Arqueologia espacial entra em vigor

Tempo de leitura: 3 min.


O que é preciso para praticar arqueologia espacial? Não, você não precisa de um foguete ou de um traje espacial. No entanto, lasers são por vezes envolvidos. E câmeras infravermelhas. E satélites espiões.

Arqueologia espacial entra em vigor
A arqueóloga e autora Sarah Parcak mergulha profundamente em seu novo livro ‘Arqueologia do Espaço’. Crédito: Rob Clark, da National Geographic

Bem-vindo ao mundo de Sarah Parcak.

Parcak, arqueóloga e professora de antropologia da Universidade do Alabama, em Birmingham, mapeou locais do mundo todo do espaço; ela faz isso usando imagens captadas por satélites – da NASA e de empresas privadas – em órbita acima do solo.

A partir dessas alturas elevadas, instrumentos sensíveis podem revelar detalhes que são invisíveis para os cientistas no solo, marcando as posições das paredes ou mesmo cidades inteiras que foram enterradas por milênios.

Parcak desvela como as visões do espaço estão transformando o campo da arqueologia, em seu novo livro “Archaeology From Space: How the Future Shapes Our Past” (Henry Holt and Co., 2019) (‘Arqueologia do Espaço: Como o Futuro Molda Nosso Passado’).

Os satélites analisam paisagens e usam diferentes partes do espectro de luz para descobrir restos enterrados de antigas civilizações. Mas estudar os sítios arqueológicos de cima tinha um começo muito humilde (e de baixa tecnologia), disse Parcak ao Live Science.

Os pesquisadores experimentaram pela primeira vez a observação a partir de uma grande altura em um local histórico há mais de um século, quando um membro do Corpo de Engenheiros Reais fotografou o monumento de 5 mil anos de idade, Stonehenge, de um balão de ar quente.

Parcak disse:

Você podia até ver – a partir desta foto muito antiga e um tanto embaçada – manchas na paisagem ao redor do local, mostrando que havia recursos enterrados lá.

Durante os anos 60 e 70, a fotografia aérea continuou a desempenhar um papel importante na arqueologia. Mas quando a NASA lançou seus primeiros satélites, ela abriu “um mundo completamente novo” para os arqueólogos nas décadas de 1980 e 1990, disse Parcak.

De fato, imagens desclassificadas do programa de satélites Corona, do governo americano, que funcionou de 1959 a 1972, ajudaram os arqueólogos na década de 1990 a reconstruir as posições de importantes locais no Oriente Médio que haviam desaparecido, erradicados pela expansão urbana.

Hoje, imagens aéreas ou de satélite capturadas por lentes ópticas, câmeras térmicas, infravermelho e LIDAR – detecção de luz e alcance, um tipo de sistema a laser – estão bem estabelecidas como parte do kit de ferramentas de um arqueólogo. E os arqueólogos precisam de tantas ferramentas quanto puderem; Acredita-se que existam milhões de sítios ao redor do mundo que ainda serão descobertos, acrescentou Parcak.

Mas o sensoriamento remoto não é padrão para todos os tamanhos; terrenos diferentes requerem diferentes técnicas de arqueologia espacial. Por exemplo, no Egito, coberturas de areia ocultam pirâmides e cidades. Nesse tipo de paisagem, satélites ópticos de alta resolução revelam diferenças sutis na superfície que podem sugerir estruturas subterrâneas. E em regiões com vegetação densa, como no sudeste da Ásia ou na América Central, o LIDAR emite milhões de pulsos de luz para penetrar debaixo das árvores e detectar edifícios escondidos, explicou Parcak.

Em seu próprio trabalho, a análise de Parcak das vistas de satélite levou à criação de um novo mapa para a lendária cidade de Tanis no Egito, famosa no filme ‘Caçadores da Arca Perdida‘. Imagens de satélite de Tanis revelaram uma vasta rede de edifícios da cidade, que antes não eram detectados, mesmo quando o local estava sob escavação, escreveu ela.

Arqueologia espacial entra em vigor
Imagens de satélite da antiga cidade egípcia Tanis revelaram muralhas da cidade que eram invisíveis para os arqueólogos no solo. Crédito: Cortesia de Sarah Parcak

Se essas histórias de arqueologia espacial no livro de Parcak deixam os leitores querendo mais, ele estão com sorte. Uma plataforma online chamada GlobalXplorer, lançada e administrada pela Parcak, oferece aos usuários acesso a uma biblioteca de imagens de satélite para navegação e anotação.

Aspirantes ‘cientistas-cidadãos’ podem participar de ‘campanhas’ para ajudar na busca contínua de cidades perdidas e estruturas antigas, e ajudar especialistas a identificar sinais de saques em sites vulneráveis, de acordo com o site da plataforma.

Desde 2017, aproximadamente 80.000 usuários avaliaram 14 milhões de imagens de satélite, mapeando 700 dos principais sítios arqueológicos até então desconhecidos, disse Parcak.

(Fonte)

Contribuição: Márcia Neeleman

Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.


Será que algum sinal de civilizações muito mais antigas do que a história nos conta poderá ser encontrado a partir dessa forma de praticar arqueologia?

À medida que os métodos se aprimoram, muitas mais surpresas virão.

-------

BOMBANDO NO planetaabsurdo.com.br:

ALGUÉM ESTÁ COLANDO CHAPÉUS DE CAUBÓI NOS POMPOS EM LAS VEGAS

-------

AVISO: Todos são bem-vindos a participar da área de comentários abaixo. Contudo, os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprios autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências ou conflitos por eles causados.

Também informamos que, a fim de não causar distrações e conflitos desnecessários, comentários, avatares e pseudônimos com viés político, seja de qual ideologia for, serão prontamente apagados quando encontrados pelos moderadores. O foco dos comentários deve ser mantido no assunto de cada artigo e somente desviado quando for pertinente ao tema do OVNI Hoje.

Assim, colabore com o bom andamento dos comentários, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando comentários fora do padrão como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.