Onda de terremotos na Califórnia – mais estranha do que se imagina

Tempo de leitura: 3 min.


A maioria das pessoas que vivem no sul da Califórnia toda a sua vida seria rápida em dizer que os terremotos não são nada fora do comum.

Onda de terremotos na Califórnia - mais estranha do que se imagina
Mapa do USGS representando locais de choque duplo e tremor secundário logo após o evento M7.1, que exibe um padrão distinto de ‘T’, criado pelas duas zonas de falhas perpendiculares. (USGS / domínio público).

No entanto, com a chegada do feriado de 4 de julho, moradores do norte de Los Angeles tiveram mais do que apenas fogos de artifício para agitar as coisas, enquanto um enxame de terremotos sacudiu as comunidades do deserto em toda a região até a semana seguinte.

A NBC Los Angeles informou que até segunda-feira de manhã “quase 3.000 tremores secundários foram registrados na área desde o grande choque de magnitude 7,1 de sexta-feira e magnitude 6,4 no terremoto do Dia da Independência, os terremotos mais fortes que atingiram o sul da Califórnia nos últimos 20 anos”. Os terremotos foram centrados nos arredores da cidade de Ridgecrest, no deserto de Mojave, a cerca de 240 quilômetros ao norte de Los Angeles.

Embora os terremotos não sejam incomuns na região, isso não significa que a onda de tremores da semana retrasada tenha sido algo típico.

Os geólogos observam que existe apenas cerca de 5% de probabilidade de que um terremoto significativo seja seguido por um terremoto ainda maior. No entanto, essa foi apenas uma das maneiras pelas quais os primeiros pares de terremotos que atingiram a região aparentemente desafiaram as probabilidades.

A Live Science informou que o terremoto do Dia da Independência (4) ocorreu em uma região de falha não mapeada ao longo da zona de falha de Little Lake, perto de Ridgecrest, e envolveu rupturas de ângulo reto, que podem ser mais facilmente detectadas hoje do que há anos atrás.

A geocientista Michele Cooke disse à Live Science:

Isso é muito interessante geologicamente. Não temos muitos terremotos em nosso registro que mostram o deslizamento simultâneo de duas falhas perpendiculares.

Muitos de nós estamos imaginando se essas complicações são realmente a norma e que nossos instrumentos há mais de 10 anos não eram sensíveis o suficiente para detectar essas complicações.

Cooke sugeriu que esses eventos sísmicos ‘raros’ podem não ser tão incomuns.

No entanto, os geólogos não foram os únicos a perceber coisas estranhas coincidentes com os recentes terremotos na Califórnia. Segundo a Associação Nacional de Radioamadorismo – EUA (sigla em inglês, ARRL), distúrbios na propagação de HF (Alta Frequência) na costa oeste pareciam coincidir com o terremoto de 4 de julho, resultando em um ‘grande apagão de rádio de ondas curtas’ durante o feriado, um fenômeno que foi observado por um número de operadores de rádio HAM na região.

Alex Schwarz, operador de radioamador da Colúmbia Britânica, Canadá, que opera o sismógrafo de RF, relatou que havia correlações “entre a atividade do terremoto e as condições da faixa de alta frequência”, disse que a interrupção do rádio começou por volta de 1600 UTC em 4 de julho e continuou em 5 de julho.

Segundo a ARRL:

[Schwarz] disse que em 4 de julho o apagão foi total exceto 20 metros, onde as condições foram “severamente atenuadas”… O sismógrafo RF também detectou o terremoto de magnitude 7,1 em 6 de julho na mesma vizinhança.

Finalmente, a NASA também estava monitorando os tremores, com uma pequena ajuda da Agência Espacial Japonesa (JAXA) e um de seus satélites, o que resultou em imagens coloridas das áreas afetadas pelos terremotos:

Onda de terremotos na Califórnia - mais estranha do que se imagina
Imagem que descreve o deslocamento da elevação do terremoto após os eventos sísmicos de 4 de julho (Crédito: JPL / Caltech / NASA).

De acordo com o Laboratório de Propulsão a Jato da NASA, a equipe da Agência Espacial de Análise e Imageamento Rápido (de sigla em inglês, ARIA) emprestou dados coletados pelo radar de abertura sintética, que foi colorido para revelar pequenas alterações que eram visíveis na área dos terremotos.

O Science Alert informou:

Cada cor … representa 12 centímetros de elevação ou afundamento na paisagem, com evidência de rachaduras nas linhas cortando as franjas de algumas cores.

Apesar da força significativa dos terremotos da semana retrasada, poucas lesões foram relatadas já que o epicentro dos tremores foi localizado em uma área remota. Também é possível que mais terremotos e tremores secundários continuem durante as próximas semanas, embora os dados únicos coletados em seu rescaldo possam ajudar a reformular nossa compreensão de fenômenos sísmicos semelhantes nas próximas décadas.

(Fonte)

Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.


É bem possível que não tínhamos equipamentos sensíveis o suficiente no passado para detectar essas anomalias que ocorreram durante os terremotos na Califórnia; contudo, o fato das ondas curtas terem sido afetadas, pelo que me consta, é uma novidade.

No mínimo, tudo muito estranho. Um prato cheio para teorias da conspiração.

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.