O cheiro da Lua: astronautas da Apolo descrevem o aroma lunar

Tempo de leitura: 4 minutos


O cheiro da Lua é característico. Pergunte a qualquer explorador da missão lunar Apolo sobre a natureza ‘olfativa’ da sujeira lunar e você obterá a mesma resposta.

O cheiro da Lua: astronautas da Apolo descrevem o cheiro da Lua
Caminhada lunar Apolo 16, coletando solo – NASA

Com as seis missões de pouso lunar Apollo da NASA, entre 1969 e o final de 1972, um total de 12 astronautas levantaram o pó da Lua, tornando-se um grupo de elite que mais tarde seria rotulado como a ‘dusty dozen*’.

[* Algo como "a dúzia poeirenta"]

Desde a modesta caminhada lunar de 2,5 horas da Apolo 11, até as incursões totalizando pouco mais de 22 horas fora de uma espaçonave na Apolo 17, as equipes de pouso Apolo da NASA não podiam escapar de trazer material lunar para dentro de suas naves de pouso.

Décadas mais tarde, aqueles que caminharam na Lua e os cientistas lunares ainda estão tentando descobrir exatamente o que causou o aroma da Lua ao nariz dos astronautas.

Aquele cheiro fresco de regolito lunar

Harrison “Jack” Schmitt, da Apolo 17, um cientista-astronauta que andou na superfície da Lua em dezembro de 1972, disse:

Tudo o que posso dizer é que a impressão instantânea de todos sobre o cheiro era de pólvora queimada; não que fosse ‘metálico’ ou ‘acre’. O cheiro de pólvora queimada provavelmente foi muito mais implantado em nossas memórias do que outros odores comparáveis.

Schmitt disse que acreditava que todos os que caminharam na Lua concordaram e comentaram na época que, quando tiraram seus capacetes, o regolito ‘fresco’ (o nome científico da sujeira lunar) no ar da cabine cheirava a pólvora consumida.

Schmitt disse:

Pelo que vale, sempre suspeitei que os sensores olfativos estvamreagindo a uma variedade de ligações de elétrons, como seria de se esperar tanto com a pólvora lançada como a poeira lunar recém-introduzida na cabine.

A propósito, o tempo de começar a re-pressurização [do [do módulo lunar] meu primeiro comentário sobre a pólvora foi quase exatamente sete minutos.

Membranas mucosas no espaço

Último homem a pisar na lua – Jack Schmitt, da Apolo 17 – um dos 12 humanos para fazer a jornada. NASA

Larry Taylor, diretor do Instituto de Geociências Planetárias da Universidade do Tennessee, em Knoxville, concorda com a opinião de Schmitt. Ele serviu no Johnson Space Center da NASA em Houston durante a missão Apolo 17, e foi um daqueles que aconselhou diretamente os astronautas na Lua durante suas caminhadas através da paisagem lunar.

Taylor disse;

Quando todo o assunto do cheiro de poeira surgiu há vários anos, eu expliquei o que os astronautas estavam cheirando, isto é, o que suas membranas mucosas sentiam, eram partículas de poeira altamente ativadas com “ligações pendentes”.

Taylor disse que quando um geólogo esmaga uma pedra aqui na Terra, essa pessoa sentirá algum odor gerado pelo esmagamento de minerais, criando assim os chamados vínculos pendentes. Mas na Lua, os laços pendentes podem existir por um longo tempo. E como a rocha lunar e o solo são compostos de aproximadamente 43% de oxigênio, a maioria desses “ligações insatisfeitas” provém do oxigênio.

Ele disse ao site Space.com:

Em suma, acredito que todos os astronautas cheiraram ligações insatisfeitas pendentes na poeira lunar … que foram prontamente satisfeitas em um segundo pela atmosfera do módulo lunar, ou umidade da membrana do nariz.

Agarre o espécime

O piloto do módulo lunar Apolo 11, Buzz Aldrin, também lembra o cheiro da Lua. Quando ele e Armstrong voltaram a entrar e repressurizar o módulo lunar Eagle, seus trajes e equipamentos ficaram sujos pela poeira lunar. Essa poeira tem um odor definido, ele informou.

Aldrin disse:

Era como carvão queimado, ou semelhante às cinzas que estão em uma lareira, especialmente se você borrifar um pouco de água sobre elas.

Aldrin também notou outro episódio de poeira lunar na missão Apolo 11:

Antes de sairmos da Terra, a poeira lunar era considerada por alguns alarmistas como muito perigosa; na verdade pirofórica, capaz de se inflamar espontaneamente no ar.

O fato da poeira lunar ter estado tão afastada de contato com o oxigênio, assim que nós repressurizamos nossa cabina do módulo lunar, ela poderia começar a aquecer, queimar, até explodir em chamas. Pelo menos essa era a preocupação de alguns.

Um espetáculo de fogos de artifício do final de julho na Lua não era algo aconselhável.

Então, Aldrin e Armstrong fizeram um teste ad hoc de poeira lunar. Eles fizeram isso usando uma chamada ‘amostra da garra’, uma amostra lunar coletada rapidamente por Armstrong e escondida em seu bolso de traje espacial, caso houvesse um problema que forçasse os astronautas a sairem da cena com pressa.

Esse espécime foi colocado no topo plano do cilíndrico da tampa do motor da subida da Eagle. E quando a cabine começou a se encher de ar, tanto Armstrong quanto Aldrin esperaram para ver se a amostra lunar de fato iria esfumaçar e arder.

Aldrin disse:

Se isso acontecesse, nós pararíamos de pressurizar, abriríamos a escotilha e jogá-la-ia para fora. Mas nada aconteceu. Voltamos ao assunto de nos prepararmos para a partida da Lua.

No final da missão da Apolo 17, em dezembro de 1972, os trajes lunares e os capacetes espaciais estavam cobertos por poeira lunar. NASA

Uma natureza lunar reativa

Foi Thomas Gold, professor de astronomia na Universidade de Cornell – falecido em 2004 – que primeiro sinalizou o potencial explosivo da rocha lunar, disse Donald Bogard, um membro do Instituto Planetário Lunar em Houston, Texas.

De 1971 até sua aposentadoria da NASA em 2010, Bogard foi um investigador principal nos programas de pesquisa lunar e meteorito da NASA e foi membro da equipe científica que realizou testes de quarentena das amostras lunares da Apolo entre 1969 e 1971.

Bogard disse;

Tommy Gold estava parcialmente correto quando alertou a NASA, antes da Apolo 11, que a poeira lunar levada ao módulo lunar poderia entrar em combustão espontânea e produzir um problema de segurança.

Eu fui convocado para uma reunião do JSC antes da Apolo 11 para discutir essa possibilidade.

O Gold havia percebido a provável natureza reativa das superfícies do material lunar, mas havia enfatizado demais seus efeitos reativos.

(Fonte)

Colaboração: heliojuni, NINGUEM

Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.


Espero ansiosamente pela missão Artemis, que promete colocar a primeira mulher na Lua… e traze-la de volta, é claro. Será interessante ver o ponto de vista dessa astronauta sobre a nossa companheira celeste mais próxima – a Lua.