:

1. Existem causas ‘imediatas’ e ‘derradeiras’ do comportamento humano.

Por que as pessoas fazem sexo? Uma razão é que isso é bom. Outra é que isso leva a crianças.

O prazer do sexo é a causa imediata, o condutor imediato do comportamento. O sexo normalmente não é motivado pelo desejo de se reproduzir, é mais frequentemente motivado por uma busca de prazer.

Mas por que evoluímos para achar o sexo prazeroso? Porque isso leva a crianças. Ter filhos é a causa final do sexo.

Como Stewart-Williams coloca, “quando os psicólogos evolucionistas argumentam que sexo diz respeito a fazer bebês, eles estão falando sobre a função evolucionária do comportamento, não o que as pessoas querem.”

De fato, a sensação de prazer evoluiu porque as atividades que levam a este sentimento forneceram alguma vantagem em nosso passado evolutivo.

2. Nossa evolução pode ajudar a explicar o risco de doenças.

O livro detalha uma possível explicação do porquê das mulheres modernas terem um risco de câncer de mama até 100 vezes maior do que o das mulheres da era pré-agricultura. Durante a maior parte da história humana, as mulheres passaram uma grande parte de seus anos reprodutivos grávidas ou amamentando. Isso significava que elas não menstruavam com tanta frequência quanto hoje.

Em condições de caçadora-coletora, uma mulher teria cerca de 100 ciclos menstruais em sua vida. No mundo moderno, as mulheres atingem a puberdade em idades mais precoces, têm menos gravidezes e passam menos tempo amamentando. Hoje, as mulheres têm até 400 ciclos menstruais. Isso as expõe a níveis mais altos de hormônios e flutuações ovarianas, o que aumenta as chances de câncer de mama.

3. O amor pode ser incompatível com o mundo moderno.

Durante a maior parte da história humana, as pessoas viviam em comunidades de pequena escala com cerca de 150 pessoas. As oportunidades de acasalamento eram limitadas. Assim, se uma pessoa entrasse em um relacionamento, ela formaria um vínculo profundo com a outra pessoa, em parte porque não havia muitas opções.

No mundo moderno, ainda sentimos esses laços. Apesar de vivermos em áreas urbanas cheias de parceiro/as em potencial e podermos até abrir um aplicativo para conhecer alguém novo, ainda nos importamos profundamente com nossos parceiros de acasalamento e sentimos a dor ao perdê-los.

O livro diz: “A tenacidade excessiva do amor pode, em outras palavras, ser um resultado da incompatibilidade evolucionária”.


4. Estratégias sexuais masculinas e femininas.

O sexo é agradável para homens e mulheres. Em nosso passado evolucionário, porém, o sexo representava riscos muito maiores para as mulheres em comparação aos homens. Uma razão é que as mulheres podem engravidar, o que muitas vezes é perigoso em sociedades de pequena escala. Como resultado, as mulheres são mais seletivas sobre com quem entram em relacionamentos românticos.

Mesmo com a tecnologia moderna de controle de natalidade, as mulheres ainda são mais seletivas, em parte porque, embora o ambiente tenha mudado, aspectos de nossa psicologia evoluída não mudaram.

O livro descreve um estudo em que um jovem atraente abordou mulheres e perguntou se elas gostariam de ir até o seu apartamento; 6% disseram que sim. Em uma versão diferente do estudo, uma mulher atraente se aproximou dos homens e perguntou se eles gostariam de ir ao seu apartamento; 69% dos homens disseram sim.

Stewart-Williams sugere que outra maneira de olhar para as diferenças é considerar como homens e mulheres abordam o sexo em situações com poucas restrições. Em um estudo, pesquisadores descobriram que em São Francisco, na década de 1970, 75% dos homens gays relataram ter tido mais de 100 parceiros sexuais, enquanto 2% das lésbicas relataram mais de 100 parceiras sexuais.

5. O meme egoísta.

Esta pode ser a parte mais estranha do livro e talvez a mais interessante. Os memes são “unidades de cultura: ideias, crenças, práticas e qualquer outra coisa que possa ser transmitida via aprendizado social”. Os memes são análogos aos genes. Assim como alguns genes são mais propensos a sobreviver e se replicar, o mesmo vale para os memes.

Algumas ideias e práticas são mais úteis do que outras e, portanto, têm maior probabilidade de sobreviver. Mas aqui está a parte estranha: o fator determinante para se um meme será transmitido é se a sobrevivência beneficia o meme em si, não a pessoa que o utiliza.

Assim como um gene não se importa com a sobrevivência de um organismo, mas sim com a sobrevivência de si mesmo, um meme não se importa com a sobrevivência do portador do meme, mas simplesmente com sua própria sobrevivência.

Os memes não são conscientes mais do que os genes são conscientes. Eles simplesmente agem de maneira a maximizar sua própria sobrevivência. Alguns memes são extintos e outros proliferam.

É verdade que alguns memes nos ajudam (normas morais, por exemplo). Mas outros memes podem realmente ser evolutivamente prejudiciais (da mesma forma, algumas variantes genéticas podem nos beneficiar, enquanto outras podem colocar nossa saúde em risco).

O livro oferece diferentes denominações religiosas como um exemplo. Algumas religiões promovem a fertilidade, exortando seus portadores de memes a terem muitos filhos. Os detentores de memes inculcam seus filhos com os memes, que beneficiam a sobrevivência do meme.

Outras religiões reforçam a abstinência. Por exemplo, os Shakers eram uma seita americana do século XVIII que insistia no celibato estrito. Com o tempo, os Shakers foram extintos. Stewart-Williams descreve o shakerismo como um ‘parasita esterilizante’.

Além do shakerismo, pode ser possível que outros memes exortando as pessoas a não terem filhos ou terem mais filhos sejam semelhantes. E com o tempo, esses memes têm o mesmo efeito esterilizante ou procriador.

(Fonte)

Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.


Nós humanos somos extremamente complexos e infinitamente mais intricados psicologicamente do que qualquer outro animal do nosso planeta. Nem sequer entendemos a nós mesmos e queremos adivinhar como os alienígenas seriam?

Isso só vai acontecer quando os visitantes realmente se exporem, e mesmo assim penso que só tocaremos a superfície de suas psicologias.